Crysis 3 usa 100% da capacidade da atual geração

De acordo com o CEO da Crytek, Cevat Yerli, Crysis 3, o novo game da franquia, usa a capacidade total que a atual geração de consoles disponibiliza.

Em entrevista ao Videogamer, Yerli disse que o podeiro técnico do novo Crysis leva o PlayStation 3 e o Xbox 360 ao limite. “Crysis 3 está absolutamente usando o máximo desses consoles. Não há absolutamente nem 1 por cento de capacidade restante. Nenhum game parecerá tecnicamente melhor que Crysis 3 nesses consoles, sem dúvidas. A maioria dos jogos não estão nem perto de Crysis 2 tecnicamente. Eu não estou falando de estilo – arte é subjetivo – mas do fato de que nós estivemos brigando com o Crysis 2 no Xbox e no Playstation. Eu ainda não vi um game fazer isso nos dias de hoje. É por isso que nós dissemos [dois anos atrás] que Crysis 3 já é um jogo da nova geração. Nós dissemos isso sem saber as especificações [da próxima geração], mas não será muito diferente do que nós tínhamos feito até aquele momento. E acontece que nós estávamos certo”, disse Yerli.

O CEO da Crytek ainda afirmou que a versão de PC do game está alguns leveis acima da versão de consoles.

Engraçado ver um executivo da indústria ir na contra-mão dos seus colegas. Alguns presidentes de estúdio pedem por novos consoles, como o Presidente da Ubisoft, enquanto seus games não usam toda a capacidade dos consoles da atual geração. Crysis 3 parece ser o limite do que a atual geração pode fornecer em termos técnicos (o CEO da Crytek ainda disse que topa comparar a quantidade de informação e o nível de detalhe que um Gears of War ou Halo coloca em cada mapa com as informações que Crysis coloca). Se nós já chegamos ao topo  isso não significa que uma nova geração é necessária, mas que os outros games/estúdios precisam chegar nesse ponto antes.

Crysis 3 já está em pré-venda na Origin, plataforma digital da EA. Quem comprar o game já, levará pra casa a Crysis 3 Hunter Edition, com um arco digital e ganho duplo de experiência no modo multiplayer até o nível 5 como bônus.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...