Review | Person of Interest 3×13: “4C”

João Paulo

  terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Review | Person of Interest 3×13: “4C”

Com um episódio focado em Reese, POI pega um voo alucinante (literalmente) até a Itália e a “machine” de Finch manipula o destino para ensinar valiosas lições ao “man in a suit”.

poi 3x13

É chegada a hora da verdade para Reese, mais do que nunca a função principal do episódio “4C” foi basicamente trazer o nosso “man in a suit” de volta à ativa, ele querendo ou não. Aqui também temos mais um caso que mostra a evolução da “machine” que pela primeira vez comete erros e usa de diversos recursos para repará-lo. O episódio tem um clima mais leve trazendo o humor característico de POI, mas também tem ação (no maior estilo anos 80), mistérios e algumas referências bacanas ao clássico filme de Alfred Hitchcock, Intriga Internacional.

O episódio começa com Reese no aeroporto recebendo a notícia de que seu voo para Istambul foi cancelado, aqui vemos a primeira interferência da “machine” em fazer com ele seja direcionado para um voo que faz escala na Itália e era certo que essa iniciativa era um plano para colocá-lo junto com POI da vez, que aliás, aqui temos a primeira vez que a criação de Finch manda um número relevante para o “team machine”, mas comentaremos um pouco mais para frente ainda nesta review.

O maior mérito do roteiro assinado por Melissa Scrivner-Love (que também escreveu “Reasonable Doubt”- 3×04) e Greg Plageman é criar situações que liberem as emoções do John, seja batendo em passageiros chatos, ou batendo em bandidos que aparecem em profusão, ou descontando sua frustração no personagem Owen Matthews e até mesmo em Finch. É desse modo que o humor de POI entra no contexto, para deixar a situação mais receptiva ao público, são ótimos momentos em sua maioria protagonizados por Reese e devo dizer que Jim Caviezel encaixa como uma luva fazendo esse tipo de papel, sem falar que a ajuda dos coadjuvantes desta vez foi crucial para servir de escala para os diversos “momentos Reese” do episódio.

Estes personagens secundários se resumem a dois especificamente: Owen Matthews já citado e por sinal a vítima da vez, um programador que acaba por se revelar a mente brilhante por trás do “Black Market Bazaar” uma espécie de website que traficava narcóticos. O ator Samm Levine (da série Freaks and Geeks) que interpreta o nerd acaba por proporciona diversos momentos divertidos em sua maioria relacionados à Reese, não ficaria surpreso se resolverem trazer o ator de volta em outra oportunidade. O mesmo pode ser dito da aeromoça Holly, outra personagem carismática introduzida no episódio para contracenar com nosso protagonista.

O roteiro cria uma relação bem simpática entre os dois, sem força muito barra para não parecer um romance barato. A verdade é faz um tempo que não víamos Reese sorrir e Holly conseguiu esse feito, além de ajudá-lo a derrubar um dos bandidos que apareceram na ocasião. A deixa no final pode abrir ali uma oportunidade para que a personagem da atriz Sally Pressman volte no futuro, assim como Zoe, Leon dentre outros personagens coadjuvantes inesquecíveis que apareceram na série.

Ainda que a trama se passe em sua maior parte no avião, em terra Finch e Shaw não ficaram de fora da ação mesmo não participando diretamente. A alternativa da narrativa em revelar que o personagem de Owen Matthews era um relevante foi uma ótima escolha por abrir material suficiente para Harold investigar e com isto utilizar Shaw para descobrir porque o personagem era um caso de segurança nacional, sem falar que ainda temos um pouco de desenvolvimento da história dela visitando velhos amigos do governo relembrando os tempos em que trabalhava do lado relevante, destaque para cena entre ela e Hersh (esse cara é o Homem de Aço? Ele nunca morre) no bar.

Se em terra conseguir as informações não estava fácil, lá em cima as coisas ficavam ainda mais complicadas a cada minuto, a quantidade de equipes de assassinos que iam atrás de Owen eram muitas e de diferentes nacionalidades, desde colombianos até israelenses, sem falar que no meio disto tudo agentes do governo dos EUA (antiga organização da Shaw) estavam infiltrados para liquidar o nerd de vez, já que ele tinha se tornado um obstáculo. Talvez ai que esteja explicação para “machine” ter colocado Reese no voo, ela estava tentando reparar um erro.

Durante todo o episódio a “machine” tomou as decisões que achava pertinente para o momento, provavelmente ao descobrir as intenções do governo norte americano de matar Owen, usou Reese com ativo mais próximo para salvar o programador. Mais do que nunca essa autonomia que a máquina de Finch ganhou está se tornando algo mais complexo do que esperávamos, ela já não segue apenas a programação padrão de apenas mandar números, chegando a interferir no destino dos acontecimentos quando necessário, ou utilizando de suas equipes para resolver seus erros como neste caso que deveria ser um problema apenas do lado relevante.

Mesmo tendo tanto poder, a “machine” ainda depende das ações humanas no final das contas, então Reese inserido no avião era a garantia que o POI em questão seria salvo, mas acabou que o “man in a suit” (com uma ajudinha de Finch é claro) conseguiu ainda mais ao evitar que avião caísse com todos eles depois de descobrir os planos de facção terrorista de derrubar o jumbo já que não queriam o programador não sobrevivesse de forma alguma.

Dessa forma devo dizer que “4C” foi muito bom, mas não é inteligente como os episódios anteriores, ainda assim soube trabalhar sua história de forma equilibrada, com ação (e foram muitas cenas boas) e humor na medida certa focando nos problemas de seu protagonista. Mais do que nunca o espaço que o roteiro dá para o desenvolvimento de Reese é algo que estava faltando um pouco na série, há muito tempo não víamos um episódio que fosse só dele (“Many Happy Returns” continua sendo o melhor episódio do personagem) e toda essa questão da perda da Carter teve um efeito colateral “bom” por assim dizer, a oportunidade de vermos mais de sua humanidade e emoções.

Voltando a falar da cena final entre Finch e John, devo dizer que o diálogo foi simples e especialmente eficaz. É bom ressaltar a atitude de Harold durante o episódio inteiro se portando passivamente em relação à Reese, que o acusou de estar tramando toda aquela situação para que ele continuasse o trabalho, além de várias indiretas o acusando de dar tanto poder a “machine” sem medir as consequências. É incrível como Harold Finch se manteve calmo o tempo todo deixando que amigo liberasse toda sua raiva e ódio reprimido naquele desabafo para que no fim das contas num lugar mais calmo e com apenas uma frase emblemática e realista ao trabalho que fizeram esses anos todos, ele conseguir explicar tudo aquilo precisava ser explicado, dizendo:

“ Sr. Reese, eu entendo sua frustração com a opacidade da Máquina, mas tem uma razão de eu ter escolhido desta forma. A Máquina nos entrega apenas números porque eu vou sempre preferir que o elemento humano permaneça como fator determinante para algo tão crítico como o destino de uma pessoa. Nós temos livre-arbítrio e com isto vem grandes responsabilidades e algumas vezes grandes perdas….” – Harold Finch

Esta é uma maneira do personagem dizer que sua criação não teve culpa da situação e que os eventos que levaram a morte da detetive foram determinados por uma fatalidade humana. Reese finalmente pareceu compreender isto, afinal não foi só ele que sofreu com a perda da Carter, mas todos estiveram envolvidos ou que tinham alguma ligação com ela. Enfim este episódio marca o retorno do nosso herói ao “team machine” e com isto podemos esperar mais ação e muitas emoções com a equipe completa, além da oportunidade da série finalmente seguir em frente e deixar que o tempo cicatrize a dor por tudo que passaram.

Observações de Interesse:

– 4C: O nome do episódio é uma clara referência ao assento do POI da vez Owen Matthews.

Fusco e Root: Como eu disse na review, o roteiro conseguiu encaixar Harold e Shaw no contexto muito bem, servindo de apoio e fonte de informações para John, o que não se pode dizer o mesmo de Fusco (este já ajudou bastante na recuperação do Reese) e Root, que acabariam por ficar sem função no episódio, deixe que voltem no momento certo.

Stephen Williams: com a situação pegando fogo dentro de um avião com passageiros em perigo, nada mais justo que recrutar um diretor de Lost para dirigir o episódio (isto deve ter gerado muita piada interna na produção), aliás, Williams mandou muito bem na direção, principalmente nas cenas de ação com Reese, as cenas com conseguiram ser eletrizantes mesmo com espaço tão limitado.

– North By Northwest (Intriga Internacional): O filme clássico de 1959 de Alfred Hitchcock teve algumas referências legais no filme, primeiro o cabelo de Holly lembra bastante o cabelo da protagonista feminina do longa interpretada na época por Eva Marie Saint, segundo o filme que os passageiros assistiam durante o voo evitando que ouvissem Reese bater em mais de meia dúzia de indivíduos era exatamente Intriga Internacional.

Ernest Thornhill: Não é a primeira vez que a série usa o filme do Hitchcock como referência, no episódio “Zero Day” (2×21) o sobrenome falso usado pela “machine” para criar um perfil falso era exatamente Thornhill, que é o sobrenome do personagem vivido por Cary Grant no longa.

Black Market Bazaar: O nome pode até ser fictício, mas este nome dado ao website de Owen Matthews foi baseado numa loja online de narcóticos chamada de Silk Road que foi fechada pelo FBI em Outubro de 2013.

VOIP: Esta tecnologia permite comunicações e sessões multimídias para outras localidades através da internet. Especificamente o sinal de áudio é convertido de analógico para digital que pode ser transmitida via internet.

Istambul: Ainda que Reese não tenha chegado ao seu destino, gostaria de saber que motivos pessoais o levariam até a capital da Turquia, será que tem algo a ver com seu passado militar?

Momento Reese 1: O cara voltou com tudo

poi 3x13 gif 01

Momento Reese 2: E continua melhor do que nunca

poi 3x13 gif 02

Momento Reese 3: Queimando um agente do governo

poi 3x13 gif 03

Momento Holly? Sim ela mandou muito bem.

poi 3x13 gif 04

Melhores frases do episódio Top 4:

                “You seem like an angry guy. Do you want to talk about that? I really think you want to talk about that.” (Você parece ser um cara irritado. Você quer conversa um pouco sobre isso? Eu realmente penso que você quer conversa sobre isso.”) – Owen para Reese

“This job taught me that people are horrible…..…….What happen to people helping others people?”(“Este trabalho me ensinou que pessoas são horríveis………o que aconteceu com pessoas se ajudando?”) – Holly para Reese (ouviu essa John)

“I always liked you Hersh. Even after you killed me.” (“Eu sempre gostei de você Hersh. Mesmo depois que você me matou.”) – Shaw para Hersh

“While I’m in Italy, I thought I would get fitted for a new suit.”(“Enquanto estou na Itália, eu pensei que eu poderia ficar melhor equipado com novo terno”) – Reese (Ele voltou) para Finch

– Novo episódio de Person of Interest apenas no dia 4 de fevereiro.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários