Brasileiros foram os mais preconceituosos em relação ao Lanterna Verde gay

  Leandro de Barros  |    segunda-feira, 23 de julho de 2012

James Robinson diz que os brasileiros foram os que mais criticaram a nova sexualidade de Alan Scott nos quadrinhos

Segundo James Robinson, escritor de Earth 2, as críticas mais preconceituosas e os piores ataques ao fato de Alan Scott ser gay na nova versão do Universo DC vieram dos brasileiros. Pois é. De nós!

As críticas mais hostis que eu recebi vieram de tweets do Brasil. Eu tinha saído e na manhã seguinte, eu reclamei que meu fígado estava me matando. Aí alguém me disse ‘seu fígado está te punindo pelo que você fez ao Lanterna Verde’. Por isso, só de vingança, quando Alan Scott puder amar alguém novamente, o homem da sua vida será brasileiro“, disse Robinson ao CBR.

Isso aí, bem na sua cara, preconceituosos! Agora o novo namorado do Lanterna Verde será gay só para vocês ficarem com raivinha e terem vergonha e… epa, peraí.

Eu entendi muito bem que era uma brincadeira do autor, mas citarei a minha gloriosa companheira de site, dona Rampinii, para expressar a minha opinião sobre a declaração de James Robinson: “Fazer um personagem gay ser brasileiro é vingança? eu entendi errado ou usar o status de gay é algo ruim ao ponto de ser uma vingança?“.

Exato! O cara repudia o preconceito com outro preconceito! Eu sei que é uma brincadeira, mas enfim. Por mim tranquilo, seria ótimo que o novo namorado do Alan Scott fosse brasileiro, argentino, americano. Tanto faz. Só acho que se a DC quer ter uma revista que faça algo pelos gays, não é um boa idéia anunciar pro mundo todo que o cara vai ser gay e matar o namorado dele na segunda edição. Eu não estou lendo Earth 2, então não sei como está sendo trabalhado essa questão da homossexualidade do Alan Scott.

Mas enfim, comportamento vergonhoso dos fãs de quadrinhos brasileiros.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários