Review | Person of Interest 4×15: “Q&A”

João Paulo

  quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Review | Person of Interest 4×15: “Q&A”

Um caso da semana interessante e muito trabalho para Reese e companhia. Ainda assim o que marcou este novo episódio foi o retorno à trama da POI do episódio “Nautilus”, trazendo mais uma vez “Samaritan” ao foco principal.

poi 4x15

Primeiramente, devo dizer que o episódio da semana retrasada realmente deu um gás novo à série, um apelo à nostalgia das primeiras temporadas para Reese e companhia recarregarem as baterias, mas não há dúvidas o retorno da trama do “Samaritan” neste novo capítulo de Person of Interest elevou de novo o nível que estamos acostumados a assistir. É claro a trama de “Q&A” não chega a ser espetacular, ainda assim consegue ter ótimos elementos que agradeceram ainda mais o plot principal da temporada.

A trama do episódio se divide em duas narrativas paralelas, enquanto Reese ficou em carregado do caso da semana, Finch tinha outra missão mais interessante para cuidar, com retorno repentino de Claire Mahoney, a POI do segundo episódio da quarta temporada “Nautilus”, que aparentemente esta fugindo das garras do “Samaritan” e havia procurado Finch para pedir ajuda.

Comecemos pelo caso da semana, este que introduziu a POI Anna Mueller, uma programadora de software que mantém uma segunda vida durante a noite, entrando em lutas ilegais de MMA no submundo de Nova York. O plot tem poucas novidades, a não ser que Mueller é uma vítima bastante independente e ao contrário do que a narrativa apontava o problema não estava no fato dela lutar de forma clandestina (esta parte nem serviu para muito coisa na trama) e sim pelo fato dela trabalhar para empresa de pesquisa de internet chamada “Fetch and Retrieve”.

Confesso que toda aquela história do programa VAL induzir pessoas ao suicídio através das respostas que liberava foi meio estranha e nos faz questionar que um software deste tipo seria perigoso se existisse. A descoberta de Anna ligada a esta história do software VAL, tornaram as motivações da personagem ainda mais nobres, principalmente quando posteriormente na trama Reese descobre que um parente dela está em coma. O resto da história focou em John e Fusco descobrindo toda a conspiração por trás das diversas mortes acobertadas pelo dono da empresa, para não atrapalhar o lançamento do programa, tudo bastante previsível, mas com boas cenas de ação, diga-se de passagem, principalmente com Reese e Anna Mueller envolvidos no meio delas.

Com Reese ocupado, Finch teve que cuidar do problema Claire praticamente sozinho no subplot do episódio que de longe é a melhor parte de “Q&A”. Devo dizer que a cena do sniper acertando Claire do telhado foi bem convincente e por um breve momento pensei que ela realmente estava disposta a destruir o “Samaritan”, apesar daquela sensação de algo estar errado sempre transparecer à medida que Harold ia descobrindo mais sobre a história que ela havia contado sobre os planos da máquina de Greer.

O roteiro assinado por Dan Dietz não faz questão de esconder suas intenções, a suspeita de que Claire poderia estar brincando com Finch estava pairando no ar e quando ela revela suas verdadeiras intenções não chega a ser surpreendente, mas objetivo dela que realmente adiciona algumas peculiaridades a história. Temos visto diversas ações do “Samaritan” na tentativa de controlar, manipular e remodelar a humanidade no decorrer desta temporada, ele já usou uma cidade inteira como fazenda de formiga para seus testes no episódio “M.I.A.” (4×13), assim como tentou usar um POI (Jared Wilkins) para conseguir distribuir tablets de forma influenciar as futuras gerações no episódio “Honor Among Thieves” (4×07), pode-se dizer que algo semelhante foi visto quase no final deste episódio com Claire tentando convencer Finch das boas intenções de seu “mestre” durante um pequeno tour em uma escola pública.

É claro que Harold não caiu nessa, mas surpreende o fato do “Samaritan” tentar recrutar uma mente brilhante como ele, ao invés de dar o mesmo destino de Shaw, por exemplo. A melhor surpresa deste subplot, no entanto foi o retorno de Root, não posso negar, eu abri um sorriso enorme ao vê-la entrando em cena salvando Harold dos agentes do “Samaritan” e ainda utilizando Claire para mandar uma mensagem. O retorno da hacker significa que a trama principal deve ganhar um fôlego maior daqui em diante, afinal sem Shaw, ela se torna um suporte ainda mais importante para o “team machine”.

Sendo assim podemos dizer que “Q&A” foi um bom episódio, bem melhor que anterior, pois explora bastante a mitologia crescente da série, além de proporcionar o retorno de Claire à trama deixando em aberto a possibilidade de a personagem ser torna uma aliada para Finch no futuro, pois por mais que ela tenha aceitado ficar do lado de Greer e da Decima no momento, não há dúvidas que a mesma ficou sensibilizada pelas palavras de Harold e ainda ficou desconfiada a perceber que está sendo usada apenas como um peça no jogo do “Samaritan”, a sementinha da dúvida foi plantada no ar e deve consumi-la daqui para frente, assim como aconteceu com a Control no episódio “Control-Alt-Delete” (4×12).

O caso da semana serviu para entreter e só ficou realmente interessante quando se conectou com a trama principal da série, com Greer chegando com diversos executivos na empresa em Mueller trabalhava para fazer acordo para ter o programa VAL, não é complicado imaginar o que o “Samaritan” fará com ele, mas só de imaginar já começo a ter calafrios. Este avanço do inimigo está cada vez mais preocupante e quando mais descobrimos sobre seus planos, mais fico me perguntando se o “team machine” realmente tem chance contra essa inteligência artificial tão perigosa, neste episódio, por exemplo, Reese só descobriu o perigo que Finch estava correndo no final do episódio, fico imaginando se Root não tivesse aparecido como fariam para salvar Harold daquela situação.

Enfim a quarta temporada continua sólida, estes dois últimos episódios seguiram um fórmula mais padrão sem muitas reviravoltas, mas é fato que estamos esperando por episódios mais grandiosos no estilo “If-Then-Else” (4×11) para aumentar a ansiedade para reta final. O episódio “Q&A” comprova que POI cresce e fica mais interessante quando mistura de forma eficiente a casos da semana e o plot principal com “Samaritan”, ou Brotherhood que funciona como plot secundário desta temporada, esta combinação trás o melhor da série e a aquele pacote na medida de ação e boas emoções.

Observações de Interesse:

“Q&A”: O nome da expressão que dá nome ao episódio, significa “Questions and Answers” ou “Perguntas e Respostas” no português, normalmente usado na forma de questionários. No caso do episódio está relacionado ao programa de perguntas e resposta VAL.

Greer: O líder da Decima tem aparecido esporadicamente e neste episódio não foi diferente. Sua melhor sequência foi no diálogo sincero e franco com Claire, após a mesma questionar sobre o tiro que levou para tentar enganar Finch.

Dominic: Jurava que o líder da Brotherhood apareceria no episódio, mas ao que aparece ainda não é o momento propício, mas sinto falta deste plot na série.

Fusco: É certo que Reese e a POI Anna Mueller mandaram muito bem no episódio com boas cenas de luta, mas Lionel não ficou atrás no final ao ajudar a prender o chefe da empresa de pesquisa de internet. Go, Lionel, go.

poi 4x15 01

Gif da semana: Não há dúvidas que a gif da semana vai para aquele sorriso, aquela presença e a aquela beleza. O retorno de Root foi providencial e ela merece essa homenagem.

poi 4x15 02

Melhores frases do episódio, top 4:

                – “You know, I played a lot of chess, but this is the first time I almost beat myself” (“Você sabe, eu jogo bastante xadrez, mas esta é a primeira vez que eu quase bati a mim mesma.”) – Claire para Finch

“Join us! The world out there needs saving, Harold. Together, with Samaritan, we can start.” (Se junte a nós! O mundo lá fora precisa ser salvo, Harold. Juntos, com Samaritan, nós podemos começar.”) – Claire para Finch

“Nice to finally meet you Claire.” (“Ótimo finalmente conhecer você Claire.”) – Root para Claire

“This game was played to a draw.” (“Este jogo foi jogado a um empate.”) – Finch

– Próximo episódio as coisas prometem esquentar ainda mais, assistam e preparem-se.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários