Ex-Editora da Vertigo diz que Constantine da DC Comics “não é o verdadeiro”

Desde que a DC mandou concluir Hellblazer – que era publicado pela Vertigo – e colocou John Constantine como membro da Liga da Justiça Sombria e com sua própria série mensal na DC, uma discussão enorme entre os fãs do trapaceiro britânico começou: afinal, aquele era ou não o Constantine?

Essa discussão não era sobre a “identidade” do personagem (se aquele cara era o verdadeiro John Constantine), mas sobre a validade da presença dele entre as HQs de super-heróis normais, com as suas limitações de público e temas. Afinal, um Constantine para menores pode ser considerado um Constantine?

Agora, alguém com muita autoridade sobre o personagem deu sua visão pra essa discussão. Em uma matéria do Slate sobre o estado do personagem quando sua série de TV está prestes a estrear (o primeiro episódio de Constantine vai ao ar hoje nos EUA), a dona Karen Berger (ex-editora da Vertigo e praticamente uma mãe pro personagem) comentou o assunto:

[qutoe]Eles pegaram o personagem e colocaram no lugar uma versão reduzida. Pelo que eu entendo, aquele não é o verdadeiro Constantine[/quote]

Além de Berger, o roteirista Peter Milligan (o último roteirista de Hellblazer e que escreve a Liga da Justiça Sombria) também comentou a situação:

[quote]Quando a versão do Constantine em Os Novos 52 se tornou a única versão do personagem, ele se tornou apenas um velhote britânico que faz algumas mágicas[/quote]

E pra você, leitor? Um Constantine com limitações etárias e temáticas pode ou não contar como “o verdadeiro Constantine”?

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...