Review | Supernatural 7×02: “Hello, Cruel World” e 7×03: “The Girl Next Door”

  Marcel Bittencourt  |    segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Confira a nossa opinião sobre os episódios "Hello, Cruel World" e "The Girl Next Door", o segundo e terceiro da sétima temporada de Supernatural

Com um pouco de atraso (me desculpem, gente), o review do segundo capítulo da sétima temporada chega ao Supernovo.

Em “Hello, cruel world”, conhecemos um pouco mais sobre os Leviathans. Infelizmente, eles não são serpentes marinhas gigantes… Na verdade, parecem ser uma espécie de gosma preta, ou algo assim…

O corpo de Castiel não consegue agüentar a pressão das almas dos Leviathans dentro do corpo e acaba entrando no fornecimento de água pública, liberando as “gosmas malvadas” e sumindo em seguida, deixando apenas seu icônico casaco de chuva. Bye, bye, Cas. Foi bom te conhecer…

E é assim que os Leviathans ganham forma: tomando o corpo das pessoas que beberam a água “contaminada”.

Segundo a série, os Leviathans comem os órgãos das pessoas e é assim que os irmãos Winchester se envolvem no caso: um estudante é devorado no vestiário da escola.

Enquanto isso, no hospital, a xerife Mills está se recuperando de uma cirurgia quando o doutor começa a se comportar de forma estranha.

Bob e Dean saem para resolver esse problema e deixam Sam sozinho. O Capeta, literalmente atenta.

Dean descobre um jeito de tirar Sam da influência de Lúcifer e quanto retornam para a casa onde eles estavam, a encontram queimada. Eis que eles enfrentam os Leviathans pela primeira vez. Com um pouco de sorte, os irmãos conseguem vencer seu inimigo, mas Dean acaba quebrando a perna e Sam fica inconsciente.

O episódio acaba com os irmãos sendo levados para o mesmo hospital onde o Dr. Leviathan os aguarda.

Não foi um episódio muito memorável, mas também não foi ruim. Acho que a única coisa realmente relevante foi o lance do Sam descobrir uma forma de se libertar do controle do Lúcifer.  Agora é aguardar pra ver como os produtores vão lidar com a questão “Capeta, meu amigo imaginário” e essa coisa toda dos Leviathans.

Minha nota para o epísódio: 4

Eu gostei bastante desse episódio. Após o review, eu explicarei o porquê.

Após escaparem do hospital (pois é, simples assim… criaram toda uma tensão pra não dar em nada) os irmãos Winchester e Bobby tiram um tempo pra descansar em uma cabana abandonada. Algumas semanas se passaram e Dean já está com a perna quase recuperada.

Ao sair para comprar  torta e outros coisas, Sam lê nos jornais a notícia de um homicídio que lhe parece muito familiar. Saindo na surdina, deixa Dean para trás e vai investigar o ocorrido.

A narrativa passa para um flashback, onde Sam, com seus 12 ou 15 anos, está caçando uma criatura chamada Kitsune (“raposa”, em japonês) e encontra  uma bela garota. Ao tentar uma aproximação com a moça, ele é sumariamente rejeitado. Mas quando alguns bullys decidem infernizar a vida da menina, Sam intervém e, claro, dá uma surra nos babacas. Sam e a menina ficam amigos, ela o leva para sua casa, eles têm uma conversa  e rola um beijo.

Claro que a menina é uma Kitsune. Mas uma Kistune boazinha. Sua mãe que é a assassina. Enquanto isso, no presente, Sam se encontra com a mesma garota, já adulta, e ela explica que todos esses anos tem sobrevivido a base de cadáveres e o único motivo pelo qual voltou a matar é porque seu filho estava doente e precisava de cérebro fresco.

De volta ao passado, um flashback mostra que a para salvar a vida de Sam, a garota matou sua própria mãe, uma Kitsune malvada.

No presente, após fazê-la prometer que nunca mais matará ninguém, Sam deixa a Kitsune em paz.

Dean recebe o irmão de forma bem calorosa. Sam conta o motivo de sua escapada e explica ao irmão que não há necessidade de matar Amy (a kitsune boazinha).

O episódio acaba com Dean indo até a casa da moça e dando um fim na sua existência monstruosa.  Com um Kill Bill feelings, o filho de Amy presencia o assassinato e jura vingança.

Bom, eu gostei porque eu acho muito legal esse lance de nem tudo é preto ou branco. Claro que já houve episódios assim (e geralmente Sam se envolve com a criatura), mas é sempre interessante esse tipo de questionamento.

Como esperado, nem sinal de Castiel e embora os Leviathans apareçam nesse capítulo, não é nada muito relevante.

Minha nota para o capítulo: 7,0

Promo do próximo episódio:

O que nós achamos dos episódios anteriores:


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários