Review | White Collar 3×13: “Neighborhood Watch” e 3×14: “Pulling Strings”

  Leandro de Barros  |    domingo, 19 de fevereiro de 2012

Review dupla duplamente atrasada. Podem jogar os tomates em nós...

Review dupla já é de cair o cu da bunda de sacanagem. Review dupla com duas semanas de atraso é o cúmulo da falta de responsabilidade. Podem jogar os tomates, eu aceito.

Ok, em minha defesa eu tenho a dizer que estava usando o tempo livre em que escrevia essas reviews para escrever algumas coisas novas pro Supernovo. Vocês talvez vão ficar sabendo em breve. E pode até ser que vocês acabem gostando, veja só! :P

Vamos lá então, spoilers abaixo.

3×13: “Neighborhood Watch”

Ah, nada como um episódio levezinho e sem relação nenhuma com o resto da série, né? Mias ou menos. Neighborhood Watch tem lá suas conexões com o resto da temporada, especialmente porque usa os acontecimentos do episódio anterior como pretexto para alguns conflitos na sua trama.

No episódio, Elizabeth ouve acidentalmente um de seus vizinhos planejar um crime após Peter deixar um desses rádios policiais em casa. Ela, claro, conta ao marido que acha que Elizabeth está ficando paranóica depois do que aconteceu com Keller.

Muitas reviravoltas depois, descobrimos que existe mesmo um vizinho de Elizabeth que está planejando um grande roubo e acaba sobrando para ela e Mozzie deter o plano dos calhordas! Adoro a palavra calhorda…

Eu ouso dizer que Neighborhood Watch é o episódio que mais brincou com o padrão costumeiro da série. Normalmente temos Peter, o certinho do FBI, e Neal, o malandro consultor, resolvendo os crimes. Dessa vez, os “protagonistas” do episódio foram Elizabeth, que deveria ser a certinha do FBI, e Mozzie, que deveria ser o malandro consultor. A parte mais divertida é quando percebemos que, na verdade, Elizabeth atua mais como seria esperado de Neal e Mozzie vai mais como Peter, guardada às devidas proporções, claro.

É interessante ver a série brincar assim com sua proposta. Afinal, a quarta temporada já foi garantida, a série vem apresentando só bons episódios… quando há qualidade,  por que não fugir do comum? Neighborhood Watch é a pitstop nessa metade de temporada.

Depois de dois episódios ótimos e frenéticos, a série pausa, relaxa um pouco para então entrar no último arco dessa terceira temporada. Neighborhood Watch representa aquelas semanas em que acabamos de sair das férias de julho na escola, mas ainda não chegamos na época das provas de fim de ano.

A partir de agora, a parada fica séria.

3×14: “Pulling Strings”

Sara, Sara…. que saudades, SUA LINDA!

White Collar inicia aqui o que parece ser seu arco final nessa temporada. Neal vai ser julgado pelo seu serviço como consultor do FBI e pode ganhar a liberdade antes do tempo.

Porém, como nem tudo é fácil, o Agente Kramer, que a gente (rá, entendeu? “Agente, “a gente”..) conheceu antes do hiato da terceira temporada. Kramer é o Agente do FBI responsável por treinar Peter e tudo mais e sempre pareceu meio suspeito em relação à Neal.

Dessa vez, o  personagem está de volta para investigar os casos solucionados por Neal e avaliar se o pilantra deve ou não ganhar a sua liberdade em breve.

Kramer já deu uma vistoria na papelada dos casos e já começou a sondar os outros membros do Bureau. Por enquanto, Diana e Jones foram leais e falaram que apóiam Neal. Vamos ver como essa situação se desenrola nos próximos dois episódios.

Enquanto isso, nós acompanhamos uma outra novidade interessante na dinâmica do episódio. Pela primeira vez (corrijam-me se eu estiver errado) um caso foi solucionado sem a participação de Peter. Ok, no episódio anterior ele já praticamente não fez nada, mas se envolveu no caso no fim. Dessa vez, ele não fez absolutamente nada e deu espaço para Jones e Diana brilharem ao lado de Neal.

Acho que toda série policial deve apostar nisso às vezes. Não há mal em deixar os outros personagens assumirem a liderança fez ou outra. Dá espaço para vermos mais os outros em ação, tira a sensação de incompetência que temos dos coadjuvantes às vezes. Várias séries pecam ao deixar apenas o protagonista resolver tudo e White Collar foi sábia em, pelo menos nesse episódio, deixar o caso do violino roubado nas mãos de Diana, Jones e da investigadora Sara. O episódio não só dá mais chances para Diana e Jones se mostrarem, mas também dá mais chances dos dois interagirem com Neal além de piadinhas de escritório. Enquanto isso, Peter tem mais tempo com Mozzie, confirmando as cenas dos dois juntos como as mais engraçadas da série.

A relação Neal-Sarah volta à tona nesse episódio. Ao meu ver, os roteiristas consideraram um erro juntar os dois na série quando juntaram, mas ao mesmo tempo não querem perde essa dinâmica que há entre os dois. Não apostaria minhas fichas para novidades nessa relação tão cedo, mas em breve, quem sabe?

Por fim, quero registrar uma coisa: desde que sabemos da possibilidade do Neal voltar a ser livre, que temos menções cada vez mais frequentes à sua antiga carreira,  mesmo que o próprio vigarista negue vontade de voltar a aplicar golpes e esquemas. No episódio 12, ele desobedece Peter, cria um disfarce, volta a aflorar sua paixão por Arte e tudo mais. No episódio 13, as coisas ficam menos sutis, com Neal ensinando Elizabeth a abrir uma porta trancada, espionando a casa do vizinho ladrão, vários comentários de Peter sobre os golpes de Neal. Nesse episódio, temos MUITAS menções ao tal Rafael que Neal roubou, um investigador de uma empresa de seguros lembrando do passado de Neal e o próprio Caffrey admitindo vontade de “complementar a renda” depois de ser liberado do seu dever com a sociedade.

Continuo achando que na próxima temporada da série teremos James Bonds de volta à ativa. Segundo a promo do próximo episódio, não deve demorar tanto assim:

http://www.youtube.com/watch?v=MEOVIQADEno

http://www.youtube.com/watch?v=OrLgeqY0nok

Episódios Anteriores:


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários