Review | Fringe 4×10: “Forced Perspective”

Porra, demorei. Mil perdões.

Bom, o décimo episódio teve um ótimo caso da semana, que no entanto não contribuiu nada para o desenvolvimento da trama, estávamos ainda naquela de saber sobre o que Setembro falou para Olivia, que ela precisava de morrer e tal, e isso deixou o episódio apático.

O caso da semana é a história de Emily Mallum, uma menina que adora desenhar, e as vezes tem visões do futuro, e expressa essas visões no papel, tentando alertar as pessoas sobre acontecimentos desastrosos, ela vive em mudanças com a família, pois o pai não gosta da idéia dela ser estudada pela Massive Dynamic. No episódio, Emily tem uma visão sobre uma grande explosão no Tribunal e consegue que a Fringe Division impeça o fato.

Visualmente o episódio é lindo, de uma qualidade poucas vezes vista em seriados, a cena em que Walter hipnotiza Emily e ela passeia pela cena do desastre onde está tudo paralisado em uma explosão me lembra muito Inception do Christopher Nolan. Uma bela fotografia para um seriado.

Voltando aos acontecimentos, quando descobrimos exatamente o que acontece com Emily, a primeira pergunta que nos vem a cabeça é: será que ela viu a Olivia morrendo também? Pois é, na cabeça da Olivia passou o mesmo, tanto que ela fez essa pergunta no meio do episódio, e soubemos a resposta no fim. Emily sabia que morreria depois do desastre e que Olivia e o pai assistiriam. Provavelmente o cérebro dela entrou em colapso devido a quantidade de informação que recebia a mais, como suas visões do futuro.

Mesmo assim, ficamos apreensivos, tal como Olivia, na cena em que ela vai negociar com o homem bomba, claro que ela não morreria ali, mas que ficamos apreensivos, isso ficamos. O que mostra mais uma vez a grande qualidade da série, que é singular atualmente na tv. É por esses episódios que temos de lutar por Fringe. #SaveFringe.

O episódio pode não ter contribuído para a história em geral, mas veio recheado de EasterEggs. Lembram-se do terceiro episódio da primeira temporada, onde um ônibus foi preenchido por uma geléia parecida com o Ambar do Universo Alternativo, e todas as pessoas que estavam dentro morreram, e depois eles encontraram um desenho com as pessoas dentro do ônibus. Pois bem, o desenho é bem parecido com o que Emily faz dessa vez, de uma catástrofe, e mais, o ônibus tinha o mesmo letreiro (Downtown).

Adições importantes para a história foram poucas nesse episódio. Descobrimos que a Fringe Division dessa timeline, apesar de ser mais organizada, ainda não conhecia os Observadores, e Peter deu a breve introdução à eles. No fim do episódio um Observador estava ao lado de fora da casa de Olivia, numa cena que nos fez lembrar muito aquela vez que Setembro esteve ao lado de fora da casa de Peter, já não me lembro o episódio, desculpem a minha falta de memória :)

O Glyph Code da semana foi MARCH (Março, o mês) que muito obviamente é o dito cujo Observador que estava do lado de fora da casa da Olivia.

Reviews dos outros episódios

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...