Dave Grohl, um cara legal resistindo no cenário mundial do Rock

Não é fácil ser um dos últimos representantes ativos a continuar carregando a bandeira do Rock nos estúdios e no palco.

A responsabilidade é tanta que, nas últimas duas décadas, nomes poderosos acabaram caindo diante da tarefa de manter o bom e velho Rock and Roll vivo, ao exemplo do bom e velho Oasis. As bandas que não entraram em colapso criaram uma geração de frontmen que, como Axl Rose, não sabem lidar com a grandiosidade e o poder e hoje, esses caras que já são cinquentões, ainda fazem questão de chegar atrasados em shows e se esforçam o mínimo para agradar os fãs.

Isso só torna o Foo Fighter e seu líder Dabe Grohl mais especiais.

Além de serem uma das últimas bandas dos tempos áureos do Rock, o grupo de Grohl ainda lança discos sempre muito bons, faz espetáculos memoráveis e, ao contrário do resto das estrelas pop, respeita seu público.

Já não é de hoje o carisma do líder e guitarrista da banda, mas é de se tirar o chapéu certas atitudes que, nós meros mortais, jamais imaginaríamos que alguém com tamanho poder e genialidade pudesse fazer.
Em 2011, por exemplo, Grohl ganhou as manchetes por expulsar de um show em Londres um fã que estava querendo causar confusão. “Você não vem no meu show pra brigar”, disse ele, “Dê o fora daqui”. Relembre no vídeo abaixo:

Este ano, a voz do Foo Fighters chamou novamente a atenção da mídia por ter quebrado a perna durante um concerto na Suécia no mês passado. Após o triste incidente – que em versões muito menos trágicas já fez outros astros do Rock cancelarem turnês inteiras – Grohl não apenas fez questão de finalizar o show, como, após as primeiras semanas de recuperação, continuou se apresentando num trono improvisado à lá Game of Thrones. Como se não bastante o músico também convidou seu médico para o palco, num show em Boston, onde agradeceu ao vivo pela cirurgia e o fez cantar Seven Nation Army, num surpreendente cover dos White Stripes. Veja:

Como dito acima, é de se admirar não só o amor pelo Rock como o respeito aos fãs por parte de Grohl e sua banda. Que seu legado seja maior que a música que fazem, influenciando novas bandas a saberem se comportar diante do público.

Só nos resta agora torcer para que o grande artista continue segurando firmemente a bandeira do Rock e volte ao Brasil. E que por favor, dessa vez, não se machuque!

Confira Everlong no Trono do Rock:


Felipe Perazza é o cara por tras do blog Músicas de Andarilho e autor do livro Heróis e Anônimos.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...