Review | Person of Interest 4×14: “Guilty”

João Paulo

  quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Review | Person of Interest 4×14: “Guilty”

Colocando o pé no freio, POI resolve relembrar os velhos tempos focando mais em Reese e Finch, com isso a série apresenta um episódio que lembra bastante suas primeiras temporadas

poi 4x14

“Parece que somos só eu e você de novo, Sr. Reese”                                                    

A frase acima é dita por Finch no começo deste episódio e reflete exatamente o principal foco da narrativa de “Guilty”, que tem não só o objetivo de desacelerar a trama depois de arco agitado, mas buscar nas raízes das primeiras temporadas a fórmula antiga vencedora que fez da série o que ela é hoje, desta forma temos um plot que foca bastante em desenvolver os personagens de Finch e Reese, fazendo-os questionar a necessidade de manter e recrutar aliados para esta disputa com Samaritan.

Depois do desaparecimento de Shaw e a partida temporária de Root, o “team machine” se reduziu a três, fazendo Finch repensar a forma de realizar o trabalho que faziam até então, sugerindo a Reese inclusive que deixasse Fusco de fora da ação por enquanto. O roteiro é simples e bastante coerente em focar mais nos personagens do que na mitologia da série, o que vinha acontecendo frequentemente, pessoalmente achei uma boa decisão, a trama principal é excelente, mas um descanso para criar expectativa é sempre bom, então o plot do episódio é um caso da semana comum, mas que narrativamente serve para dar um novo desenvolvimento aos dois regulares da série.

O interessante deste plot é que Finch é selecionado como membro de um júri para um julgamento, aqui o roteiro trabalha bastante o humor da série ainda aproveita a deixa para introduzir a POI da semana Emma, interpretada pela atriz Blair Brown (Fringe). Devo dizer que toda história do júri corrupto é bem batida, apesar de a escrita tentar surpreender a cada passo, se utilizando de várias reviravoltas, como o júri sendo eliminado um-a-um, a descoberta da relação de Emma com as tentativas de assassinatos dos membros, o profissional contratado por uma grande corporação para induzir o júri a declarar um inocente culpado e assim por diante.

Com Finch fazendo o trabalho de campo, Reese ficou com investigação do caso, mas a história procura explorar mais de sua vida, algo que não acontecia desde o episódio “4C” (3×13), quando ele saiu da equipe temporariamente. Aqui temos o retorno de dois personagens interessantes na vida de John, primeiro trás o retorno da sempre linda Zoe Morgan (Paige Turco conseguiu uma folguinha da série The 100, para uma participação), que chega para ajudá-lo a desenrolar toda conspiração envolvendo o julgamento em que Finch estava participando.

O outro personagem é a terapeuta Iris, que vinha tendo uma boa relação com John, sendo que no episódio “Point of Origin” (4×08) ficou claro a intenção dos roteiristas de juntar estes dois pombinhos. Depois de tudo que Reese passou, desde a morte de Carter até chegar na suposta morte de Shaw, acredito que finalmente darão um plot mais “feliz” para ele, isto fica claro na despedida desconfortável e engraçada entre ele e Iris na última consulta, e depois mais tarde com ele voltando e insistindo em ter mais consultas, apenas para ficar perto da doutora e conhecê-la melhor.

Devo confessar que gosto da ideia de algo surgindo entre o “man in the suit” e a doutora, mas fico com receio, porque sempre acredito que os roteiristas estão tramando algo para acabar com felicidade alheia, ainda mais com “Samaritan”, Decima e Brotherhood ainda a solta por ai. Falando em receio, esta palavra permeia por todo episódio, como citei no começo a decisão de Finch e Reese em deixar Fusco de fora da ação, limitou a participação do personagem, que apenas teve papel crucial em um diálogo final com Reese (este que o ignorou durante praticamente o episódio todo), mostrando que o detetive merece mais respeito depois de ter ajudado o “team machine” praticamente sem questionar muito durante quase quatro anos.

Desta forma pode-se dizer que “Guilty” foi um bom episódio sim, mas não no nível que estamos acostumados quando a trama principal do “Samaritan” é o foco, ainda assim é importante destacar que tivemos importantes desenvolvimentos de personagens aqui. Foi um episódio para Reese e Finch repensarem como agir a partir de agora, é certo que a perda de Shaw deixou uma marca e agora começa o processo de recuperação da equipe, e por mais que a trama aqui tente trazer a sensação de que tudo ficará mais focado em Reese e Finch, acredito que Fusco e Root ainda continuaram exercendo papéis importantes na equipe.

O roteiro de David Slack é redondinho e apresenta uma trama com começo, meio e fim, com um plot que se não é inteligente e perspicaz, ao menos tem um ritmo adequado, suspense na medida e boas reviravoltas. O retorno de personagens como Zoe Morgan, Iris Campbell, apenas ajudaram a história a ficar ainda mais interessante e apesar da resolução do caso ter sido meio clichê, a descoberta do assassino infiltrado no júri era algo desenhado desde o começo, mas o fato é que ver Reese saindo no corpo a corpo contra um bandido qualquer na cena do hotel para salvar Finch e Emma, lembra bastante às primeiras aventuras de nosso herói favorito.

Enfim o episódio “Guilty” é uma parada estratégia que veio no momento certo, dando um tempo na mitologia crescente na série e focando mais na construção dos personagens e inserindo certa nostalgia para manter o fôlego da história, antes de mergulhamos na trama principal novamente. O título do episódio é um reflexo não só da trama envolvendo o julgamento, mas um reflexo dos sentimentos de Reese e Finch, a culpa por ter perdido Shaw, a culpa por não conseguirem salvar a todos que necessitavam, fizeram ambos recuar por um momento, mas no final, após conseguirem desvendar toda a conspiração e salvarem a POI Emma, eles perceberam que não podem arriscar a vida de outras pessoas recrutando-as para ajudá-los, mas também não podem dispensar aliados importantes como Fusco que são necessários para enfrentar as crescentes ameaças que não param de surgir pelo caminho.

Observações de Interesse:

Guilty: Significa “culpado” em inglês e tem relação direta a trama do episódio, além de servir para traçar diversos paralelos entre alguns personagens.

Brotherhood: O nome da gangue apareceu duas vezes durante o episódio durante diálogos entre Reese e Finch. Ao que parece Dominic está matando todos que tem relação com Elias e é certo que logo, ambos retornaram a cena.

Bear: Saudades Bear, o mascote meio que sumiu e já estou sentido falta.

Sem tiros: Segundo o roteirista David Slack, este episódio é o primeiro episódio da série que não teve nenhum tiroteio, para tristeza geral.

Zoe Morgan: Adoro as participações da personagem e desta vez não foi diferente, John estava todo felizinho ao vê-la e nós também, diga-se de passagem. Hilário foi a cena de Finch chegando na casa de refúgio e encontrar John e Zoe juntos, após ele dizer para Reese que não traria mais ninguém para ajudá-los no trabalho.

Gif da semana: A gif da semana fica por conta do momento embaraçoso, porém engraçado entre Reese e Iris, estou curioso para ver mais deste futuro casal.

poi 4x14

Melhores frases do episódio, top 2:

                “Let me guess; you’ll handle this… Look, I get it. After what happened to Shaw, you and Glasses are worried the same thing’s gonna happen to me. And you know what? It might. And I’m fine with that.” (“Deixe me adivinhar, você cuidará disto……..olha, eu entendi. Depois do que aconteceu com Shaw, você e o de óculos estão preocupados que o mesmo pode acontecer comigo.E você quer saber? Talvez aconteça. E eu estou bem com isso.”) – Fusco para Reese

                – “You don’t get to decide what or who I’m willing to die for, I made my choice a long time ago, so stop shutting me out” (“Não é você que decide  o porque  ou por quem eu estarei disposto a morrer, eu fiz esta escolha a muito tempo atrás, então pare de me deixar de fora”) – Fusco para Reese (Go, Fusco, go)


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários