Review | White Collar 4×03: “Diminishing Returns”

  Leandro de Barros  |    segunda-feira, 30 de julho de 2012

Mesmos erros da temporada, mas o retorno à velha formula e o caso da semana salvam o episódio

“Você não queria um deles fora da Divisão de Colarinho Branco? Então toma” – DO SUPERNOVO, Leitor.

↓ Spoilers nessa direção 

E eu que achei que o Peter já voltava nesse episódio para a Divisão dos Crimes de Colarinho Branco, me dei mal. Não foi nesse, mas será no próximo, com 90% de certeza. Afinal, ele precisa sentir a punição pelo seu comportamento errado, nem que seja um episódiozinho na geladeira. Ou no arquivo.

Peter vai para o arquivo do FBI, onde ele é muitíssimo bem recebido (só que ao contrário) pelo seu novo chefe temporário. O serviço lá é barra pesada, provavelmente para ele aprender a cumprir horários, mas serve bem como um alívio mais cômico para o episódio, algo que faltou nos últimos episódios.

Outro retorno é o de Mozzie, que fez cara de despedida no último episódio, mas já está de volta em Nova York. Ainda bem que ele voltou, suas citações fazem falta nos diálogos da série.

Então vamos ao caso da semana. Dessa vez, só porque Peter não está presente na Divisão White Collar (terceiro nome diferente que eu dou para o mesmo lugar só nessa review), é justamente a semana em que um dos poucos bandidos que o policial não conseguiu pegar vai atacar. O cara funciona como um relógio: ele rouba alguma coisa, foge sem deixar pistas e fica 5 anos escondido (tempo que leva para prescrever o crime) e volta a atacar novamente, mais ou menos na mesma época.

O cara é tão bom que a única pista que ele deixou em tantos anos de ação, foi uma marca de cigarro que costuma fumar. Honestamente, não há descrição para criminoso desse tipo de história (ladrões estilo Arsène Lupin) mais clássica/atraente do que essa. Um bom desafio para a dupla Peter-Neal.

Depois da “decepção” da resolução do cliffhanger da última temporada nos dois episódios anteriores, eu não posso expressar o quão bom foi voltar pro esquema casos da semana nesse episódio. Quer dizer, eles já descartaram a outra hipótese, então vamos logo mergulhar num caso da semana e num caso interessante como esse.

Eu gostei bastante dessa parte do episódio, apesar do trabalho de Peter e Neal ter sido um pouco fácil. No fim das contas, o criminoso da semana não era tão bom assim, só sabia esconder suas pistas.

Porém, lembram que na última review eu falei sobre os pesos das consequências das escolhas dos personagens? Por exemplo, qual foi o peso do fato de Neal ter fugido? Nenhum, Peter está ali no Arquivo mas fora isso, nenhum. E qual o peso da decisão de Peter de desobedecer o FBI e ir até Cabo Verde? Nenhum, porque apesar de estar no Arquivo, o Mozzie faz o trabalho necessário e ele pode ir brincar de FBI com o Neal nos horários livres. Eu adoro as interações Neal-Peter, adoro quando eles aparecem juntos, mas sinceramente, a série perde pontos com esse tipo de coisa. Eu bato nessa tecla pelo simples fato de que White Collar não costuma pisar na bola assim.

Ainda na última temporada, nós vimos o Peter ficar desconfiado do Neal por 10 episódios por causa de um pedaço de tela. Também na última temporada, a relação de Neal e Sara terminou por causa de decisões que os dois tomaram. Tiveram peso, tiveram consequência.

Mas enfim, já estou me repetindo. Diminishing Returns foi um episódio divertido de se ver, com algumas boas sacadas, mas essa escorregada que eu já comentei. White Collar ainda tem muito crédito, mas não fazia mal ver a série nos eixos novamente.

E para os amigos Jones, Diana e Elizabeth: a qualquer momento que vocês queiram estrear na nova temporada, fiquem à vontade. É só entrar em cena, dizer umas falas e pronto.

Promo do próximo episódio:

http://www.youtube.com/watch?v=-PQm7aFdIrs

Reviews da temporada


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários