Constantine – Primeiras Impressões

Luiz Alexandre Andrade
@luizalexandre82

  segunda-feira, 03 de novembro de 2014

Constantine – Primeiras Impressões

O piloto oficial (um pouco diferente do vazado) foi ao ar no último dia 24 de outubro.

Na última sexta-feira 24 de outubro, estreou no canal NBC mais uma série de TV baseada em personagens da DC Comics, agora foi a vez de John Constantine tomar o seu lugar nesta temporada. A série estreia no Brasil na próxima sexta-feira, dia 7 de novembro no canal à cabo Space. Antes de tudo convém lembrar que o episódio piloto já havia “vazado” meses atrás e o público pode sentir o que esperar da série, no entanto a receptividade não foi tão boa fazendo com os produtores realizassem mudanças antes do programa estrear. É o episódio piloto, agora modificado, que iremos fazer aqui algumas considerações.

Antes de tudo, John Constantine é um personagem da DC Comics, mas que passou anos e anos (praticamente toda a sua trajetória) sendo publicado na revista “Hellblazer” pelo selo adulto Vertigo. A série é mais uma tentativa de levar o personagem ao grande público depois do filme de 2005 estrelado por Keanu Reeves.

Constantine - Season Pilot

No episódio “Non Est Asylum” conhecemos John Constantine, descrito como um exorcista inglês que passa por um dos piores momentos de sua vida. Depois de uma tentativa fracassada de libertar uma garotinha, Astra, de um demônio, John se interna voluntariamente em Ravenscar, um instituto para doentes mentais, onde passa por todo tipo de tratamento, até tratamento de choque, para lidar com a perda. Mas o Inferno não dará descanso ao inglês que logo está de volta às ruas para combater os demônios.
Porém, Constantine troca a sua Londres pelos Estados Unidos, pois terá que proteger Liv Aberdine, a filha de um amigo que está ameaçada de morte. Acompanhado de seu fiel companheiro, Chas (com um elemento de “imortalidade” nunca visto nem nos quadrinhos), John terá que exorcizar de uma vez por todas o demônio que ameaça Liv. Porém, o mago acaba tropeçando em algo maior quando o anjo, Manny (interpretado por Harold Perrineau), diz a Constantine que algo grande está para acontecer e que terá que decidir de qual lado estará.

Acredito que logo de cara temos que destacar a primeira impressão que Matt Ryan nos traz quando o vemos como Constantine. Perfeito! Parece até um cosplay de Comic Com. Dessa vez a aparência do personagem foi bem adaptada, diferente das muitas liberdades artísticas tomadas no filme de 2005. Ryan carrega no sotaque inglês e nos apresenta um Constantine cínico, debochado e também perturbado. O passado do personagem na série tem muita influencia das suas histórias publicadas na Vertigo, alias os produtores do show tinham dito que “Hellblazer” seria uma grande influencia para a série.

Se por um lado Matty Ryan como Constantine nos empolga, o mesmo não pode ser dito de Lucy Griffith que interpreta Liv Aberdine. De fato a personagem não chega a convencer,mas o pior de tudo isso seria o seu papel desempenhado na série. Se o episódio fosse o mesmo vazado alguns meses atrás, a virginal Liv seria a companheira de Constantine na série, juntos andariam pelos Estados Unidos caçando e exorcizando todo tipo de demônio. Esse elemento tão batido em séries de TV destoava de uma das principais características de John: ele é um lobo solitário, Constantine sempre preferiu trabalhar só até porque qualquer um próximo a ele sempre encontra o mesmo destino: a morte.

Mas como eu disse no início, o episódio piloto foi modificado, tendo um final bem diferente. Agora, Liv Aberdine liberta do demônio Fucifer, uma entidade capaz de controlar eletricidade, decide seguir outro caminho, se isola de Constantine que seguirá sozinho seu combate aos demônios. É importante dizer que o anjo Manny tem um grande papel nesse momento. O personagem criado especialmente para série tem a função de colocar Constantine no meio da batalha que se aproxima, provavelmente um embate entre o céu e o inferno. Combater os demônios pode ser a oportunidade que John tanto quer de salvar sua alma, depois de ter condenado Astra ao inferno. Esse grande trauma na vida de John é mais uma influencia das HQs remetendo ao arco de histórias “Newcastle”, onde na juventude, ainda um estudante do ocultismo e membro de uma banda punk, Constantine falha ao realizar o exorcismo da garotinha, condenando sua alma e a entregando nas mãos de Nergal, um dos principais demônios do inferno. Na série, quando luta com Fucifer, John manda um recado para o inferno: lutará contra os demônios, salvará a alma de Astra e se preciso for, irá ao inferno para combater Nergal.

Constantine - Season Pilot

Porém com a saída de Liv da série que preferir seguir outro caminho, entra Zed, interpretada pela atriz Angélica Celaya. Diferente de Liv que foi criada especialmente para a série, Zed é um dos personagens clássicos de “Hellblazer”. Amiga e também amante de Constantine, Zed é uma maga poderosa e por diversas vezes auxiliou John no combate ao Mal.

Essas referencias aos quadrinhos são um show a parte, mas os produtores não se prenderam só ao Constantine de Hellblazer, mas podemos sentir já no primeiro episódio um Constantine com elementos d’Os Novos 52. Quando leva Liv a um porão, encontramos ali vários artigos mágicos característicos da sua nova fase, desde o capacete do Senhor Destino a Caixa de Pandora, elemento principal da saga “A Guerra da Trindade”. Mas uma das principais preocupações do público fã do personagem era saber se Constantine iria fumar na série, alias o cigarro é o companheiro inseparável do mago inglês sendo um elemento primordial de uma das histórias mais famosas do personagem e que serviu de base para o filma de 2005. Constantine fuma na série, mas provavelmente não veremos isso. Tal polemica deve-se ao fato de uma lei americana onde não se pode mostrar qualquer personagem fumando na TV aberta.

Ao final de tudo, Constantine me empolgou? Sim, mesmo sentindo a frustração de rever praticamente o mesmo episódio vazado (na verdade esperava por mais modificações), o final refeito corrigiu a má impressão deixada anteriormente. Ainda me incomoda a caracterização do personagem como um simples exorcista, John Constantine é mais do que isso. Ele é um enganador, um trapaceiro, um verdadeiro filho da pu%#, se me permitem dizer, mas tais característcas foram arranhadas nesse primeiro episódio e podem ser mais aprofundadas no decorrer da temporada que estreou com uma audiência média de 4,34 milhões de espectadores.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários