Jon Favreau fala sobre Revolution, Magic Kingdom e John Carter

  Leandro de Barros  |    quinta-feira, 26 de julho de 2012

Cineasta diz o que o atraiu em Revolution, as diferenças entre trabalhar na TV e no cinema e o que ele mudaria em John Carter

Jon Favreau já tinha alguma experiência como diretor quando entregou o seu primeiro grande sucesso nos cinemas, o longa Homem de Ferro, de 2008. Depois disso, ele entregou Homem de Ferro 2 (que, na minha opinião não é tão bom quanto o primeiro, mas o resto do mundo parece discordar) e lançou no ano passado Cowboys & Aliens, outro filme que não foi tão bom quanto poderia ser.

Agora, Favreau vai dirigir o piloto de Revolution, nova série de J.J. Abrams e Eric Kripke e uma das séries mais aguardadas da nova temporada.

Em entrevista ao Collider, o cineasta comentou um pouco o que o atraiu na série, quais as diferenças entre fazer televisão e cinema e o que ele mudaria em John Carter.

O que ele achou interessante em Revolution

Quando eu ouvi o Eric falando pela primeira vez que uma das suas inspirações para a série foi O Senhor dos Anéis, eu realmente não entendi. Mas então eu vi as lutas de espadas, e os tempos mais simples e os tempos mais brutais se apresentaram quando se coloca os elementos da série juntos. Os boas pessoas ficam com as boas pessoas. As pessoas que estão tentando criar uma sociedade e impedir o caos de se sobrepor precisam lutar e sacrificar muita coisa. Essa qualidade heróica e aspiracional é reforçada pelo visual, transformando a série em algo de valor quando você entra em outro mundo. Quando eu assisto TV, eu quero ser transformado e transportado, não apenas pelos personagens que passo a amar por horas e temporadas, mas também pelo mundo que me é apresentado. O visual e a estética é tão personagem quanto as pessoas na série“.

Diferenças entre TV e Cinema

Você tem uma hora e meia ou duas horas, talvez duas horas e meia, em um filme e tem de caber ali uma estrutura independente de três atos. É como uma música de rock. Certas coisas precisam acontecer para as pessoas saírem do cinema animadas. Uma vez que você vai para a televisão, não é preciso ter uma resolução de semana para semana. Você pode desenvolver os personagens e as tramas e reagir ao público, ganhando uma versão mais serializada de de contar histórias, onde você pode ir mais fundo em cada personagem. É mais como um livro. As pessoas dizem que um livro é como planejar um carro e um roteiro é como planejar um avião. É preciso tirar algumas coisas e obedecer certas normas aerodinâmicas para que tudo funcione como uma única peça. Então, para mim, como um consumidor de histórias, uma vez que eu estou envolvido com uma série de TV, eu decidi aproveitar. Mal posso esperar para assistir ao próximo episódio. No momento, tem uma dúzia de séries que eu estou envolvido nesse nível“.

John Carter

Bem, eu acho que nós dois [ele e Andrew Stanton, diretor de John Carter] realmente gostamos do material original. Stanton começou usando elementos de outros livros da série. Eu provavelmente não teria sido tão ambicioso. Eu provavelmente iria com uma história menor. Enquanto a gente desenvolvia o roteiro, a idéia era o filme ser muito mais sobre a experiência do John Carter se encontrar em um novo mundo e então conhecendo esse lugar lentamente. Eu falei muito com Michael Chabon [roteirista do filme], que trabalhou comigo em Magic Kingdom, sobre isso e eles realmente pegaram todo o material e tentaram criar um mundo inteiro ao redor dessa história“.

E falando em Magic Kingdom, em outra entrevista, Jon Favreau disse que a Pixar está envolvida nesse projeto com ele. Favreau tem se reunido com artistas da Pixar e preparando o material com todo o cuidado para que o filme seja “um tiro certeiro de um sniper“.

Ainda não há previsão de lançamento para o filme.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários