Record planeja processar o Netflix por plágio em peça publicitária

Eder Augusto de Barros
edaummm

  quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Record planeja processar o Netflix por plágio em peça publicitária

As duas empresas usaram o mesmo modus operandi para divulgar Breaking Bad

Desde que começou a divulgação de Breaking Bad por parte da Record, que estreou o seriado em sua programação em janeiro, os tweets entre as duas partes envolvidas (Netflix e Record) estão emocionantes. É uma guerra para ver quem consegue atrair mais pessoas para a sua galinha dos ovos de ouro.

Eis que no último sábado, a revista Veja SP divulgou uma entrevista com Sílvio Santos, o homem do baú, e nessa entrevista o apresentador disse que é fã de Breaking Bad e que está acompanhando o seriado, no Netflix. Obviamente as duas partes aproveitaram a deixa e usaram o nome do dono do SBT para divulgar, novamente, a galinha dos ovos de ouro. A Record produziu então uma peça publicitária onde usava o famoso nome do programa de Sílvio, e o Netflix aparentemente fez o “mesmo”.

Existem apenas duas diferenças entre as peças. A primeira é que na frase onde é explicado que Sílvio Santos disse que assiste ao seriado, o Netflix mudou o fim para “Faça como o Sílvio Santos, assine Netflix“, já que o homem do baú disse que assiste ao seriado por lá. A segunda diferença é no pé da página, onde tem o logo de Breaking Bad, o serviço de streaming aproveita para dar outra alfinetada dizendo que você pode assistir à Breaking Bad quando quiser.

BreakingBad-RecordBreakingBad-Netflix

E agora, segundo a Folha de S. Paulo, a Record planeja processar o Netflix e está trabalhando em cima das medidas legais já que considera as duas peças iguais. Lembrando que não é a primeira vez que as duas partes usam no mesmo modus operandi para divulgar Breaking Bad:

1555531_696391270382445_1849081091_n


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários