Review | White Collar 3×16: “Judgment Day”

  Leandro de Barros  |    sexta-feira, 09 de março de 2012

Bum! Um tiro de canhão vem e despedaça a estrutura da série. De maneira corajosa, os roteiristas de White Collar encerram a temporada e prometem reconstruir a série no próximo ano

Apita o árbitro e é fim de temporada em White Collar. E agora, José?

Spoilers abaixo.

Deixem-me contar como eu terminaria essa temporada de White Collar:

Eu seria covardão e jogaria pelo seguro, libertando Neal e mantendo-o trabalhando com o FBI. Ao mesmo tempo, faria com que o vigarista continuasse vigaristando por aí ao lado de Mozzie, criando uma trama da temporada que seria um verdadeiro jogo de gato e rato entre Peter e Neal, com mais intensidade do que no começo dessa temporada.

Uniria a estrutura que vem dando certo, que se baseia na ótima dupla Matt Bomer e Tim DeKay, e ainda acrescentaria algo novo na série. Poderia dar muito errado, mas a perspectiva é de que desse certo.

Mas os roteiristas de White Collar não são como eu. Eles são bravos e destemidos e deveriam combater o crime ao lado do Batman. Eles optaram por romper completamente com a estrutura da série numa jogada que pode dar muito certo ou pode enterrar a série. Mas já falamos nisso.

O season finale de White Collar foi um bom episódio. Talvez um pouco inferior a outros episódios dessa ótima temporada, mas teve muita coisa boa pra contar. Desde a sua estrutura, com a perseguição de Neal pelo quadro e de Kramer por Neal sobreposta aos depoimentos da equipe do FBI sobre o golpista, até os momentos de ação e tensão do episódio.

Eu realmente fiquei tenso com o Neal tentando transportar o Rafael roubado da casa da ex-parceira do pai dele até a empresa de seguros onde Sarah trabalha. Aliás, o desfecho do caso foi típico de White Collar e de um bom golpista. Pra apanhar os melhores temos de pensar como os melhores, certo Peter?

Tudo girava sobre o futuro e o julgamento de Caffrey, por isso não dava nem pra pedir para os personagens agissem de modo que não fosse em virtude de Neal. Diana, Peter, Elizabeth, Sara e June mostraram sua lealdade à Neal enquanto Jones decidiu ser mais comedido e lembrar que o malandro ainda tinha tempo de cadeia pra cumprir.

O problema de tudo foi Kramer querendo ferrar com a vida de Neal e levá-lo para Washington. Também, com uma taxa de 94% de casos encerrados, até eu que sou mais bobo!

No fim, Neal teve de fugir para não ficar servindo o FBI para sempre na capital americana.

E agora, José? – eu repito.

Como a série vai funcionar? A única maneira que eu consigo conceber para que Neal possa voltar ao FBI e manter a estrutura atual da série é se algum chefão do órgão assinar alguns papéis lá e tal. Eu consigo prever o cenário de Neal chantageando alguém do alto escalão do FBI e conseguindo seu emprego de volta. Eu não quero que isso aconteça.

Agora que Neal fugiu, Neal fugiu. Acabou Neal e FBI, pelo bem da boa qualidade da série. A partir de agora tem de ser Neal x  Peter, mesmo sendo amigos. Neal não pode arriscar sem preso e Peter terá de caçá-lo. Só espero que isso permaneça assim por um bom tempo.

Nós devemos mergulhar no passado de Neal na próxima temporada, marcando uma transição não só dos personagens (Neal deixa o apartamento de June e Nova York totalmente diferente de como entrou), como também da série. White Collar já se apoiava nos seus personagens, fazendo-os se moverem conforme alguns casos da semana e uma trama da temporada. Isso deve mudar no  futuro.

Quero encerrar com a frase do Peter: “Eu estou dizendo que Neal deveria ser livre“.

Até a quarta temporada, pessoal!

Episódios Anteriores:


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários