Review | Misfits 3×08 “Episode 8” (Season Finale)

  Leandro de Barros  |    quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Loop temporal, reencontro de velhos inimigos e adeus à bons amigos... termina a terceria temporada de Misfits

A mais fraca temporada de Misfits termina em um episódio emocional e que nos despede de dois grandes personagens. Como a série reagirá à isso? Spoilers abaixo.

 Eu tenho receio em nomear season finale e season premiere como “melhor episódio da temporada“, por razões óbvias. São episódios que usam e abusam de cliffhangers e conclusões de arcos pra arrancar reações dos espectadores. Mas, dessa vez, não tem o que discutir: o season finale da terceira temporada de Misfits é o melhor episódio da temporada. Melhor que o episódio dos nazistas.

Não que isso queira dizer muito, já que a temporada foi a pior da série, sem dúvidas. Porém, vou poupar Misfits das críticas. Com a saída de Simon e Alisha da série, o futuro é mais escuro do que as nuvens daquela tempestade do piloto, se me permitem a piada sem graça. Vai sobrar oportunidade pra criticar no ano que vem.

O episódio passado já tinha trabalhado com a perspectiva de trazer pessoas de volta a vida. Se no episódio 7 a namorada de Seth virou zumbi, no episóio 8 os dois primeiros oficiais da condicional e aquela crente louca do finale da primeira temporada viraram fantasmas. Os três apareceram graças aos poderes de um médium, que costumava enganar os outros. Cada um tem uma “missão” pra fazer e então seguir em frente. Aí a trama vira óbvia e novelesca: Rachel (a crente) diz que Dels não existe (graças a Deus, né Rudy?) e que desperdiçou  sua vida e decide tocar o carvalho por aí. Sally (a oficial que foi morta por Simon) decide atrapalhar a vida do seu assassino e terminar o namoro dele enquanto Tony precisa se encontrar com Sally porque… bem, porque não?

Depois de cenas que deixariam Aguinaldo Silva e outros noveleiros com inveja (eu falei que não ia criticar?), a situação dos dois oficiais da condicional se resolvem e tudo parece bem, com direito a cena de séquiçu (mostram a bunda do Simon e não rola um peitinho da Alisha? Sacanagem…) e BANG, Alisha é morta por Rachel desde da fantasma perceber que estava ali atrás de vingança.

Ok, vou admitir, a cena foi bem feita e coisa e tal. Quem se importou com a relação dos dois deve ter sentido o corte na garganta de Alisha como Simon. Depois da morte, chega a hora de explicar toda a trama do Superhoodie:

– Como ele volta no tempo? Como o poder do Curtis morreu com a iguana de Seth no último episódio, o traficante achou outro poder capaz de viajar no tempo só que com uma condição: não há como voltar;

– Como ele é imune ao poder de Alisha? Ele pega 10 mil libras emprestadas com Seth para comprar, do próprio Seth, o poder de imunidade à outros poderes. Foi o primeiro poder vendido pelo traficante;

– Como ele sabia o que ia acontecer? Seu novo poder normal. Acho que ele ficou com 3 nesse finale então;

– Por que ele não conta pra sua versão do passado como Alisha morre e evita da próxima vez? Não sei…

Eu pessoalmente não gostei das decisões preguiçosas, mas achei a idéia dos dois viverem presos num loop temporal interessante. Pena que vão sair da série.

Quanto ao resto do elenco, eles praticamente não tiveram nenhum destaque nesse episódio. Kelly e Seth devem permanecer juntos, principalmente agora que o rapaz não é mais traficante. Rudy, que não teve culpa pelo desempenho da série, deve manter seu nível de maluquice e Curtis… bom, não sei o que será da vida de Curtis, mas quem se importa? Grau de inexpressividade máximo.

A temporada não foi perfeita, mas Misfits tem crédito depois de duas temporadas incríveis. Vou acompanhar a quarta temporada e torcer por bons episódios.

Até lá!

Todos os reviews da terceira temporada de Misfits:


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários