Livro de Cory Doctorow é retirado de escola nos EUA por “questionar autoridades”

Leandro de Barros

  sexta-feira, 13 de junho de 2014

Livro de Cory Doctorow é retirado de escola nos EUA por “questionar autoridades”

Visão política do livro leva diretor a remover a obra de um programa de leitura da escola

Pequeno Irmão é um livro de Cory Doctorow que conta uma história bem interessante. Após um atentado terrorista na cidade de São Francisco, nos EUA, a população passa a viver em um estado de medo. O Departamento de Segurança dos EUA passa a “controlar” a cidade, utilizando de tecnologia para privar os seus cidadãos de alguns direitos (como o da privacidade ou o de ir e vir) em nome da “segurança nacional”.

pequeno irmao2No meio desse caos está o jovem Marcus, de 17 anos, um jovem aprendiz de hacker que passa a se rebelar contra um sistema que desconfia, investiga e ataca sua própria população.

No geral, é um livro bem interessante e com uma óbvia pegada rebelde, que fala sobre como algumas vezes o Estado cruza algumas linhas que não deveria cruzar. É o tipo de ideias que vale a pena discutir para a evolução da sociedade – exceto com as crianças de uma escola na Florida.

O colégio Booker T Washington, um colegial de Pensacola, está participando de um projeto de incentivo à leitura nos EUA chamado One School, One Book, que funciona da seguinte forma: existe uma lista de livros pré-aprovada pelos organizadores e as escolas que escolherem participar pegam um desses livros e os alunos dessa escola levam pra casa uma cópia da obra. Todo mundo lê (inclusive a família dos alunos) e então várias atividades para discussão do livro são organizadas. Pequeno Irmão é um dos livros aprovados para o projeto e foi o escolhido pela organização do One School, One Book da escola Booker T Washington, mas o diretor da instituição cancelou a participação do colégio do programa por causa do conteúdo da obra.

De acordo com a Coalizão Nacional Contra a Censura, o diretor da escola teria retirado o livro (e a consequente participação da instituição no programa) “por preocupação de que alguns pais possam ter objeções em relação a cenas envolvendo sexo e violência, além da ideia de questionamento de autoridades”. A Coalizão escreveu para o diretor da escola, o Dr. Michael Roberts, dizendo que “apresentar temas controversos e complexos através da literatura é parte da missão educacional de escolas. Os funcionários de uma escola estão vinculados a considerações constitucionais, incluindo o dever de não ceder à pressões para suprimir ideias controversas ou impopulares. Remover um livro porque ele contém ideias que alguns membros daquela comunidade possam ter objeções ou desaprová-las, viola os princípios constituicionais mais básicos”.

Cory Doctor, autor do livro, também comentou a situação no seu blog:

Em uma conversa por email com a [Mary Kate] Griffin [professora de Inglês da escola], o diretor citou resenhas que enfatizavam a visão positiva do livro sobre questionamento de autoridades, louvação da “cultura hacker” e discussão sobre sexo e sexualidade de leve. Ele mencionou que um pai havia reclamado sobre profanidades no livro (não há nenhuma passagem com profanidades, embora haja referência à um palavrão). Resumindo, ele deixou claro que o livro estava sendo questionado por causa do seu conteúdo e abordagem política.

[…]

Eu não acho que isso seja um problema porque meu livro é o melhor livro já escrito e os jovens vão perder muito ao não lê-lo, mas porque eu acho que o papel de um educador é encorajar o pensamento crítico e o debate, e essa atitude é uma maneira totalmente inapropriada de lidar com material “controverso” em escolas. Pequeno Irmão é recomendado pela Associação de Bibliotecas de Florida para seu uso em escolas e foi escolhido como o livro do programa One School, One Book em outros colégios – é inclusive a escolha do One City, One Book para todas as escolas de São Francisco. Eu já visitei dezenas – se não centenas – de grupos colegiais pelo mundo para falar sobre o livro

Como uma medida para ajudar a lutar contra a censura, a editora Tor (que publica os livros de Cory Doctorow) vai enviar 200 cópias do livro para a escola Booker T Washington, para que seus professores, diretores e os pais dos alunos possam ler o livro.

Você pode assistir ao vídeo em que falamos sobre Cinema Pirata, outro livro de Cory Doctorow, abaixo:

 


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários