Review | Fringe 4×14: “The End of All Things”

  Eder Augusto de Barros  |    quarta-feira, 07 de março de 2012

O melhor episódio desta temporada veio para responder algumas perguntas e deixar muitas outras. O que você achou do episódio?

Peter com o Observador Setembro

Desculpem a minha demora para escrever sobre Fringe. Este último episódio antes do hiato foi provavelmente o melhor da temporada e um dos melhores de sempre em Fringe. Finalmente descobrimos o que são os Observadores, porém de forma alguma isso caminha para o encerramento da série, pelo contrário, eu só vejo caminhos aberto e possibilidades de novas histórias. Além das perguntas que continuam em nossas cabeças, mesmo com algumas respostas.

O ponto alto do episódio foi quando Peter conseguiu entrar na mente de Setembro e descobrir enfim o que ele era. E vimos que afinal os Observadores são humanos do futuro que conseguiram a tecnologia de viajar no tempo e presenciar importantes acontecimentos da humanidade. Bacana foi que ao mostrar Peter na mente de Setembro o evento presenciado era o Big Bang.

Setembro sempre repetia que Peter era muito importante, talvez porque as ações dele ou de Walter vão contribuir de alguma forma para a tecnologia futura de viajar no tempo. O certo é que a invasão de Peter ao cérebro de Setembro não acrescentou muito a sua luta para voltar para casa, ajudou-o apenas a encontrar Olivia, que por outro lado também fez a parte dela para que Peter viesse até ela.

Acredito que Peter tenha ficado meio pensativo em relação ao seu ex-filho Henry, que por acaso foi o Glyph Code do episódio anterior. Não podemos descartar ainda a importância do filho para a série, ele não seria mencionado em dois episódios seguidos para cair em esquecimento, isso foi provavelmente uma cavada no terreno que os roteiristas fizeram, já preparando para alguma surpresa. Já vi em fóruns teorias que envolvem até Henry sendo um inimigo vindo do futuro, Fringe é uma série que permite todo tipo de viagem em suas teorias.

E Nina Sharp hein, sei lá qual era aquela Nina. Se era um impostor, então a verdadeira estava injetando o Cortexiphan na Olivia? São duas shapeshifters? Confesso que ainda não entendi essa parte. Devo louvar a maneira como os roteirista fizeram Olivia sacar que aquela não era a verdadeira Nina, e ainda fazer com que eles fossem buscar Peter.

Interessante também é no monitor de Walter quando Peter vai entrar na memória de Setembro vemos duas ondas cerebrais, uma com a legenda PETER e a outra com a legenda MR. X. Mister X é o homem que matará Olivia, segundo a própria.

O episódio foi tão empolgante que poderia ter vindo antes, principalmente com esse risco de cancelamento e as baixas audiências, e para priorar foi o episódio que precedeu um hiato de um mês. Fringe só volta dia 23 de Março. Porém as esperanças da renovação foi renovada com a notícia de que a Fox cancelou Terra Nova, que era até então seu brinquedo mais caro, e também cancelou House, o que nos faz pensar que talvez Fringe ainda tenha uma chance com novo horário na grade, vamos torcer. #SaveFringe

O Glyph Code da semana foi UNITE, que significa UNIR, será uma referência ao que aconteceu no episódio quando Peter entro na mente de Setembro, já mencionei acima sobre a legenda do Observador no monitor de Walter estar como Mr. X, e ainda da para levar em conta outra questão nesta mesma cena, as ondas estão praticamente iguais. E caminhando para a união.

Ainda podemos relacionar a palavra com a questão de Olivia não conseguir usar seus “poderes” sem estar com Peter por perto. Eu gostaria mais da primeira teoria, já haviam rolado rumores de que Peter seria um Observador, ele até foi a Comic Con de 2011 vestido como tal para alimentar isso.

Duas promos do próximo episódio: A Short Story About Love

http://www.youtube.com/watch?v=eaWmFe7XraA

http://www.youtube.com/watch?v=x7A-JtfMbe0

Reviews dos outros episódios


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários