Editor de Shingeki no Kyojin prevê fim do mangá em 4 anos – mas legado da série viverá por décadas

Leandro de Barros

  segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Editor de Shingeki no Kyojin prevê fim do mangá em 4 anos – mas legado da série viverá por décadas

Editor diz que obra vai viver por gerações após seu fim

Apesar de um dos títulos mais comentados e vendidos atualmente no Japão, muito já se fala sobre o fim do mangá Shingeki no Kyojin (comercializado no Ocidente como Attack on Titan e no Brasil como Ataque dos Titãs).

O próprio Hajime Isayama, autor da obra, já comentou publicamente saber como a sua criação será concluída e até deu uma estimativa para o fim da publicação: por volta do seu 20º volume, aguardado para 2016.

Agora, o editor Shintarō Kawakubo, responsável por trabalhar com Shingeki no Kyojin no Japão, deu uma entrevista ao jornal da Universidade de Tóquio para discutir a popularidade da série, prevendo que o mangá vai se encerrar um pouquinho depois do previsto anteriormente.

A serialização [de Ataque dos Titãs] está prevista para acabar em três ou quatro anos, mas Ataque dos Titãs é um trabalho que será passado de geração para geração por uma década – não, por cinco décadas

Como dá para ver, Kawakubo prevê que a história craida por Isayama terá um legado muito forte no Japão, estando presente no quotidiano de muitas gerações por vir. Se depender da editora Kodansha, a obra ainda deverá continuar vivendo por algum tempo – além de Shingeki no Kyojin, a editora ainda publica três spin-offs da série: Attack on Titan: Junior High, Attack on Titan: Before the Fall e Attack on Titan: No Regrets. Além dessas derivações nos quadrinhos, a segunda temporada do anime de Shingeki no Kyojin já está sendo produzida, bem como uma adaptação cinematográfica em duas partes. Ou seja, a obra de Hajime Isayama realmente ainda tem muito para viver.

No Brasil, o mangá é publicado bimensalmente pela Panini.

via ANN


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários