Uma página original de A Piada Mortal mostra que a HQ seria um pouco mais… gráfica

Leandro de Barros

  segunda-feira, 02 de dezembro de 2013

Uma página original de A Piada Mortal mostra que a HQ seria um pouco mais… gráfica

Arte original de Brian Bolland era mais explícita do que a publicada pela DC

Esse texto contém spoilers sobre os eventos de A Piada Mortal, de Alan Moore e Brian Bolland.

Piada mortal

Uma arte original da HQ A Piada Mortal, de Alan Moore e Brian Bolland, foi divulgada no Twitter nesse fim de semana por Billy Hynes, ex-funcionário da Gosh! Comics em Londres.

A página em questão mosta o momento em que o Comissário Gordon  passa pela “sessão de enlouquecimento” preparada pelo Coringa. O vilão, que havia atirado em Bárbara Gordon horas antes (e, aparentemente, abusado sexualmente da garota), exibe algumas fotografias do corpo ferido da filha do Comissário.

Na versão original desenhada por Brian Bolland, uma das fotografias mosta mais do que os censores da DC estavam dispostos a publicar. Confira (a versão sem cesura pode ser vista no tweet original):

piada-mortal-arte-original

E vocês podem comparar com a versão final abaixo:

Piada Mortal arte final

A versão original da página planejada por Moore e Bollando mostra que a ideia de que o Coringa chegou a torturar Barbara Gordon de maneira sexual é menos sutil do que a versão oficial publicada pela DC Comics. Considerando que a editora publicou a história como um anual oficial dentro da cronologia do Batman (e que esse tipo de material abrange também um público mais jovem), surge a necessidade de “censurar” aquele painel em específico – tanto porque mostra uma personagem nua, quanto porque deixa bem explícito o tipo de violência que o Coringa cometeu.

Ao BleedingCool, o desenhista Brian Bolland confirmou que houve o pedido da DC Comics para alterar o painel.

Seja como for,  mais um pedacinho de informação para contribuir na interpretação dessa obra.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários