Review | Revolution 2×20: “Tomorrowland”

João Paulo

  quarta-feira, 14 de maio de 2014

Review | Revolution 2×20: “Tomorrowland”

A série volta sua atenção para ameaça dos patriotas que por sua vez orquestram um ataque biológico sem precedentes ao acampamento dos rebeldes liderados por Miles e Monroe. Plus: Os nanobots chegam a uma conclusão sobre os seres humanos e a resposta não é nada animadora

revolution 2x20

O novo episódio sofre o mesmo mal de várias outras séries nesta reta final de temporada, ser cauteloso para não entregar muito do que está por vir, mas ao tomar esta decisão temos a sensação de pouco acontece na história. É como em um jogo de xadrez, você movimenta as peças em pontos estratégicos até chegar o momento certo de contra atacar, dessa forma pode-se dizer que “Tomorrowland” posiciona suas peças, faz algumas investidas, mas o ataque principal mesmo só acontecerá no season finale desta temporada.

A narrativa começa dando sequência ao gancho deixado no final de “Shit Happens” com a busca de Charlie, Rachel e Monroe por Miles que estava sumido até então. Aqui ao menos o roteiro não perde muito tempo, no momento que o tio de Charlie é encontrado já temos um salto temporal de cinco dias na história, já indo direto a trama que será trabalhada no episódio.

Começando a falar da história em si, temos aqui à volta com força total dos patriotas, os vilões finalmente retornaram ao centro da narrativa e aqui tivemos o vislumbre das consequências do ataque mal sucedido no Texas. Talvez a melhor sequência tenha sido a conversa entre o Presidente Davis e Truman, este último finalmente tomando uma atitude inesperada para conseguir um cargo de comando a muito almejado por ele depois que Doyle falhou em colocar ordem em Willoughby.

O plano de contra ataque arquitetado por Truman para destruir a força rebelde liderada por Miles e Monroe serviu como peça fundamental para movimentar a trama, a sequência do ataque biológico com mostarda foi muito boa e bem executada carregando uma tensão que levou dizimação de praticamente todos os mercenários aliados de Bass sobrando apenas o grupo principal. Após esta investida dos patriotas poucas coisas aconteceram de realmente significativo na trama, salvando duas ou três cenas importantes.

A primeira delas envolveu Miles, que neste episódio já mostra uma mudança significativa depois da provação que passou preso naquele buraco ficando entre a vida e a morte. Eu gosto bastante dos momentos entre Miles e Rachel, mas esse talvez tenha sido o mais importante dos dois até agora afinal o tio de Charlie explicou que só estava vivo porque sua amada e sua sobrinha foram à motivação que ele precisava para dar a volta por cima e continuar lutando. Outro momento do líder dos Matheson foi à tensão criada entre ele e Monroe que acabou de uma vez com divergências que tinham.

Há muito tempo esperamos para ver Miles agindo como líder, tendo ideias próprias sem ser influenciado por Bass ou Rachel, pessoalmente adorei a cena em que ele vai atrás dos soldados do Truman para pegar o gás de mostarda e logo depois engana Monroe fazendo acreditar que iria atacar Willoughby, ai sim, esse era o cara que eu estava esperando aparecer em cena, no começo da temporada tivemos vislumbres desse personagem, mas só agora estamos vendo-o agir com a cabeça.

No meio desses conflitos dentro do grupo entre Miles e Monroe, e a ameaça constante dos patriotas, temos o subplot dos nanobots correndo dentro da narrativa principal aproveitando para ao que parece concluir o experimento deles em Priscila na tentativa de entender o ser humano. O maior problema dessa narrativa é que ela acaba por cair no velho dilema que cerca inteligências artificiais vistas em outras séries com plot similar, aquele onde todo ser cibernético com consciência acredita que humanos são seres autodestrutivos capazes apenas de espalhar o caos e se destruírem travando guerras sangrentas.

O plano da nano-Priscila de querer destruir a humanidade é o ápice da história dos nanobots, mas sem trazer aquela sensação de surpresa ou satisfação, um plot que praticamente evoluiu bastante durante toda a segunda temporada (se arrastando em alguns momentos é verdade) merecia um desfecho melhor e mais inteligente, mas não há como negar que para o contexto de Revolution a história funciona bem mesmo ficando numa linha mais segura e sem tomar grandes riscos.

Outra cena relevante do episódio foi o retorno de Marion namorada de Truman e ex de Gene Porter a trama da série, finalmente a personagem descobriu a verdade sobre o líder patriota e de acordo com o desenrolar da história ela servirá bem aos planos de Miles já que será uma espiã dos rebeldes em Willoughby. E por fim temos o retorno de Neville depois da cena intensa que travou com Charlie no último episódio, aqui o pai de Jason não tem muito desenvolvimento, mas acabou por seguir o caminho que eu havia sugerido nas reviews passadas ao afirmar que ele se voltaria contra os patriotas e se uniria ao grupo de Miles.

As coisas não aconteceram exatamente iguais ao que eu disse, mas estão encaminhando para isso, o rompimento de Tom com patriotas e a estratégia de se unir a Monroe (que depois da briga com Miles deixou o grupo junto com Connor) era algo esperado, mas acredito que não empolgue muito quando a cena em si do encontro dos dois é usada como gancho para o próximo episódio. Enfim “Tomorrowland” é um bom episódio que apenas trata de direcionar suas histórias para um momento decisivo, a narrativa ainda ganha pontos por revelar a intenção dos nanobots e colocar os patriotas no centro da trama novamente de uma forma mais eficaz.

Tudo caminha para uma conclusão de temporada satisfatória, mas como a audiência de Revolution não está lá essas coisas, utilizar episódios mais transitórios como este é arriscado, pois faz a série quebrar um pouco de seu ritmo e assim perder o espectador mais exigente, mas felizmente esse episódio tem algumas reviravoltas chaves que nos deixam interessados no que ainda está por vir. A mudança de atitude Miles, o rompimento (temporário) com Monroe e aliança com Marion, pode ser a melhor chance que os rebeldes terão de conseguir pensar de uma forma mais estratégica para derrubar os patriotas que agora tem Truman liderando suas tropas, sem falar que os nanobots estão correndo por fora da narrativa podendo acabar se tornando os reais inimigos da história no final das contas, resta saber se Aaron e Rachel conseguiram deter essas inteligências artificiais quando o momento chegar.

Observações da Revolução:

Miles x Monroe: Adorei Miles ter rompido as relações com Monroe, melhor ainda é ver a cara do Bass ao perceber que não conseguirá mais influenciar o amigo.

No entanto fica à pergunta, será que esses dois amigos vão encontrar um jeito de se unir para deter os patriotas, pois sem querer Miles e Monroe quando trabalham juntos funcionam muito bem.

Audiência: Infelizmente com este episódio a série amargou a sua pior audiência chegando a 1.1 de ratings e baixos 3,78 milhões de espectadores.

Cancelamento: E como más notícias não chegam sozinhas, a série de Eric Kripke & J.J. Abrams foi cancelada semana passada depois de duas temporadas. Infelizmente a baixa audiência, a chegada de novas séries e o custo alto de produção deve ter pesado na decisão tomada pelo canal NBC. Eu como fã e crítico da série fico triste com a notícia, mas compreendo que nada dura para sempre, Revolution teve muitos pontos positivos, mas também teve muitos pontos baixos, mas sua maior qualidade é que ela ao menos divertia quem assistia aos episódios todas as semanas, seja pelas referências a cultura pop mundial, seja pelo humor de seus ótimos personagens, seja pelos mistérios e seja principalmente pela ação em si com ótimas cenas de luta e senso de aventura. Eu continuarei aqui cobrindo os últimos episódios e espero que quem estiver lendo minhas reviews continue acompanhando também os últimos momentos da série, espero que ao menos o final da segunda temporada seja digno, pena que não será propriamente um series finale que os produtores planejaram.

– Jon Favreau: Para quem não sabia o diretor do Homem de Ferro 1 e 2 é um dos produtores da série e essa semana depois do anúncio do cancelamento ele postou uma mensagem especial no facebook para os fãs da série dizendo que lamentava pelo ocorrido e disse que conversou com o criador Eric Kripke sobre o pedido dos fãs para encontrar um novo canal para série, infelizmente ele não deu nenhuma indicação clara de que isso poderia ocorrer, mas ressaltou que estava agradecido pelo suporte e apoio do fãs que acompanharam a série. Finalizando Favreau acrescentou que qualquer notícia ou novidade que tiver sobre a série ele iria publicar na página dele.

– Seguindo adiante veja a promo do próximo episódio de Revolution que promete muita ação entre rebeldes e patriotas.

https://www.youtube.com/watch?v=NYLgPeFPGUI


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários