Review | Chuck 5×07: “Chuck vs. The Santa Suit” e 5×08: “Chuck vs. The Baby”

  Leandro de Barros  |    segunda-feira, 02 de janeiro de 2012

Review dupla de Chuck, com Stan Lee, Papai Noel, Tim DeKay e devaneios pra começar o ano

Review dupla de Chuck para começar o ano! Os dois episódios foram transmitidos nos EUA durante as festas do fim de 2011 e agora a gente vai dar uma pincelada ligeira nas aventuras natalinas do espião mais competente de Burbank.

Chuck vs. The Santa Suit

E então chega ao ponto final a conspiração para liberar o vírus Omen e nós finlamente percebemos qual a intenção de Decker e sua trupe: liberar Shaw (Brandon Routh). É, pois é.

Todo o blablabla do Decker ferrar a Carmichael Industries era pra forçar Chuck (Zachary Levi) e sua turma a liberar acidentalmente o vilão de temporadas passadas. Provavelmente seia mais fácil se ele simulasse uma fuga forçada ou coisa assim, mas planos super-elaborados e rebuscados são a moda da estação.

Shaw invade a Base da Carmichael Industries e bate em Sarah porque… bem, porque ele ainda não esqueceu que ela matou sua namorada. Rancoroso como é, Shaw planejou sua grande vingança contra o mundo, como manda o figurino.

Todo a história do Shaw já passou do prazo de validade na série, mas foi bom ver um desfecho pra isso. A gente sabe que foi um desfecho porque a série termina em breve, se não ele ainda apareceria. Shaw é o mais próximo que Chuck já teve de um nemesis e foi assim desde sua entrada na série, primeiro substituindo o finado Bryce como um rival por Sarah (Yvonne Strahovski) e depois como uma ameaça à vida do incauto nerd e da sua doce donzela.

Apesar do meu tom meio insatisfeito, eu gostei do episódio. Não acho que ele seja memorável e que quando a gente se lembrar da série, depois que ela já tiver sido finalizada, esse seja um dos episósiods a se lembrar, mas ele teve seus momentos.

O lance do Casey (Adam Baldwin) e do ursinho de pelúcia foi legal e relativamente emotivo. Já a luta final entre Chuck e Shaw foi o segundo melhor momento do episódio. Foi bem legal ver o protagonista derrotar seu antagonista sem o uso do Intersect e de nenhuma outra muleta, apenas com o que possui. Ok, ok, foi da Ellie (Sarah Lancaster) o último golpe, mas foi apenas pra marcar que “Chuck não está sozinho” (tema recorrente no próximo episódio).

O núcleo da Buy More, humorístico por natureza, não esteve TÃO BOM assim, mas não dá pra se ter tudo. Se você está curioso sobre qual foi o melhor momento do episódio, foi a participação do Stan Lee, claro.

Chuck vs. The Baby

Se o último episódio mostrou que a diferença entre Chuck e Shaw era que o primeiro não estava sozinho, dessa vez é hora da série se focar na espiã loira mais bonita da cidade e mostrar que ela também não está sozinha.

Talvez seja forçar um pouco a barra comparar que os dois episódios trabalharam o mesmo tema, até porque em “Chuck vs. The Santa Suit” quase não é mencionado essa história. Mas é meio que tema recorrente na temporada, então…

Dessa vez, a mensagem está escrita na tela. Sarah, que sempre foi reservada e solitária, dessa vez tem de aprender que agora ela não está mais sozinha. Para isso, a série resgata do seu passado uma misteriosa missão em Budapeste, logo antes da série começar. Seu supervisor era Ryker (o ótimo Tim DeKay) e  o agente a manipula para que ela resgate uma recém-nascida, herdeira de uma fortuna. O plano do cara era simples: pega a criança, vira tutor legal dela, deita na grana. Mas Sarah a impediu e depois disso ele saiu da CIA.

Agora tudo volta e ela tem de “resolver tudo sozinha”, até perceber que não é bem assim e todo mundo viver feliz para sempre. Foi um episódio interessante por trabalhar mais o passado de Sarah e por trazer Tim DeKay para Chuck por alguns minutos. A participação ganha um nível extra de interesse quando a gente lembra que o ator também faz um “supervisor” em White Collar. Mais ainda: na outra série, DeKay faz um agente do FBI responsável por manter o malando Neil fora de confusões. Neil é interpretado por Matt Bomer, que fez o agente da CIA Bryce Larkin em Chuck. É quase como se as séries fossem versões contrárias de uma mesma história em mundos alternativos. Em White Collar, temos o agente mais experiente de uma agência federal americana (Tim DeKay) responsável pelo malandro fora-da-lei (Matt Bomer) que perdeu a namorada (Alexandra Daddario, mas com um pouco de imaginação colocamos a Yvonne Strahovski no lugar). Em Chuck, o agente mais experiente de uma agência federal americana (Tim DeKay) é mal e era responsável pela certinha (Yvonne Strahovski) que perdeu o namorado (Matt Bomer). É óbvio que tudo isso é fruto da mente perturbada que eu tenho, mas achei interessante comentar.

Por fim, não dá pra falar do episódio sem mencionar a volta do casal de pombinhos Morgan (Joshua Gomez) e Alex, que demoraram pra voltar. Só conseguiram se unir novamente com uma ajuda de Ellie e Devon (Ryan McPartlin) e fica divertido quando a gente lembra que na primeira temporada o Morgan tentava sair com a Ellie.

Além disso a gente finalmente conheceu a mãe da Sarah e sua irmãzinha (o bebê do começo do episódio), que não tiveram tanto impacto assim quanto eu pensei que teriam quando foi anunciado que a mãe de Sarah apareceria, mas foi legal de ver.

O próximo episódio deve ser focado em Casey e será a sua vez de ver que “não está sozinho”, provavelmente. Teremos a volta de Getrudes e uma surpresa quase inesperada para Chuck e Sarah. Confira a promo:

http://www.youtube.com/watch?v=ELx8YzzpQ-g

Episódios anteriores:


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários