Sofazão | Another

Tayná Tavares

  domingo, 10 de fevereiro de 2013

Sofazão | Another

Hoje a Sofazão analisa outro anime: Another! (another anime... ba dum tss)

Olá, internautas supernovos! Hoje a Sofazão vai tratar de um outro anime. Sim! Outro anime! Por quê? Bom, porque sim! Diferente da outra semana, hoje trazemos another anime: Another! Another… Anime… Outro… (ba dum tss). Leiam aí, moçada!

Eu sou meio devagar quando o assunto é anime, demoro demais pra começar e terminar de assistir, e muito raramente estou acompanhando os lançamentos da estação. E não é porque acho isso mainstream nem nada, mas porque geralmente já tenho uma lista de animes pra assistir antes de começar novos.

Mas, depois do lançamento do Crunchyroll no Brasil, eu fiquei com ainda mais preguiça de baixar animes e comecei a assistir alguns que estão disponíveis por lá, como: Sword Art Online, Eyeshield 21, Shin Sekai Yori e Another. Hoje eu vou falar sobre Another.

Another foi lançado no começo de 2012, baseado em uma light novel escrita por Yukito Ayatsuji, e com uma adaptação pra mangá já concluída, e que reza a lenda, será lançado aqui no Brasil. O anime se passa em 1998, e conta a história da turma 3 da 9ª série da escola do Norte, na pequena cidade de Yomiyama, onde existe uma lenda.

Há 26 anos, Misaki era uma excelente aluna, muito admirada pelos professores e alunos pelas suas notas e talento nos esportes, além de ser uma pessoa carismática e popular. Tudo ia bem para a promissora Misaki até que ela sofreu um acidente terrível e morreu no começo do ano letivo na 9ª série. Até aí, tudo bem, shit happens, toda a escola ficou chocada com o acidente, mas bola pra frente, certo? Errado. Sua antiga turma de repente começou a agir como se a querida Misaki ainda estivesse presente não somente em suas vidas, como também na sala de aula. Sua cadeira continuou disponível para ela na sala (no Japão as cadeiras são marcadas, não tem essa de sentei primeiro), e foi até mesmo reservado um lugar para ela na formatura. Pra completar todo esse amor, ao revelarem a foto da formatura, era possível ver Misaki, entre os alunos, como se fosse apenas mais uma aluna se formando.

Voltando a realidade da história, 26 anos se passaram desde o pequeno acidente com Misaki, que agora é apenas uma lenda. Koichi Sakakibara acaba de se mudar para a pequena cidade de Yomiyama para morar com seus avós enquanto seu pai viaja a negócios. E, na sua primeira semana de aula, acaba sofrendo um acidente e fica internado durante 3 meses, perdendo o começo das aulas. Enquanto está internado, Koichi acaba conhecendo Mei Misaki, uma misteriosa garota que ele mais tarde descobre ser sua colega de classe, mas vive isolada dos outros alunos. E pra deixar a situação ainda mais “normal”, todos os outros alunos da turma parecem estar constantemente escondendo alguma coisa do nosso protagonista, que felizmente não é tão tapado assim e começar a investigar o que está acontecendo.

Entre essas investigações, Koichi descobre que no mesmo dia em que conheceu Misaki no hospital, uma menina chamada Misaki morreu por lá, e a partir daí começam os problemas. Qual é a verdade sobre Misaki? Por que o resto da turma age como se ela não existisse? Por que não contam nada para o Koichi? E qual a ligação desses fatos com o acontecimento de 26 anos atrás? Esses são apenas alguns dos mistérios que envolvem a série.

Mesmo achando a história meio clichê, e uma mistura superficial de Corpse Party (jogo de PSP/PC onde uma turma decide fazer uma simpatia na escola e todos acabam tocados pelo capeta e precisam aprender a lutar por suas vidas sem saber mais o que é certo e errado ou quem está vivo ou morto) com Katawa Shoujo (visual novel onde um menino com problemas de saúde vai estudar num colégio cheio de pessoas com problemas de saúde e tem uma menina que não tem tapa-olho, mas sempre esconde a cara), eu gostei de Another.

Todo o projeto foi cautelosamente elaborado,os cenários sempre macabros e sombrios, fazendo com que você fique esperando por algum susto ou bizarrice a qualquer momento. Uma excelente estratégia utilizada no anime foi a apresentação desses cenários bizarros durante os diálogos, o que deixava o clima ainda mais desconfortável. E falando em momentos desconfortáveis, não posso deixar de citar as malditas bonecas. POR QUE, SENHOR? POR QUE BONECAS?! Sim, durante boa parte do anime são mostradas diversas bonecas, até mesmo em flashes no meio de uma cena. A trilha sonora também fez um excelente papel, encaixando todos os pequenos detalhes, e dando ainda mais calafrios aos episódios.

Eu entendi Another como uma história de suspense, e não de terror, na verdade, em momento nenhum a noção de terror me foi passada. Sim, eu sentia uma constante sensação de desconforto, de que algo estava errado e uma certa tensão ao assistir cada episódio, mas acima disso tudo, aquela sensação de que a verdade precisava ser revelada, que bastava continuar seguindo adiante, o que não sinto quando vejo ou leio algo de terror, quando o tema é terror eu sinto medo, simples assim. Talvez por isso eu tenha gostado tanto da série, em vez de dar chiliquinhos falando que ficou ruim ou que foi abaixo das expectativas. A história manteve sua premissa do começo ao fim, com novas perguntas e respostas a cada episódio, sem perder o clima em momento algum.

Infelizmente nem tudo são flores, a história acontece muito rápido, dias, meses, semanas, tudo corre. Talvez isso seja um problema da baixa quantidade de episódios, são apenas 12, e a galera fez o que pode pra conseguir encaixar tudo. De qualquer forma, foi algo que me perturbou, pois no meio de todo o mistério as coisas simplesmente começavam a acontecer e serem respondidas, muitas vezes sem me dar uma chance de criar minhas próprias conclusões e teorias.

Outro ponto negativo são os personagens. São poucos os personagens carismáticos na história, não estou falando daqueles que você quer ser amigo, mas aqueles que você ache legal saber pelo menos o nome. Não sei se o trauma de estudar na sala 3 da 9ª série e tão grande assim que os deixou catatônicos  mas na maioria das vezes eles parecem menos expressivos que uma porta, e um número ainda menor de personagens faz algum contato, um relacionamento com o protagonista. E tipo, seus amigos e conhecidos morrem, e ninguém fica bolado? Como assim?! Até mesmo os protagonistas parecem que foram atingidos por essa falta de emoção em algum momento.

Ah sim, a abertura é um saco! Mesmo ela se encaixando lindamente ao anime, a minha vontade era jogar a caixa de som no chão, toda vez que ela começava. Mas talvez isso seja um problema pessoal meu, que não sou muito fã de j-music. Resumindo, Another não é um anime perfeito, mas cumpriu o seu papel como anime de suspense, deixando você desesperado para saber quem ou que vai acontecer no próximo segundo.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários