Review | Person of Interest 2×05: “Bury The Lede”

João Paulo

  terça-feira, 06 de novembro de 2012

Review | Person of Interest 2×05: “Bury The Lede”

E não é que é bom sempre ter a noção do quão boa Person of Interest pode ser?

Uma das tramas mais sólidas de Person of Interest volta com tudo, nos apresenta o melhor episódio da temporada até agora e um dos melhores episódios de toda a série.

É como muita felicidade que início esse texto para dizer que dos maiores inimigos do Team Machine retorna a série para dar um gás e adicionar ainda mais peças ao quebra-cabeça da história, sim meus queridos leitores os policiais corruptos da HR estão de volta e trazendo uma nova revelação. São tantos elementos positivos que vou fazer o possível para descrevê-los de forma mais completa possível.

Começando pela vítima da semana a jornalista Maxime Angelis vivida pela atriz Gloria Votsis (White Collar), de longe um dos personagens mais interessantes do episódio. Veja bem a história é muito feliz em não só encaixa-la na trama do episódio como também na mitologia da série, o fato dela ser jornalista investigativa ajuda ainda mais, a habilidade da personagem de obter informações faz dela um dos alvos mais visados de Nova York, ao investigar criminosos como cartéis, Elias e a HR, então é claro que mais cedo ou mais tarde ela apareceria entre os números da machine.

A diferença é que desta vez o alvo se tornou meio que involuntariamente o criminoso, vale destacar aqui primeira reviravolta do roteiro, mas para entender melhor isso vamos falar um pouco do FBI que volta trama também depois do season finale da primeira temporada. Depois dos eventos daquele episódio começou uma grande operação para prender os criminosos da HR, e com eles todos os envolvidos (estou falando com você, Fusco). No episódio “Firewall” leva o espectador a crer que Simmons é o grande chefe da HR, mas esta teoria estava completamente equivocada já que neste episódio fica claro que ele é apenas mais uma marionete da verdadeira mente criminosa da organização, o que nos leva a grande pergunta de “Bury The Lede”, quem é o verdadeiro chefe da HR?

Para chegarmos nessa resposta precisamos levar em conta a eleição para prefeito que estava acontecendo naquele período em Nova York, as prisões dos policiais da HR pelo FBI e das investigações de Maxime. Na verdade começa com ela, recebendo uma dica anônima de que o possível líder da HR é na verdade Christopher Zambrano, filho de um mafioso famoso da cidade (na verdade o tal mafioso apareceu no episódio Flesh & Blood da primeira temporada sendo morto a mando de Elias), além disso, ele era dono de importadora no porto o que dava ele as qualidades necessárias para ser o temido chefe, tanto que a jornalista publica a notícia, tornando-o alvo de todas as facções rivais inimigos da HR.

É ai que Reese entra, para proteger a jornalista de perto ele tem que descobrir um jeito de ficar próximo sem ser descoberto, então Finch tem a ideia genial de lhe arranjar um encontro com ela. Uma das características que se tornou marca da série é saber fazer humor no momento certo, neste episódio essa qualidade está presente a todo o momento e chega a ser mais divertidas que muitas comédias por ai. O destaque do episódio vai para Jim Caviezel que como citei na season premiere mostra um Reese bem diferente da sua versão na temporada anterior, em todas as cenas dos três encontros entre ele e Maxime são regados a muito charme, flerte e sinceridade.

Falando mais sobre esses encontros, Reese não se sai bem no primeiro, mas tem a ajuda de Zoe Morgan (que volta para mais uma agradável participação na série) para poder ganhar pontos com a jornalista. Outro fato curioso sobre esse episódio foi às referências aos quadrinhos, não sei se o roteirista era fã ou não, mas só sei que ele foi feliz por aproveitar que a vítima era do ramo jornalístico para fazer referências ao Superman, veja bem Maxime não só investigava os criminosos, mas também investigava os boatos de um homem de terno que salva pessoas, é claro que isso era uma lenda urbana, mas essa foi à justificativa perfeita para que Reese usasse óculos durantes os encontros com ela, tem uma coisa mais Lois e Clark do que isso.

Voltando a trama, a publicação que Maxime fez gerou consequências graves, porque além da tal notícia ser falsa, Christopher Zambrano estava ajudando o FBI a encontrar uma lista de registros que o pai guardava em segredo que poderia revelar o verdadeiro líder da HR, ou seja, um homem inocente morreu por causa de um equívoco da jornalista. O agente Donnelly revela a ela tudo durante um interrogatório na delegacia, a mesma aonde Carter e Fusco trabalham. E por falar em Fusco a trama da HR sempre trás o melhor do personagem para tela, neste episódio, por exemplo, houve uma regressão de caráter do detetive, ele não só escondeu segredos de Reese, mas também ajudou Simmons na busca pela tal lista, além de ser bem sucedido nessa missão, apagando evidências de seu envolvimento com a organização.

Se Fusco teve bastante destaque neste episódio, o mesmo não se pode dizer da Carter, ela na verdade é minha única ressalva da história, a personagem precisa de mais destaque além desse de ajudante de Reese e Finch e espero que isso venha com tempo, afinal na temporada passada ela teve um dos melhores arcos da série e merece um pouco mais do que vem fazendo. Continuando a história da jornalista, após toda confusão com a publicação, Maxime se torna o alvo principal e todo resto do episódio se volta uma busca pela lista de registros.

Lembra que eu disse que para descobrir quem era o líder da HR, tínhamos que focar em três peças fundamentais? Então a primeira peça era a eleição para prefeito e nela que está toda a chave do mistério. Depois de uma dica de Zoe e esperteza de Finch nos bastidores, passamos a suspeitar que um dos candidatos (Griffin ou Walker) possa ser o chefão da organização criminosa e que a prova disso estaria na lista. Maxime e Reese acabam descobrindo o paradeiro dela e somos levados à sequência final do episódio, com Carter e Fusco chegando para socorrer a jornalista e nosso herói depois deles ficarem a mercê de dois ex-agentes do FBI que trabalhavam para o chefão da HR, assim a lista foi recuperada.

No fim tudo leva crer que Walker o candidato mais jovem foi considerado através das evidências o verdadeiro líder da HR de acordo com anotações de Zambrano, mas mesmo naquele momento com caso aparentemente resolvido tínhamos a sensação de ainda faltava algum pedaço do quebra-cabeça.

Uma coisa que gosto da série Person of Interest é a capacidade do roteiro de surpreender nos detalhes, o roteirista David Slack (guarde esse nome) é muito inteligente em conseguir resgatar tudo que a série tem de melhor e trazer um equilíbrio único de ação, humor, suspense e mistério, mas como eu disse é nas entrelinhas que a série consegue se superar, o líder da HR estava o tempo todo ali na nossa vista e fomos incapazes de reconhecê-lo com tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo, assim como Elias na primeira temporada, mas aqui a jogada se torna ainda mais genial, porque o líder da HR nada mais é do que Quinn (Clarke Peter), chefe de campanha eleitoral do candidato Griffin o rival de Walker, ele apareceu discretamente em duas cenas com Maxine e em nenhum momento desconfiamos da índole dele. Como Finch mesmo disse um plano brilhante como esse não poderia sair da cabeça de um político, porque políticos são manipuláveis e descartáveis, assim Quinn conseguiu tudo que queria e ainda entrou para galeria dos maiores vilões da série junto com Elias e Root.

Observações:

– Eu não citei Bear, mas ele protagonizou momentos engraçado com seu brinquedinho novo.

– Outra cena engraçada, a expressão de Finch escondido dentro do armário de Reese se deparando com todo armamento dele.

– Fiquei curioso para saber as mensagens que Finch mandou para Maxine em nome do John, ela ria muito na cena.

– Nesse episódio teve bastantes frases legais, mas a última frase dita no final do episódio na cena de revelação de Quinn foi ótima: “Politicians come and go. We’ll stay here forever”

– Outra frase interessante foi proferida por Simmons em relação a Fusco: “I’m not threat for your son. You’re”

– Apesar de toda química entre Maxime e Reese o casal não ficou junto. Segundo ela, ele ainda tem sentimentos por Zoe (eu também acho), além disso, a nova promo deixa claro que teremos mais dos dois no próximo episódio, veja ai e tire suas próprias conclusões:

http://www.youtube.com/watch?v=5G20ab4okQU


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários