Review | Person of Interest 3×05: “Razgovor (РАЗГOВОР)”

João Paulo

  segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Review | Person of Interest 3×05: “Razgovor (РАЗГOВОР)”

Boom! POI mais uma vez surpreende e mostra porque é uma das melhores séries da atualidade. Explorando o passado de Shaw e com uma trama intrigante cheia de reviravoltas a série eleva seu nível mais uma vez.

poi 3x05

Como começar esta review para falar de um dos melhores episódios da série, eu pensei muito e assistindo o episódio pela segunda vez percebi que teria um grande desafio de manter o nível que foi apresentado em “Razgovor”. Devo começar dizendo que aqueles que aguardaram pacientemente a série ajustar seus ponteiros nos quatro primeiros, foi recompensado com um dos melhores trabalhos de roteirização até então. A narrativa, além de trazer desenvolvimento para todas as tramas, ainda começou a moldar a personalidade de Samantha Shaw, uma personagem que chegou causando uma grande divisão entre os fãs e que realmente precisava de uma algo criasse um elo sentimental entre ela e a audiência.

Para que isso acontecesse o caso da semana se fez crucial para a personagem da ex-agente. O fato é que a POI da semana a pequena Genrika Zhirova (ou Gen, para os íntimos) é o núcleo de todo o episódio. Basicamente todas as narrativas apresentadas estão ligadas a história da aspirante a espiã-mirim, sendo que a escrita assinada por David Slack (se firmando cada vez mais como o melhor roteirista da série) consegue fazer essas pontes entre plots naturalmente todas orquestradas de forma simples, inteligente e eficiente.

A história de Gen é aparentemente simples, ela é uma criança de dez anos imigrante da Rússia que foi morar com avô nos EUA após a prisão da mãe. Quando o avô veio a falecer ela ficou aos cuidados de um viciado chamado Vadim. O mais interessante aqui é que a narrativa não demora muito a se desenvolver, no momento em que Reese e Shaw entram em cena poucos minutos depois o episódio já está em ebulição permanente que só termina quando a tela fica escura.

Person of Interest tem um breve histórico com crianças na série, principalmente na primeira temporada nos episódios “Wolf and Cub” (1×14) com garoto Darren McGrady e no excelente “Baby Blue” (1×17) com a bebezinha Leila Smith. Este episódio tem mais em comum com “Wolf and Cub” pelo fato de que naquela circunstância o POI mirim servia de contraponto para Reese, já neste caso a pequena Gen serve de contraponto para Shaw.

A verdade é que as duas são completamente opostas, mas compartilham de um passado conturbado dessa forma elas meio que se completam. Enquanto Gen não conheceu seu pai, Shaw perdeu o seu ainda criança (cena mostrada em flashback), as duas meio que ficaram sozinhas no mundo, mas a personalidade de ambas é o que mais difere uma da outra. Gen é esperta, carismática e demonstra suas emoções, já Shaw é perigosa, fechada e longe de ser amigável.

Este plot em si serve para derreter um pouco dessa barreira que Shaw impõe em relação às outras pessoas, o flahshback dela criança é sutil em explorar esse problema de expressar mesmo depois de sofrer uma perda, isto pode ser fruto de um trauma ainda maior ou apenas um distúrbio psicológico. O fato é que aos poucos a Gen vai conquistando ela durante o desenvolvimento da história, chegando a tal ponto de fazer Samantha perder o controle e usar de todos os meios possíveis para recuperá-lá depois que a pequena é capturada pela H.R. e os russos.

Falando nestas duas organizações criminosas, elas são os vilões centrais da trama e trazem não só um desenvolvimento maior para o plot da Carter como também coloca Reese, Finch e Shaw mais integrados a essa parte da narrativa. A nata da nata da bandidagem estava presente no episódio, estavam reunidos num local discreto Simmons, Terney e Yogorov, faltando apenas o “big boss” Quinn para completar o pacote, apesar de sua presença ser sentida por assim dizer.

É neste instante que o roteiro mais uma vez se faz presente na conversa entre Carter e Reese, sobre o fato da policial está fazendo uma investigação por conta própria coletando evidências contra a “H.R.”. Na review da premiere eu citei que poderia haver várias repercussões sobre o fato da ex-detetive está guardando este segredo de John e Finch, mas o fato que a série trata seu público de forma tão adulta que a explicação veio neste episódio de forma simples e plausível, apenas usando a força do diálogo bem escrito.

O fato do Reese e do Finch estarem monitorando as atividades da policial faz todo sentido e mostra o quanto a equipe protege as costas um do outro sem que ninguém interfira no negócio de ninguém sem consentimento. Aqui mostra mais uma vez a relação de quase irmãos que Reese e Carter possuem que se torna mais forte com passar das temporadas e dá gosto de assistir os dois trabalhando juntos.

Carter por sinal teve sua melhor cena na série e de longe uma das melhores cenas do episódio. Seu plot é um dos melhores que Person of Interest já criou e em cinco episódios se desenvolveu brilhantemente até chegar neste ponto indo de encontro à narrativa criada para “Razgovor”. Ainda assim o momento da virada aconteceu nos minutos finais envolvendo ela e seu parceiro Laskey, a cena foi muito bem filmada tendo a dose certa de tensão e adrenalina, mostrando o porquê da ex-detetive ser uma das personagens femininas mais fortes do seriado.

Voltando a falar do plot principal descobrimos mais sobre a POI Gen e sua habilidade de espionar a vizinhança alheia. A menina é tão esperta que não só ouvia como grava as conversas que escutava, mas vivendo numa comunidade russa em Nova York é claro que uma hora algo daria errado. A garota gravou uma transação entre a H.R. e os russos virando assim alvo de ambos.

Todo desenvolvimento de perseguição, sequestro e logo depois resgate serviu para deixar o episódio ainda mais movimentado para o “team machine”. O roteiro dá espaço suficiente para que todos tenham seu momento no episódio, e apesar ser focado em Shaw, nenhum dos principais foi negligenciado pela quantidade de plots, aliás, aqui todos eles se fazem importante para história.

Reese por exemplo teve um de suas melhores presenças em cena, com momentos clássicos que só ele é capaz de fazer, além de protagonizar uma das lutas mais esperadas pelos fãs da série contra oficial corrupto Simmons, com direito a bater e desaparecer no melhor estilo Batman. Outras cenas interessantes ele dividiu com Carter, mas já foram comentadas previamente na review.

No caso de Finch este também protagonizou momentos importantes, mas sua relação com Shaw foi o que mais me agradou no episódio. A dupla funcionou muito bem, ele mostrando um lado paternal em relação a ela, e a mesma ainda que não seguisse suas ordens na maior parte do tempo demonstrou um respeito mútuo que não se via na personagem até então.

Dessa forma chegamos ao epílogo do episódio com dez minutos finais de tirar o fôlego e um show de filmagem e montagem realizado pela equipe técnica. A direção de Kenneth Fink foi pontual nas cenas de ação e a edição de Mark Conte foi brilhante na cena antes e depois da explosão fábrica de drogas da “H.R.”.

Enfim “Razgovor” foi um episódio essencial para esquentar de vez a temporada, tão impecável e bem escrito que chega a ser quase perfeito, só não é por terem esquecido um membro da equipe (Fusco nem deu as caras) de fora da brincadeira, mas ainda assim foi crucial para conhecermos mais do personagem de Shaw, que cada vez mais recebe um tratamento adequado na história sem roubar a cena de ninguém. O episódio também mostra que as coisas devem ficar mais acessíveis para Carter agora que ela tem Laskey trabalhando para ela, mas o melhor mesmo ficou para os últimos segundos com retorno inesperado de Root que já chegou fazendo sua primeira vítima, Shaw (“machine” trabalhando de formas misteriosas, não gosto disso). Era a cereja que faltava em cima do bolo para fechar com chave de ouro o episódio mais sólido e espetacular da temporada até agora.

Observações de Interesse:

Razgovor: O nome do episódio que na verdade se chama “РАЗГOВОР”(que também significa Razgovor), é uma palavra em russo que significa “Diálogo” ou “Conversação”.

H.R.: Este episódio frustrou mais uma vez os planos da H.R. de se reestruturar, usando o ramo das drogas para abastecer o submundo de Nova York com os russos liderados por Yogorov fazendo a distribuição, mais uma vez foram interrompidos pelo “man in a suit” e sua equipe. Será que Quinn deixará essa derrota por isso mesmo?

Yogorov: O líder da máfia russa participou em algumas cenas do episódio, mas a cena em que a Shaw vai atrás dele foi a melhor parte. Não sei vocês, mas senti uma química boa entre os dois, não de casal, mas no melhor estilo a gata e o rato. Quem sabe pode sair uma história interessante daí.

Curiosidades:   Aqui vão algumas notas interessantes sobre o episódio.

– O título episódio foi pego de um filme de 1974, chamado “The Conversation” (em português “A Conversação”) do diretor Francis Ford Coppola e protagonizado por Gene Hackman. O filme conta a história de um paranoico e expert em serviço de vigilância que tem uma crise de consciência quando ele suspeita que o casal que ele vigiava irá ser assassinado.

– O personagem de Genrika é em parte baseado na personagem do livro “Harriet, A Espiã” publicada em 1964, que conta a história de Harriet uma menina de onze anos que sonha em ser espiã e começa a vigiar seus colegas de escola e seus vizinhos, mantendo todas as suas anotações guardadas em um caderno. Existe um filme que foi lançado em 1996, baseado no livro, Michelle Trachtenberg (Gossip Girl) viveu o papel da pequena espiã.

– Ainda sobre a personagem Genrika que no final do episódio foi para uma escola nomeada por Louise Fitzhugh (autora que escreveu “Harriet, A Espiã”) junto com A.J. Quinnell autor do livro “Man of Fire” (mesmo livro que deu origem ao filme protagonizado por Denzel Washighton e Dakota Fanning).

– A medalha que Gen deu a Shaw é uma medalha da “Ordem de Lenin”, condecoração mais alta que pode ser dada a um cidadão russo, que normalmente recebe tal honraria por serviços prestados para com o Estado ou para com a sociedade ou até mesmo por méritos militares.

– Jaqueta Preta: Não sei se vocês notaram, mas a Carter estava usando uma jaqueta preta quando ia investigar algo relacionado com a H.R., coincidentemente o Reese usou jaqueta preta masculina similar a essa nos episódios “Get Carter” (1×09) e “C.O.D.” (2×09), será um padrão dos investigadores da série?

O Doutor: O especialista que Finch recomendou para que Shaw tratasse seu ferimento de bala é o mesmo que removeu a bala de Reese no começo do episódio “Super” (1×11) da primeira temporada.

– Frases do episódio: São tantas frases memoráveis neste episódio, mas separei apenas quatro desta vez.

– “You’re not gonna believe this, Finch. Shaw just got made by a ten-year-old.” – Reese

                – “Armies fall… one soldier at a time.” – Reese para Simmons

                – “Hey, Finch, how much you know about chemistry? “ – Shaw ∕ “Enough.” – Finch

                – “You don’t work for H.R. anymore, son….” – Carter

poi review gif

– Momento Reese:

poi review gif 2

Badass: Quer deixar um personagem ainda mais massa, dê-lhe uma escopeta.

poi review gif 3

– Próximo episódio promete muito com Root e Shaw trabalhando juntas e olha, o Fusco vai voltar, veja a promo abaixo.

http://www.youtube.com/watch?v=_7raUbxqKDs


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários