Review | Spider-Men #3 – zZzzZzZZZzz

Lá vou eu reclamar de mais alguma coisa.

Já sabe, tem spoilers abaixo.

Conscientemente, eu sei que vou reclamar de algo que até que não faz muito sentido reclamar. Vamos dar uma recapitulada no que já aconteceu na minissérie escrita por Brian Michael Bendis:

  • Capítulo #1 – Peter Parker vai parar em outro universo e vê Miles Morales pela primeira vez;
  • Capítulo #2 – Peter luta com Miles, encontra o Nick Fury dali e é atacado pelo Mystério;
  • Capítulo #3 – Peter e Miles enfrentam Mystério, Os Supremos aparecem e Peter vê a Gwen e a Tia May daquele Universo pela primeira vez

Bastante agitação para três capítulos, certo? Então por que eu tenho a sensação de que eu li dezenas de páginas e nada aconteceu ainda?

Bendis é um cara que sabe escrever o Homem-Aranha e sabe ser emotivo, sabe escrever boas cenas. Eu acredito que Spider-Men #4 será uma edição redentora para a série, mostrando o encontro entre Peter Parker e uma versão do grande amor da sua vida e a maior dor que o herói ainda carrega na sua vida.

Como eu disse acima, eu tenho a consciência que estou sendo chato com a série. Talvez porque eu esperasse mais, talvez porque eu não esteja no clima de Spider-Men. Sendo crítico, eu devo dizer que apesar do ritmo lento, o texto de Bendis vem sendo bom até o momento.

A maioria das pessoas pensa que escrever o Homem-Aranha é apenas colocar umas piadinhas nas falas dele, mas esquecem de outra característica importante do personagem: o “não-saber” o que fazer. O Homem-Aranha pode soar totalmente seguro quando enfrenta alguém e faz as suas graças, mas Peter Parker não é esse alguém.

A arte de Sarah Pichelli mantém o alto nível das edições anteriores, mesmo com a repetição de alguns quadros na cena em que o Aranha entra num mercado. Considerando que estamos vendo uma minissérie, era de se esperar um pouco mais de variedade, mas não vamos criar caso por causa disso.

A conclusão é que Spider-Men talvez pudesse ser melhor ou de que eu sou muito chato. Seja como for, estou ansioso pelo encontro de Peter com Gwen na próxima edição.

PS: O Mystério destruiu o seu avatar e parece ter desligado o portal entre os dois universos. É provável que o Tony Stark do Universo Ultimate consiga abrir o portal novamente, o que nos leva à pergunta: quanto tempo até uma guerra entre o Universo 616 e o Universo Ultimate?

Equipe Técnica

  • Roteirista: Brian Michael Bendis
  • Artista: Sarah Pichelli
  • Colorista: Justin Ponsor
  • Letrista: Cory Petit
  • Editora: Marvel

Onde comprar?

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...