Defiance | Primeiras Impressões

Defiance é a nova série do canal SyFy, criada por Rockne S. O’Bannon, o mesmo criado de Cult que foi cancelada recentemente pelo CW sem exibir os episódios finais. Os roteiros são de Tim Walsh e Craig Gore.

O Syfy fez de Defiance um mega-evento, lançando a série em simultâneo em vários lugares do mundo, inclusive no Brasil, tal como acontece com The Walking Dead ou Game of Thrones. Também foi lançado no dia 2 de Abril um game homônimo para PC, PS3 e Xbox 360. O game é um MMO shooter.

Vamos tentar segurar os spoilers, mas algo pode escapar, be careful gafanhoto.

Defiance

Vamos falar da série então. Defiance é ambientada num planeta Terra completamente diferente do que conhecemos, depois da chegada de alienígenas, que trouxeram as várias raças de seu planeta de origem, o nosso planeta sofreu drásticas modificações naturais. A chegada desses alienígenas gerou conflitos e guerras, mas com o fim dessas batalhas, hoje algumas raças convivem juntas nas poucas cidades existentes.

Vamos acompanhar Jeb Nolan (Grant Bowler), um ex-militar e sua acompanhante de viagem Irisa (Stephenie Leonidas). A dupla chega na antiga cidade de St. Louis que agora é chamada de Defiance. Na cidade várias raças convivem em certa harmonia, como toda cidade do mundo, existe o jogo político e as boas e más pessoas. Julie Benz (Dexter) vive a prefeita Amanda Rosewater.

O conceito de Defiance é muito interessante, nós quase sempre vemos história de ficção envolvendo alienígenas que vem ao nosso planeta roubar nossos recursos naturais, e nesta não é exatamente o que acontece, ele trazem muitas coisas do planeta de origem como  sua fauna e flora. É uma ideia interessante, a ambientação é interessante.

E você diz: mas…

Pois é, tem sempre um “mas”, e o de Defiance é o roteiro bem razoável. A série é uma reciclagem de tantas coisas que vemos sempre.

defiancecast

Nós já imaginávamos que a pretensão da série com suas inúmeras raças e paisagens modificadas, não iria se segurar nos efeitos especiais, então reclamar dos chroma keys é chover no molhado como diria o velho sábio. Já sabemos que a TV sofre por isso, não existe orçamento para suprir esses problemas. Terra Nova tinha grande potencial também, uma boa ideia, mas sofreu dos mesmos problemas de efeitos especiais. Mas não é só em efeitos especiais que as duas séries são semelhantes. Ambas quiseram impressionar pelo visual “diferenciado” e mal-feito ao invés de investir num bom roteiro, com uma base bem formada e uma boa trama.

O nível de descaso do roteiro é tanto que se você assistir ao recente piloto de Banshee vai achar que é um plágio descarado. Ambas as histórias mostram um viajante que chega numa nova cidade, assiste o xerife local morrer, resolve o problema da cidade e acaba assumindo o cargo de xerife. Não, eu não estraguei o seu episódio, já está na sinopse e no trailer isso.

O ambiente de Defiance por natureza já é complicado, eu contei pelo menos 4 raças humanóides, fora animais e robóticos. A esperança é que a série se foque em explicar cada raça e o porque ela está na Terra, o que aquela raça tem de diferente. Por enquanto mal sabemos o nome delas. Mas nesse piloto, a série não se preocupou com isso, se preocupou mais em nos mostrar a genérica história de Romeu e Julieta que existe em 80% das séries de TV.

8613714247_62f483f7e4_b

Parece que a produção não se preocupou muito com certas coisas. Ao nos apresentar a prefeita Amanda e a cidade, vemos claramente que existe um jogo político na cidade. Típico. Duas cenas depois a mesma prefeita está em seu escritório, seu assistente entre e diz que precisa da assinatura dela em um documento para aprovar uma determinada obra. Ela assina o documento com um lápis. Isso é um exemplo idiota para traduzir o descaso que abusa de diálogos redundantes, frases feitas e soluções mais do que manjadas.

Se eu tivesse que te explicar Defiance te indicando outras séries por exemplo, eu diria que tem uma excelente ambientação com pouca preocupação de roteiro como Terra Nova, e a razoável construção de cenas e diálogos de Revolution.

Mas não é de todo ruim, sabe, é muito difícil definir uma série pelo seu piloto. Principalmente uma que pisa num terreno de risco extremo como Defiance, dá para entender a tentativa de jogar completamente no seguro no piloto, apresentar apenas os que as pessoas querem ver: ação e romance. Esperamos que a série se foque na mitologia que está construindo, isso pode ser a chave para a permanência da série no ar. Não queremos uma série para vender jogos, e nem acho que assim vá vender, quem joga um shooter MMO de aliens não quer ver romance. Só com a Miranda em Mass Effect, afinal, ela é a Yvonne Strahovski.

Defiance vai ao ar no Brasil pelo Syfy toda terça-feira às 21h00.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...