Review | Fringe 4×13: “A Better Human Being”

  Eder Augusto de Barros  |    sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Outro grande episódio, impossível crer como uma série com essa qualidade está prestes a ser cancelada. #SaveFringe

A confusão continua armada em Fringe, mas já temos desenhos de resolução dos assuntos pendentes. As respostas já estão preparadas e prontas para serem dadas, e depois desse último episódio, nos leva a crer que será logo. O décimo segundo episódio acabou de uma maneira surpreendente com um beijo entre Peter e Olivia, e esse décimo terceiro só colocou as lenha na fogueira.

O caso da semana foi tão estúpido que praticamente foi ignorado no episódio, fiquei com a impressão de um corte brusco e no momento seguinte tínhamos o caso resolvido e Olivia e Peter voltando para a casa de carro. A história do caso se passa ao redor de um assassinato onde um jovem internado numa clínica psiquiátrica consegue pelo seu cérebro ouvir as vozes dos assassinos. Depois viemos a descobrir que todos os envolvidos nos assassinatos e o garoto que ouvia as vozes eram frutos de fertilização in vitro com espermatozóides alterados genéticamente por um cientista, que buscava produzir um ser  humano completo, alterado em laboratório. No fim do caso, os “filhos” assassinaram o cientista responsável por eles, num extinto de proteger a espécie, já que o cientistas queria escrever um livro contando o que aconteceu. O caso foi esse, nunca chegamos a ver se os assassinos foram capturados ou não.

Bom, agora acho que já é 100% certo de que estamos apenas na timeline trocada do lado A. Uma timeline onde Peter não foi salvo por Setembro. Quem sabe o objetivo de Peter nessa outra timeline seja salvar o pessoal como salvou na última. Neste episódio Olivia praticamente se lembra de tudo, ou seja, é a nossa Olivia de novo. Walter fez exames para descobrir o que acontecia na cabeça dela e acabou descobrindo o Cortexiphan, no episódio passado eu li um comentário qualquer que alguém levantava essa hipótese, do porque ao fazer exame de sangue em Olivia o cientista não notou o Cortexiphan, será que ele não fez o exame afinal?

Gostei especialmente do final, quando Peter e Olivia estão no carro, já praticamente cedidos a situação, Olivia sai para ir ao banheiro numa estação de serviços e é sequestrada. Como sabiam que Olivia estaria ali? Os Observadores estão envolvidos? Jones é o responsável e seguia Olivia? O interessante neste ponto é que ninguém questionou o porque Nina Sharp também estava na sala para onde Olivia foi levada, ou seja, também havia sido sequestrada. Ela é um shapeshiffter de Jones, tal como o Broyles do lado B. Mas qual Nina foi sequestrada? Aquela que injetou Cortexiphan alguns episódios atrás?  Ou aquela já era o shapeshiffter?

Walter e Lee tem uma vantagem, sabem que aquela Nina estava armando algo com o Cortexiphan, já que foram trocados. Será que a temporada agora passará a ser em torno de Olivia e não de Peter?

Interessante como o Peter aceitou fácil que aquela era a sua Olivia, como estariam lidando os roteirista com isso? Acho que não farão o Peter ser burro duas vezes, já que na última temporada ele engravidou a Bolivia por acreditar que era a sua Olivia. Acredito que os roteiristas não repetiriam isso mais uma vez, provavelmente essa deve ser a sua Olivia, de alguma maneira vão fazer com que torne realidade. Porém contra essa minha teoria vem o Glyph Code dessa semana, que é Henry, justamente o nome do filhe de Bolivia e Peter, e também daquele taxista que ajudou Olivia no lado B, mas pelo decorrer dos acontecimentos do episódio, boto fé que o Glyph Code é mais para o filho de Peter e essa situação dele com Olivia no episódio.

Segundo esse vídeo, as respostas começarão à aparecer no próximo episódio. Espero apenas que não seja o fim de Fringe. #SaveFringe

Duas promos do próximo episódio: The End of All Things

http://www.youtube.com/watch?v=V-KFgjtyaa4

Reviews dos outros episódios


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários