Review | Person of Interest 4×19: “Search & Destroy”

João Paulo

  quarta-feira, 15 de abril de 2015

Review | Person of Interest 4×19: “Search & Destroy”

POI finalmente volta ao arco principal, trazendo um plot sem rodeios, cheio de ação, boas reviravoltas e a promessa de futuro perigoso para Finch, Reese e companhia

Acho que agora podemos dizer que entramos na reta final da quarta temporada, pois finalmente os roteiristas resolveram voltar de vez à guerra contra o “Samaritan”, que na verdade andava muito na calmaria ultimamente, só para vocês terem uma ideia desde “M.I.A.” (4×13), apenas dois episódios realmente adentraram o plot do antagonista da temporada, sendo que “Q&A” (4×15) foi o que mais chegou perto, afinal “Skip” (4×18) foi a tentativa de um plano que de Finch que não deu certo, sendo assim depois de quase quatro episódios, “Search & Destroy” chegou para colocar fogo na história, revelando o verdadeiro plano dos roteiristas para os últimos episódios da temporada.

Começando pelo caso da semana, desta vez muito bem integrado ao plot principal, temos o POI da vez Sulaiman Khan, diretor e engenheiro de uma empresa software que desenvolveu um anti-vírus que despertou o interesse do “Samaritan”. A maior qualidade do roteiro assinado pelo estreante Zak Schwartz é que ele vai direto ao ponto, durante o episódio inteiro (desta vez sobre o ponto de vista da máquina de Greer), sentimos a sensação de ameaça, não daquela sufocante apresentada na trilogia do meio da temporada, mas chega bem perto ao construir uma narrativa enxuta que trás um jogo de gato e rato entre Reese e companhia, versos “Samaritan” agindo quase sozinho, utilizando seus agentes apenas em último caso.

“Search & Destroy” não trata apenas da perseguição sofrida por Khan durante todo tempo de projeção, apesar do coitado sofrer várias perdas devido a influência do “Samaritan”, fazendo-o perder emprego, credibilidade e a esposa. O episódio também trata de algo mais, algo que para falar a verdade estávamos esperando que acontecesse mais cedo e mais tarde, desde a última cena da season premiere.

Antes de chegar à revelação final devemos tirar alguns momentos para falar do “team machine”, depois do último episódio as coisas ficaram estranhas entre Finch e Root, além disto, tivemos muitas coisas acontecendo com Reese, que aqui neste episódio foi tratado apenas em uma conversa entre ele e a Zoe (Paige Turco fazendo mais uma participação, quanto mais melhor) que, aliás, sentiu um misto de ciúme e preocupação com envolvimento dele com a terapeuta. Para falar a verdade acredito que ela esteja certa, pessoalmente acredito que o romance do John deve durar à medida que os roteiristas quiserem que ele fique na zona de conforto, só espero que quando tirarem ele de lá, não precisem matar Iris no processo.

Voltando a Finch e Root, o caso da semana também serviu para uni-los de novo, a contragosto do Harold é claro, o interessante é que a nossa hacker preferida já estava numa missão secreta para “machine” antes de juntar a equipe para proteger Khan. Afinal o que será que tem naquela maleta? Seja o que for pode ser que “machine” tenha um plano contingência ou contra ataque para tentar parar o “Samaritan”.

Falando no nosso antagonista, este que praticamente dominou o episódio tentando achar sua vítima pelas ruas de Nova York, vale elogiar mais uma vez a parte técnica da série, as animações estavam bem caprichadas e apresentando algumas novidades gráficas bacanas, em especial das cenas na delegacia e na perseguição para achar Khan depois que o Reese resgata ele da prisão. Todo mistério que cerca o POI, provou ser mais do que interessante a cada novo detalhe sobre o anti-vírus desenvolvido por ele vinha a tona, o personagem vivido pelo ator Aasif Mandvi (O Último Mestre do Ar e Homem Aranha 2) não chega a ser o carismático usual, mas sua presença consegue ser vantajosa para movimentar a trama.

O que nos leva a uma das primeiras revelações da narrativa, Khan não só percebe que seu inimigo é uma força misteriosa, invisível e poderosa, como também descobre que é uma inteligência artificial de última geração que está tentando destruí-lo, o roteiro é um pouco evasivo sobre essa revelação, mas no contexto geral ela funciona bastante na prática. Só por esse detalhe, já faz o personagem relevante o bastante para entrar para o “team machine” como Reese mesmo sugeriu na cena do refúgio. O problema é que uma vez que o “Samaritan” colocou a cabeça de Khan a prêmio, seu destino estava selado.

Neste momento a história começa a tomar um ar mais dramático, uma vez que Finch começa a pensar do porque o “Samaritan” precisaria do anti-vírus de Sulaiman. Como eu disse no começo do texto, esta reviravolta estava sendo traçada a muito tempo, então desta forma talvez a revelação de que o “anti-vírus” ser usado para localizar a parte física da “machine” não seja tão surpreendente, mas a forma como ela foi mostrada, num lugar isolado e em um porão deu um tom bem misterioso e obscuro a toda sequência final.

O clímax é regado de ação, em um episódio tão dinâmico como este (eu senti que  como a trama era envolvente o episódio passou rápido), tivemos bons momentos com Reese, alguns momentos interessantes com Root e Finch, mas o retorno da Decima foi a cereja no final, principalmente trazendo à volta da Martine (agora morena) a série e de quebra seu segundo embate com a Root, e desta vez a hacker seu de bem, talvez porque a Martine perdeu suas habilidades ao mudar a cor do cabelo (estou brincando), por falar nisso, gostava mais dela loira.

Enfim “Search & Destroy” não só retoma o plot principal, mas trás um tom mais sombrio, direto e cheio de expectativas para os próprios episódios. Narrativamente achei o roteiro bem desenvolvido e bem dinâmico, a direção do veterano na série Stephen Surjik foi pontual conseguiu trazer certa agilidade a narrativa, sem falar que as cenas de ação ficaram boas sobre a sua tutela.

Desta forma pode-se dizer que a série voltou aos bons tempos, algo já anunciado no ótimo episódio anterior e que agora se consolida aqui. Uma cena em particular me preocupou, a cena em que Reese oferece uma arma para Finch, o personagem nunca usou estes tipos de armamento (a não ser em último caso) e mesmo não tendo usado neste episódio, acredito que em breve ele terá que fazer isso. Afinal o poder “Samaritan” só cresce e a descoberta de que ele está em uma procura feroz pela “machine” é a evidência de que um novo confronto está chegando por ai, aqui em “Search & Destroy” tivemos uma evidência do quanto cruel ele pode ser, a cena em que Greer mata Khan a sangue frio no final, foi impactante, ainda mais com reflexo em seus olhos do monitor onde “Samaritan” estava, a última visão do empresário morto observando o “Deus cruel” contemplando seus planos saírem bem sucedidos e ainda oferecendo mais uma derrota a Finch e companhia.

poi 4x19 01

 Observações de Interesse:

Search & Destroy: a origem do título do episódio se deve a uma tática militar moderna que utiliza um pequeno grupo de tropas que tem como missão uma procura a tropas inimigas e a destruição da mesma. No contexto da série o título está relacionado a perseguição que o personagem Khan sofre e também a procura do “Samaritan” para achar a “machine”.

Searching: O interessante deste episódio foi o fato do Finch ter criado uma forma de deixar a “machine” praticamente invisível, desta forma mesmo “Samaritan” procurando em todas as redes existentes no mundo nunca iria encontrá-lo, porque sua rede não existe na Terra. A tática de usar o anti-vírus do Khan foi uma jogada inteligente, afinal a intenção de usar um software para localizar algo que não se pode ver você acaba achando algum rastro.

Flash Crash: Lembram-se da tensão que o “Samaritan” causou ao tentar derrubar o mercado financeiro, então a empresa de Khan também foi impactada por aqueles eventos que aconteceram na trilogia “The Cold War”, naquela ocasião vários investidores perderam grana devido ao colapso das bolsas, mas a companhia do engenheiro de software não, isto mostra que Samaritan podia manipular especificamente qual empresa sofreria perdas durante este evento, podendo escolher aquela que sairia ilesa, pois serviria para seus propósitos mais tarde.

Root Vs Martine (round 2): A segunda parte do duelo entre essas duas agentes finalmente o ocorreu e apesar de não ter sido “cool” como o primeiro que ocorreu no episódio “Prophets” (4×05), este aqui foi marcado pela técnicas mais antigas de briga entre mulheres, socos, porradas e puxões de cabelo. Root se saiu melhor dessa vez.

poi 4x19 02

poi 4x19 03 poi 4x19 04

Shaw ficaria orgulhosa.

Jóia Rara: O objeto que a Root retira da mala e quebra lembra uma peça conhecida em inglês como “Fabergé Pine Cone Egg”, foi fabricada em 1900 por Carl Faberge em São Petersburgo na Rússia, para um cliente de prestígio. O ovo original abre em duas partes revelando a miniatura de um elefante com uma pessoa montada nele, é emoldurado com metal e pedras preciosas e não quebraria como vidro devido se caísse ou batesse em algo como aconteceu no episódio. A peça é avaliada em 2,8 milhões de dólares e nunca pertenceu a família real russa.

– Melhores frases do episódio, top 3:

                – “When the time comes for me to carry a firearm, all will truly be lost.” (“Quando chegar o momento que eu tenha que carregar uma arma de fogo, tudo estará perdido”) – Finch para Reese

“Think of it as a machine. You like machines, right Finch?” (“Pense como uma máquina. Você gosta de máquinas, não é Finch?”) – Reese para Finch

“I liked you better as a blonde.” (“Eu gostava mais de você quando era loira”) – Root para Martine

No próximo temos uma volta ao passado e o retorno de um personagem que deixou a série ano passado. Veja a promo abaixo.

https://www.youtube.com/watch?v=8NPBe9jXSFo


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários