Frank Cho é “censurado” novamente na Marvel

Leandro de Barros

  segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Frank Cho é “censurado” novamente na Marvel

Capa de Savage Wolverine #1 tem versão finalizada censurada, registrando o terceiro caso de censura que Frank Cho sofre na Marvel

A Marvel divulgou hoje a capa de Savage Wolverine #1, primeira edição da nova revista do Carcaju da Casa das Ideias, que terá roteiros e artes de Frank Cho.

Veja abaixo:

Tudo certo até aqui? Bem, mais ou menos. A arte é bem bonita e tudo mais, porém mostra uma certa “censura” da Marvel no trabalho de Frank Cho. DE NOVO.

Dê uma olhada no rascunho da capa, disponibilizado pelo BleedingCool:

Dê uma examinada mais cuidadosa que você notará a censura malandramente aplicada pela Marvel.

Vale lembrar que essa não é a primeira vez que a editora dá um jeitinho de dar uma censurada em Frank Cho. Aliás, não é nem a segunda.

Em 2005, a Casa das Ideias lançou Shanna, the She-Devil, uma minissérie da personagem que aparece na capa com o Wolverine dentro da linha Marvel MAX, para adultos. Na época, a editora anunciou que a minissérie não teria censuras e seria desenhada por Frank Cho. No fim das contas, Shanna, the She-Devil teve alguns desenhos refeitos para adicionar censura à algumas cenas de nudez.

Pouco tempo depois, em 2008, Cho desenhou uma capa para Ultimates #3 onde o Wolverine e a Feiticeira Escarlate se beijavam. A Marvel publicou a tal capa, mas não sem antes adicionar a capa da heroína via Photoshop, para evitar que ela fosse vista sem roupa.

A única explicação que podemos assumir por essa nova censura da Marvel é o fato da arte ser uma capa e, talvez, a versão original pudesse causar alguma confusão quando vista por algum familiar desocupado de algum adolescente.

Quer dizer, se era pra censurar alguma coisa, que censurassem esse Wolverine estranho pra caramba.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários