Review | Avengers vs. X-Men #5: FUUUUU…

Hoje não tem introduçãozinha porque eu estou chocado com o que aconteceu.

Spoilers abaixo.

Wow, que capítulo foi esse.

Tudo começou na Zona Azul da Lua, onde nós paramos na última edição. A Fênix surgiu ali perto enquanto alguns Vingadores e alguns X-Men pelejavam entre si.

Depois de um monólogo sobre ser a bomba ou bombardeiro, Hope Summers lembrou muito uma ex-professora de Português que eu tive na sexta série (ou sétima, não me lembro). Ela normalmente parava as discussões e barulhos com um grito. Daí chamas energéticas saltavam dos olhos dela e a sala de aula começava a desmoronar. A única maneira de fazer parar era sacrificando um dos nossos para acalmar a criatura. True story.

Voltando, Hope começa a sentir que não vai aguentar o poder da Fênix. É muito poder, é muita energia e ela é apenas uma jovem garotinha. Eu estou me esforçando para não partir para as metáforas sexuais por dois motivos 1) tem crianças lendo isso e 2) eu gostei da HQ e não queria estragar a review dela assim.

Hope, sentindo que não vai ser capaz de aguentar a força da Fênix, pede para que Wolverine faça o que prometeu: acabe com o sofrimento e com a disputa de uma vez. O canadense até tenta, mas é parado por Ciclope. Nesse momento, o Capitão América diz que está na hora do Ciclope ser um líder e entregar a garota. Ou seja, o Capitão faz exatamente a mesma coisa que tem feito desde a primeira HQ. Não podemos negar que o Capitão é insistente. Também não podemos negar que o Capitão nunca ouviu aquela frase “Loucura é fazer a mesma coisa várias vezes e esperar resultados diferentes”. Ou coisa assim.

A resposta de Ciclope é encarnar o Magneto dos anos 70 e 80. Ele está igualzinho ao vilão daquela época. Sabe o que seria demais? Se a Marvel realmente levasse à sério as mudanças colocadas nessa saga e deixasse o Ciclope assumir o posto de vilão dos X-Men, no lugar do Magneto.

Depois de muito blablabla, a Fênix não está com paciência e decide que é a hora de agir. Nesse momento, o genial Tony Stark já preparou o seu contra-ataque. Lembram que na edição passada ele diz pro Capitão América que tinha uma teoria que talvez pudesse dar certo e parar a Fênix? Bom, o plano dele envolvia um robô gigante, tipo um Megazord, com um disruptor (sejá lá o que isso for) que mais parece um canhão gigante. Esse disruptor lança um raio de energia (parecidíssimo com o Kame-Hame-Ha – Tony Stark anda vendo muito anime) e destrói a Fênix.

Mais ou menos.

Aparentemente, o ataque do Homem de Ferro dividiu a Fênix em 5 partes e cada uma dessas  partes escolheu um dos mutantes disponíveis na Lua. Ou seja, o Namor, o Colossus, o Ciclope, a Emma Frost e a Magia são agora hospedeiros da Fênix. Eles acabaram ganhando novos uniformes (o do Ciclope é insanamente parecido com o novo do Asa Noturna, como lembrou o MdM, e o da Emma Frost fez feministas pelo mundo terem um ataque do coração) e também passaram por algum tipo de mudança de personalidade. Não são eles, entendem? É quase como se fossem uma entidade só em 5 corpos diferentes.

Obviamente, antes de terminar, eles dão uma coça nos Vingadores sem mover um dedo. Muito mangá nessa HQ.

Bom, comentários gerais. Essa foi uma mudança inesperada na brincadeira. Se você parar pra ver nas últimas edições, os X-Men apanhavam na porrada, mas conseguiam passar a perna nos Vingadores de alguma forma. Eu não esperava que eles vencessem as coisas dessa maneira. A gente já sabia que o bicho ia pegar pro lado dos Vingadores, mas eu estava achando que a Hope assumiria o poder da Fênix e faria o trabalho.

5 Fênix’s agora é um caso complicado. Temos de ver como a Marvel vai levar isso adiante. E gostaria de deixar um item registrado: são 5 capítulos das duas equipes mais fortes da Marvel se enfrentando e, até agora, ninguém morreu.

Entendam como quiserem.

Edições Anteriores

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...