E se as redes sociais fossem criadas alguns séculos atrás? É o que mostra o novo anúncio da IKEA

A tecnologia que afasta as pessoas acabou por se tornar um clichê da nossa geração. Quantas vezes você já ouviu algum parente mais velho reclamando que você não sai do celular ou coisa do tipo? Eu aposto que incontáveis vezes. Ontem mesmo eu fiz um churrasco aqui em casa pra receber minha mãe e minha irmã e enquanto eu estava entretido com um espetinho percebi que a mesa se calou, e olha que a conversa estava animada, quando levanto a cabeça estão as quatro pessoas da mesa com aquele brilho da tela do celular no rosto.

Esse já é um tema da nossa cultura popular, daqui há 20 ou 30 anos vai-se falar da era onde as pessoas se afastaram umas das outras para ter contato virtual. Hoje já temos uma porção de obras na literatura, cinema e televisão sobre isso. Jogador Número 1 por exemplo, vai ganhar filme em 2018 pelas mãos da lenda Steven Spielberg e conta a história de um garoto que passa boa parte dos seus dias dentro de um simulador de realidade virtual, é lá que ele interage com outras pessoas. E claro que não posso deixar de citar a série britânica Black Mirror que já tem 2 temporadas e vai para a sua terceira este ano pelas mãos da Netflix. Black Mirror é uma série onde os episódios não se conectam, são histórias completamente independentes, mas com um tema em comum, a paranoia tecnológica.

Mas aí vem a pergunta, e se fosse o contrário? E se as redes sociais que tanto nos fazem ficar colados ao celular fossem inventadas há séculos atrás, como seria? A gigante sueca fabricante de móveis, IKEA, imaginou isso em seu novo comercial:

O vídeo intitulado Let’s Relax tenta mostrar que estamos perdendo tempo demais tentando criar altas demandas na nossa vida como compartilhar tudo que fazemos, tudo que comemos ou assistimos pela rede mundial de computadores. Não estamos mais passando tempo com nossa família, ou como o próprio vídeo diz, não estamos mais relaxando.

A idéia da IKEA é que as pessoas possam criar mais “momentos de qualidade”, estar na companhia de outras pessoas e compartilhar uma refeição, uma conversa. Dizer mais vezes um “olá” ou um “até logo”.

O vídeo surgiu de uma pesquisa de público que mostrava que 73% das pessoas entrevistadas cozinhavam para tentar se sentir em casa mas apenas 42% conseguiam cozinhar todos os dias e fica pior, dessas pessoas que cozinhavam todos os dias, 34% moravam sozinhas e não compartilhavam esse momento com ninguém.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...