Review | Alcatraz 1×04: “Cal Sweeney”

  Eder Augusto de Barros  |    domingo, 12 de fevereiro de 2012

O episódio que mais acrescentou até agora para o desenvolvimento da história central, mesmo que sendo pouco.

Soto e Madsen em Alcatraz 1x04

Sabe o que mais me irrita em Alcatraz? A falta de acontecimentos para uma história central. Muito provavelmente, se a série se focar em apenas o caso de semana, eu abandonarei o barco. Não que seja ruim, mas é chato fazer review de coisas que estamos cansados de ver nos CSIs, Criminal Minds, e até White Collar como no caso desse episódio.

Esse episódio é centralizado no personagem Cal Sweeney, um golpista que usava seu charme para assaltar banco, conquistava as operadoras de caixa do banco para ter acesso as salas de cofre, e depois roubava de lá objetos com importâncias sentimentais. Ok, por que ele fazia isso? Porque o banco nunca tinha conhecimento dos objetos nesses cofres, e então, logo após o roubo, ele penhorava os itens, e até obterem informação do dono do cofre, ele já tinha se livrado do item e já tinha o dinheiro. Very clever.

Para fazer a captura, a divisão do FBI que investiga os prisioneiros de Alcatraz, deu uma volta técnica na SWAT que estava prestes a invadir um banco onde o roubo deu errado e ele teve de manter os presentes como reféns. Rebecca foi muito badass, entrou escondida e salvou Cal para ser capturado posteriormente, também com uma bela manobra da delicinha.

Esse episódio, diferente dos outros, foi recheado de flashbacks, o desenvolvimento de Cal foi praticamente todo em flashback, o que acrescentou mais que os outros para a história central. Mais ainda são poucas as perguntas que ficam no ar.

A participação de Diego Soto neste episódio foi meramente de backup como disse Rebecca, quando ele responde, always.

Tal com Sylvane, Sweeney também estava a procura de uma chave estranha, que no fim do episódio, descobrimos ser de uma sala de Alcatraz, que utiliza as duas chaves para ser aberta. Mais ainda ficamos na dúvida para saber o que há lá dentro. Rebecca quis saber o que as chaves abrem, mas Hauser desconversa e não diz, até porque, ele também não sabe, ao que parece.

Outra adição interessante para a história, é o fato de Lucy, em um flashback de Cal, dizer na mesa de jantar, que vai testar um experimento de substituição de memórias, coisas estranhas, além de frases soltas sobre prisioneiros sofrerem sangramentos nasais. Já vimos em Fringe que tais sangramentos pode ser por excesso de informação no cérebro, que deve ser ocasionado devido a esses experimentos. Nos resta esperar.

O que vocês acharam do episódio?

Outras reviews:


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários