Review | Avengers vs. X-Men #10: Fênix, Dragão… cadê o Pégaso?

Este texto contém spoilers.

Aparentemente, a influência dos mangás nas HQs norte-americanas não tem se limitado apenas à limpeza dos traços dos desenhos. Como Avengers vs. X-Men vem para provar, essa influência vai muito mais além disso. Depois de nos mostrar a Fênix, AvX #10 nos mostra o Dragão. Nas próximas edições, é provável que nós sejamos apresentados ao Pégaso ou ao Cisne. Isso sem falar que a Fênix foi dividida entre 5 pessoas: o esquentadinho, o que não queria lutar, aquele que vem da Rússia e tem cabelo loiro, o com problemas oculares e aquele que possui um lado mais maligno.

Piadinhas feitas (na verdade eu ainda tenho um estoque bem grande, vamos ver se gasto durante a review), vamos falar de AvX #10 com seriedade (mas sempre com espaço para as piadinhas). Na última edição, Ciclope tinha finalmente chegado até K’un-L’un, enquanto o Homem-Aranha dava um jeito de fazer o Colossus e a Magia se derrotarem. AvX #10 começa exatamente nesse ponto.

O líder dos mutantes derrota o Punho de Ferro, que tentava ganhar tempo para Hope, derrota o Homem de Ferro, derrota o Thor, o Gavião Arqueiro e o Coisa numa só tacada, derrota todo mundo até que Hope surge com Lei Kung montada num dragão místico e coisa e tal. Em termos simples, vamos dizer que os X-Men colocaram o Ciclope no campo de batalha e os Vingadores foram jogando Pokémons na mesa para ver se tinham alguma esperança. No último slot disponível, o treinador dos Vingadores colocou o Dragonite em campo.Com os novos 2500 Pokémons, o Dragonite ainda é o mais forte?

Bem, papo vai e papo vem, Scott derrota o dragão, mas Hope usa o Cólera do Dragão para mandar Scott para a Lua (literalmente), onde ele encontra o Vigia. Nunca é um bom presságio encontrar o Vigia.

Agora, Scott vai atrás de Emma Frost para juntos derrotarem os Vingadores de uma vez por todas (promessa feita há umas 5 edições atrás e ainda não cumprida). O problema é que a própria Emma anda meio desvairada da idéia e está tocando o terror em Utopia, exigindo adoração por parte dos mutantes e ameaçando o Magneto.

O problema de Avengers vs. X-Men é a falta de foco. A Nona Arte, assim como muitas outras artes, pode se dividir basicamente em duas vertentes: a vertente do entretenimento e a vertente do pensamento artístico. Por mais que muita gente não concorde eu sou da opinião que as duas vertentes tem igual valor. As revistas em quadrinhos de super-heróis são, no geral, produtos voltado para o entretenimento. Nada de errado nisso.

Só que, quando você decide seguir pela vertente do entretenimento, você precisa decidir entre o “Porque” ou o “O que”. O “Porque” é o caminho onde as histórias possuem, literalmente, um porquê. O autor decide falar sobre, sei lá, o medo e usa um super-herói como o Lanterna Verde para lutar contra o medo e passar a mensagem pretendida pelo autor. Já o “O que” tem essa ausência de “mensagem”, porque se foca mais na importância do acontecimento do que no significado do acontecimento. Por exemplo, uma história voltada apenas para tentar decidir quem venceria uma luta: o Batman ou o Capitão América.

Avengers vs. X-Men é uma história do segundo tipo. Digo isso porque já se passaram 10 edições e até agora não houve um tema sendo trabalhado. Porém, AvX falha ao apresentar uma história coesa, que justifique os acontecimentos mostrados e que tenha peso no Universo Marvel. Ao utilizar recursos velhos (um vilão que vai andando e derrotando todo mundo para mostrar o quão forte ele é, só que não consegue seu objetivo) e ao apresentar um roteiro mais furado do que queijo suíço, AvX decepciona um pouco, principalmente se lembrarmos que a história foi bolada pela “nata” dos roteiristas da Marvel no momento e os principais cabeças da linha Marvel NOW.

Na parte dos desenhos, porém, AvX vem bem. Adam Kubert é o responsável por desenhar a décima edição da saga e seu trabalho faz juz ao nome Kubert.

Num resumo, AvX #10 é bobinha, continua com a reviravolta a favor dos Vingadores, nomeadamente coloca a Phoenix 5 como os vilões da história e deve divertir quem não se preocupar muito com o que está lendo. Vamos ver se as duas últimas edições salvam a saga e vamos ver qual será o destino do Namor, Colossus, Magia, Ciclope e Emma Frost quando a saga terminar com a inevitável vitória dos Vingadores. Todos os 5 cometeram crimes como genocídio, tortura, assassinato e abuso de poder. “Foi a Fênix” não é desculpa.

Edições Anteriores

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...