The Affair – Primeiras impressões

Pedro Luiz

  segunda-feira, 20 de outubro de 2014

The Affair – Primeiras impressões

Sexy, provocativo e sedutor. Um manual de como desenvolver um piloto a partir do conceito central das relações amorosas extraconjugais.

O canal Showtime é, provavelmente, o veículo que mais me agradou nos últimos cinco anos. Vi longas temporadas de Weeds (2005 – 2012) e Californication (2007 – 2014); duas séries que recomendarei sempre que puder. Atualmente, tenho acompanhado as acima da média Master of Sex, Homeland e Penny Dreadful, mesmo com algumas ressalvas para essa última. Sendo assim, posso dizer facilmente que o canal me deixou mal acostumado. As expectativas são as melhores possíveis quando algo inédito aparece. E não foi diferente com a novíssima The Affair, que ‘’só’’ precisou de complexidade na narrativa para conquistar este que vos escreve.

O segredo de uma boa história está nas memórias, na perspectiva usada e na personalidade do contador. Um fato só é – de fato – um fato quando existem evidências, provas. Quando essas não existem, a história passa a ser somente uma visão, uma construção, uma criação. E, na maioria das vezes, a história contada é um reflexo da personalidade do contador. Portanto, é quase impossível extrair de duas pessoas uma visão ou perspectiva única e idêntica a respeito de um ocorrido. The Affair pega esse conceito e coloca em discussão – para você, espectador – duas visões distintas: de um lado, um homem, e do outro, uma bela mulher. O que os dois têm em comum? Uma brecha para um caso em seus relacionamentos estáveis.

ZZ6E2D82811-550x337

Começamos em Manhattan. Um dia ensolarado dá o tom alegre para a viagem de verão da família Solloway. Noah (Dominic West), o pai dessa família, é um professor de colegial e escritor de primeira viagem. Acompanhado da bela mulher e dos quatro filhos, Noah dirige até Long Island, onde passarão as férias na casa de seu sogro. A primeira parte do piloto é focada exatamente nisso. A visão de Noah a respeito daquele dia. O que ocorreu da saída dele de Manhattan até o início do dia seguinte? É isso que ele narra para o – talvez – policial que o interroga. O interrogador (que não sabemos quem é) aparece de tempos em tempos na narrativa.

A segunda parte do piloto é centrada na visão de Alison (Ruth Wilson), uma bela mulher moradora da região e garçonete na lanchonete local. Através das lembranças dela, contadas também para o interrogador, comparamos os acontecimentos com a versão contada por Noah. A partir daí, vemos que as histórias não batem em pontos cruciais. As versões têm pequenos vértices, mas eles não estão em sintonia. O caso extraconjugal acontece entre eles, não há dúvidas disso. Mas o que o piloto nos mostra está muito aquém daquilo que gostaríamos de saber.  Na versão de Noah a respeito do dia em que se conheceram, Alison convida-o para um banho. Na versão de Alison, Noah beija seu rosto de forma ‘’forçada’’. O que tirar disso? O que cada um pretende com aquele ‘’interrogatório’’? Porque no caso de Noah é interessante parecer que Alison o persuadiu? Porque no caso de Alison é interessante parecer que Noah forçou? Não há resposta. E isso é absolutamente instigante.

Episode 101

As duas histórias remodelam os acontecimentos do dia em nossa mente. Dessa forma, não há verdade absoluta. Não há fato. O bom e velho exercício de julgamento é o que cabe a nós, espectadores – pelo menos no piloto. Interessante, porém, é a abordagem provocante em ambos os casos. Estamos falando de um caso amoroso, portanto, o piloto coloca dos dois lados (e aqui os atores ajudam) a sedução em níveis diferentes, mas com intenções que convergem. A série coloca o caso amoroso como conceito de sedução, e explicita isso no piloto, fazendo com que todo o episódio te conquiste ao poucos, com pequenas investidas aqui e ali, pequenas perguntas jogadas acolá e personagens complexos completando os ‘’flertes’’. Da mesma forma que uma bela mulher te seduz enquanto você está comprometido, e vice-versa, The Affair se define como um ato de sedução.

 


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários