Review | Revolution 1×06: “Sex and Drugs”

João Paulo

  segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Review | Revolution 1×06: “Sex and Drugs”

Sexto episódio de Revolution é focado em Aaron, o "nerd bilionário" do mundo pós-apocalipse energético

Como agir quando você tinha tudo na vida, prestígio, dinheiro, uma esposa que não ligava para o alto valor da sua conta bancária e de repente o mundo vira de cabeça para baixo e sua vida acaba de volta à estaca zero em um piscar de olhos? Esta é a questão que assombra Aaron em Revolution que volta apresentar mais um episódio consistente em sua temporada.

Como agir quando você tinha tudo na vida, prestígio, dinheiro, uma esposa que não ligava para o alto valor da sua conta bancária e de repente o mundo vira de cabeça para baixo e sua vida acaba de volta à estaca zero em um piscar de olhos? Esta é a questão que assombra Aaron em Revolution que volta apresentar mais um episódio consistente em sua temporada.

A narrativa começa exatamente onde terminou “Soul Train”, Nora se encontra ferida gravemente, e podemos perceber como ação frustrada de resgatar Danny tem um efeito impactante nas emoções de Charlie, que já vinha sofrendo desde a morte de Maggie no quarto episódio. Na tentativa de salvar Nora, Miles recorre a um velho conhecido com quem fazia negócios quando era general da república Monroe, é claro que esse conhecido não é flor que se cheire e acaba se mostrando ainda mais perigoso que a própria milícia.

O universo da série já mostrou várias vezes que neste mundo pós-blackout poucas pessoas são confiáveis, que o perigo é sempre eminente não importa o quanto seguro você possa estar. Perceba que o grupo conseguiu ajuda para Nora, mas é claro que deveriam compensar de alguma forma essa generosidade, afinal tudo tem um preço. Drexel a quem Miles recorreu por várias vezes se mostrou uma ameaça, desde a cena inicial ele deixou claro que aquele lugar era um ambiente hostil, porque não nada mais ameaçador do que excesso de generosidade e armas empunhadas na sua direção.

Essa ameaça desperta sentimentos em todos do grupo, mas é em Aaron Pittman que essa sensação de insegurança e impotência fica mais evidente, sendo assim somos levados a conhecer seu passado, antes do blackout, sua vida era fazer com que sua esposa tivesse sempre em segurança e cercada de toda a felicidade possível, percebemos isso na conversa entre eles em uma limusine. Durante o episódio tivemos vários momentos relembrando seu passado, após o blackout percebemos o quanto ele se sentia incapaz, por duas vezes sua esposa Priscilla se encontrou em perigo e nessas duas ocasiões houve falha de sua parte ao tentar salvá-lá. Em consequências desses eventos Aaron chega a ponto de abandona-la com grupo em que estavam por não conseguir oferecer segurança necessária, uma atitude que julguei um tanto covarde e egoísta, mas compreensível uma vez que na visão dele ela estaria segura afastada de sua pessoa.

Se nos flashbacks Aaron se mostra um personagem cheio de dúvidas e capaz de ações equivocadas, no presente ele se mostra uma pessoa um tanto mudada, uma vez que ele é capaz de se preocupar com a segurança de Charlie e ainda capaz de atitudes surpreendentes para proteger Nora, algo admirável, já que é o oposto de tudo foi mostrado sobre ele até aquele momento. Falando em Charlie aqui podemos traçar um paralelo entre ela e Aaron, assim como vimos às mudanças sofridas pelo gênio da computação, a sobrinha de Miles também deve sofrer uma intensa mudança de atitude, e neste episódio foi à primeira evidência disso.

Charlie vem sofrendo desde o primeiro episódio, perdeu o pai, seu irmão foi capturado, descobrimos que sua mãe foi embora quando era ela pequena e a madrasta a única figura materna que sempre esteve lá por ela, morreu de forma inesperada, todas essas perdas fizeram a garota mergulhar em um mar de questionamentos, insegurança e ações equivocadas. O que notamos é que ela finalmente começa a perceber que precisa menos emotiva e mais forte, Miles vai servir de grande espelho para ela crescer como pessoa, a exemplo disso temos a cena em que ela mostra atitude ao se oferecer para matar um líder de gangue rival em troca de pagar a dívida pendente pelo tratamento de Nora.

O clímax do episódio vem de encontro com tudo que foi exposto antes, Miles vai resgatar Charlie, Aaron fica para proteger Nora. Pode-se destacar a atuação de Zach Orth no papel do nerd, ele trouxe sentimento e nos fez importar com personagem, a cena final dele foi ótima. Outro destaque vai para Tracy Spiridakos, Charlie nunca foi um personagem muito querido, mas talvez depois deste episódio o público comece a olha lá com outros olhos, e posso dizer que achei acertado Miles salvá-lá antes de cometer o assassinato, a personagem precisa evoluir mais antes de poder matar alguém por um motivo banal.

Apesar de toda essa atenção dada ao grupo de Charlie, do outro lado da história tivemos algumas cenas na República Monroe, finalmente o Capitão Neville entregou Danny ao General e ainda foi promovido a Major pelo feito. Ainda não entendi toda essa tensão entre Neville e Nate (ou Jason, você escolhe), mas uma coisa eu digo os problemas só irão aumentar para Miles e companhia, já que Monroe está ciente de quem tem o pingente de energia e qual é a real situação do grupo.

“Sex and Drugs” (título totalmente incoerente com o que episódio mostrou) foi um bom episódio de Revolution, acertou muito bem em focar no desenvolvimento de Charlie e Aaron, mas apesar de ter mostrado pouco as outras tramas, a história soube dosar bem os momentos inclusive na última cena aonde tivemos o reencontro entre Rachel e Danny.

Observações da Revolução:

– Lembra quando eu disse que o grupo de Miles teria problemas, o nome desse problema se chama Sargento Strausser, a julgar pela cena nos estábulos ele promete ser um vilão que tem o prazer de matar.

– Cena de tirar o fôlego, Aaron dando um tiro em si mesmo usando essa ação como distração para matar Drexel, ponto para o nerd.

– No próximo episódio teremos as primeiras respostas sobre o blackout finalmente, veja a promo a seguir:


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários