Oliver Stone critica o final de Breaking Bad: “Ridículo”

Leandro de Barros

  sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Oliver Stone critica o final de Breaking Bad: “Ridículo”

Diretor de Platoon e Assassinos por Natureza usa o fim da série de Vince Gilligan para criticar a utilização de violência em filmes e séries nos dias de hoje

Óbvios spoilers sobre o fim de Breaking Bad abaixo.

Breaking Bad

Oliver StoneO diretor Oliver Stone, vencedor do Oscar de Melhor Diretor por Platoon e também o cineasta responsável por dirigir Assassinos por Natureza, criticou o fim de Breaking Bad durante uma entrevista para promover o seu documentário The Untold Story of the United States (“A História Não-Contada dos Estados Unidos”, em tradução livre).

A crítica de Stone veio enquanto o diretor comentava como a violência é retratada de forma irrealista no cinema e na TV hoje em dia:

Tem muita violência nos nossos filmes – e é tudo irrealista pra mim. Eu não sei se você viu o desfecho [de Breaking Bad]. Eu não via a série regularmente, mas aconteceu de acompanhar o final e eu vi os mais ridículos 15 minutos de um filme – foi uma piada na tela.

Ninguém estacionaria seu carro ali e teria uma metralhadora que pularia perfeitamente e mataria todos os vilões. Seria uma piada. É só no cinema que você encontra esse tipo de violência fantasiosa e isso está infectando a cultura americana; vocês jovens acreditam em toda essa m*rda do Batman e Superman, vocês ficaram loucos e nem sabem! Pelo menos respeitem a violência. Não digo para não mostrar violência, mas mostre com autenticidade.

Eu não queria criticar tudo isso, só estou dizendo por causa do nível de violência. Se as pessoas acham que levar uma metralhadora para um último encontro é a solução para uma série de TV que é muito popular, eu acho que eles estão insanos. Algo está errado. Não é o mundo que conhecemos.

Acho que existe um pouco dessa autenticidade em Homem de Ferro… podem surgir algumas boas histórias sobre a indústria armamentista, alguns bons contos sobre moral ali. Eu concordo com isso. Os quadrinhos existiam pra isso, lembram? Mas quando você chega ao nível tecnológico de um Michael [Bay] de Transformers, eu não entendo o sentido disso e a razão disso, exceto o fato de possuir apelo num nível visual, um sentido cinético de dinamismo e uma necessidade por ação. Mas ação nem sempre é a solução, os personagens são!

Bem, é uma opinião bem forte, eu concedo isso ao senhor Stone. Como todas as opiniões fortes, é também algo bem polêmico. Entendo e registro à crítica feita à cenas de ação vazias de impacto, mas não consigo entender a necessidade de procurar realismo em tudo. Como ele próprio explica no fim, ação não é a solução e sim os personagens – e a cena do fim de Breaking Bad passa a ser justificada quando se tem o conhecimento de que a jornada de Walter White é uma grande referência à Scarface e, assim, a metralhadora no fim está ali para manter essa referência ao personagem de Al Pacino. Há até quem teorize que Walter na verdade morreu dentro daquele carro roubado em New Hampshire e que o fim da série seria uma imaginação do cara de como ele conseguiria resolver todos os problemas – assim, o fim da série teria sido escrito por Walter White e explicaria alguns deslizes de realismo.

Porém essa discussão é mais profunda do que Breaking Bad, tem a ver com visão e entendimento sobre cinema. Oliver Stone, sendo o premiado diretor que é, possui uma visão própria sobre a presença de estímulos visuais e a presença ou não de temas mais em obras cinematográficas e não apenas o estímulo visual pelo estímulo visual (embora a preocupação e a procura pela estética apenas sejam tão válidas quanto qualquer outra visão sobre o assunto).

E a sua opinião, jovem?

via Forbes


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários