Roteirista da Marvel pergunta: qual o problema do Homem-Aranha ser negro?

Leandro de Barros

  segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Roteirista da Marvel pergunta: qual o problema do Homem-Aranha ser negro?

Dan Slott, atual roteirista do personagem, pergunta por que Peter Parker não pode ser negro nos cinemas.

Sempre que um super-herói ou super-heroína vai ganhar um filme, fãs ficam especulando atores ou atrizes para os possíveis papéis do projeto. Não há nada de errado nisso, é uma das diversões de ser um fã.

Porém, sempre que isso acontece, a velha discussão da mudança de etnia dos personagem vem à tona. Mais recentemente, essa discussão ficou bem forte quando Michael B. Jordan foi escalado como o novo Tocha-Humana. Agora, o que esquenta o assunto é a possibilidade do novo Peter Parker ser negro ou latino.

Quem entrou pra colaborar com a discussão foi Dan Slott, atual roteirista do Homem-Aranha nos quadrinhos – e que lida com o personagem há alguns anos.

No seu Twitter, Slott defendeu a possibilidade de qualquer um ser o herói e que etnia não deveria ser um fator restritivo na maioria dos casos. A fala dele gerou polêmica, claro, e ele aproveitou para fazer um “FAQ” com os argumentos mais utilizados nessa discussão.

Se você acha que “o Peter Parker deveria ser branco porque ele é assim nos quadrinhos e ponto final”, convido a ler o ponto de vista dele e refletir sobre:

Alguns dos comentários, rigidez, racionalizações e – em alguns casos – pura raiva de que o Homem Aranha PRECISA “ser branco” me assustam.

A Marvel sempre trabalha melhor quando é “o mundo fora da sua janela”. E isso é algo que requer recalibração.

Não é porque “só fazem isso porque sim”. É “e por que não?”. Por que um afro-americano, asiático ou QUALQUER UM não pode ser o Homem-Aranha?

“Por que ele não deveria ser branco?” – Não estou dizendo que ele “não deveria”. Estou dizendo que QUALQUER UM poderia. É diferente.

“Não é o Homem-Aranha que é branco. Peter Parker É e sempre foi” – Ele é um produto do seu tempo. Tempos mudam.

“Luke Cage nunca seria escalado branco, e com razão. A raiva seria palpável” – Argumento falso. A raça do Luke Cage é construída em quem ele é e porque ele faz o que faz. Não há nada inerentemente “branco” sobre Peter Parker.

“Por que não criar NOVOS heróis de cor ao invés de colocá-los no lugar de papéis familiares? Seguir em frente ao invés de repintar o passado” – Espera. Ícones pertencem A TODOS. Porque fazer “NOVOS heróis de cor” não funciona: não dá pra simplesmente criar um ÍCONE e manter as coisas separadas, mas iguais, não é o espírito da América.

“Peter Parker deve ser branco porque ele é assim” – Tudo é, até que deixa de ser.

“Só que está na origem dele. Ele é inerentemente branco nesse contexto, porque foi criado assim”. Não, ele “foi criado assim” porque é um produto do seu tempo. E – graças a Deus – os tempos mudaram em certas formas.

No final, se resume à isso: uma criança não-branca está brincando com um boneco do Homem-Aranha. Você iria até ela e diria: “Você não pode ser o Homem-Aranha”?

“Você está dizendo que o Homem-Aranha não deveria ser branco” – Não, estou dizendo que TODO MUNDO deveria ter uma chance de ser o Homem-Aranha independente da raça.

Numa era onde o Samuel L. Jackson é o Nick Fury perfeito, nós passamos do ponto onde os filmes TEM de parecer EXATAMENTE como os quadrinhos.

Escreva 10 palavras para descrever Peter Parker. “Branco” não deveria estar aí. Nem nas 100 primeiras. Ou nas mil primeiras. Se está, você não entende o personagem”

Slott (que você pode seguir no Twitter aqui!) ainda mandou um vídeo de uma entrevista de Stan Lee onde o lendário co-criador do Homem-Aranha explica como o fato do personagem usar uma máscara ajuda na sua mensagem de igualdade. Lee diz que qualquer criança pode se imaginar sendo o Homem-Aranha, independente da sua cor – veja a partir dos 1:16:

Qual sua opinião sobre o assunto?


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários