Review | Mass Effect 3 – Jogando a franquia pela primeira vez!

Shepard em Mass Effect 3

Resolvi deixar o pré-conceito de lado, e dei uma chance à Mass Effect, o falatório ao redor de Mass Effect 3 me fez ficar curioso e depois de ler um pouco e ver uns trailers eu decidi que deveria tentar. Acho que foi um dos melhores acertos da minha vida gamer (que não vale nada, é verdade), mas fiquei apaixonado pela franquia de tal maneira que já encomendei os dois primeiros.

Para quem não sabe o que é Mass Effect, é um RPG de ficção científica em que o jogador controla o Comandante Shepard. A EA Games que distribui o jogo divulgou essa sinopse:

A Terra está queimando. Saindo de um lugar além do espaço conhecido, uma raça terrível de máquinas começou a destruição da raça humana. Como Comandante Shepard, sua única esperança para salvar a humanidade é se aliar às outras civilizações da galáxia e participar de sua última missão para reconquistar a Terra.

Bom, eu sei que houve um mimimi em relação ao enredo deste jogo, que os fãs queriam um final diferente. Eu ainda não cheguei no final, por isso não posso dizer nada, e ainda estou aprendendo sobre a história toda, passado dos personagens, as diferentes raças e planetas, ainda é tudo muito novo. Como o título diz, é minha primeira vez no Mass Effect.

Acredito que no conjunto da obra, a história do game é gênial, é muito envolvente, você realmente se sente na pele do Shepard e quer salvar o mundo. Se eu pudesse começava a jogar o primeiro game hoje e só parava quando terminasse o terceiro. É uma narrativa muito viciante, você sempre quer saber o que vai acontecer à seguir, o clima que o jogo cria com as cutscenes te faz ter a sensação de estar vendo uma série de TV e ao mesmo tempo participando dela. A trama é densa, complicada e tem tudo que tem em qualquer série ou filme, tem intrigas, traições, romance, inveja, ciúmes e ação. E por mais que o momento “playing” seja quase que na essência um jogo de ação, é tudo derivado desta trama, e o jogo te faz viver a trama, e até participar e mudar o rumo dela em várias oportunidades, afinal, é um RPG.

Shepard, Vega e Liara em Mass Effect 3

O visual é um atrativo à parte, a variedade de raças e de detalhes em cada uma delas é demais. Os cenários são fantásticos, os personagens, as armas, as naves e máquinas, estações espaciais, as armaduras. É um dos games mais bonitos que eu vi recentemente, não tem aquele futurismo exagerado e cheio de luzes neon piscando, é tudo na medida.

O sistema de batalha do jogo se assemelha muito à um shooter, para quem curte é um atrativo ainda maior para a franquia. Não é difícil e nesse 3º título o sistema de cobertura foi melhorado, e diferente dos shooters tradicionais como Call of Duty por exemplo, você está no comando, e você dá ordens à sua equipe, posicionando-os no meio da batalha, indicando qual arma devem usar se necessário, ou qual inimigo atacar. Achei o sistema inovador pois ao mesmo tempo que você age ainda dá ordem para sua equipe e segue uma estratégia, não é só disparar tiros até vencer.

Quem nunca jogou deveria jogar, não é porque esse é o último título da trilogia que foi inicialmente pensada que você vai deixar de jogar. Eu nem sabia qual era a história e estou viciado no jogo, ele trata bem quem o joga pela primeira vez, requer alguma pesquisa é óbvio, mas nada que te vá matar. Não é à toa que Mass Effect um recebeu nota 9.1 no IGN, sua sequência Mass Effect 2 recebeu 9.2 e o terceiro título recebeu um 9.5, uma constante que deve ser jogada por todo gamer e fã de ficção científica. Para mim o jogo leva às 5 estrelas disponíveis para ele.

Trailer de Mass Effect 3

Compre aqui o game para Playstation 3, Xbox 360 ou ainda para PC.

Mass Effect 3 foi lançado para Xbox 360, PS3 e PC no dia 6 de março de 2012. A demo do jogo também está disponível.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...