A DC planeja mais histórias de Watchmen além de Before Watchmen?

  Leandro de Barros  |    segunda-feira, 19 de março de 2012

Len Wein e J. Michael Straczynski dizem em entrevista que a DC pode lançar mais histórias no universo de Watchmen após os prequels da série

Desde que foi anunciada, a série Before Watchmen dividiu os fãs de quadrinhos em dois grupos: os favoráveis a idéia e os contrários à série. Seja qual for a reclamação dos fãs, seja qual for a declaração de Alan Moore, agora não tem mais jeito e a DC vai mesmo levar o projeto até o fim.

Mas e se Before Watchmen for só o começo? E se mais histórias vierem por aí depois do fim da série? A perspectiva não é invenção deste que vos escreve,  mas sim o que Len Wein e J. Michael Straczynski deram a entender em entrevista ao MTV Geek nesse fim de semana.

Quando perguntados se havia a chance de existir mais histórias com os personagens criados por Alan Moore, os autores responderam de forma positiva. “Com certeza, como com qualquer grande personagem, sempre há mais para contar“, disse Wein. Straczynski completou: “Eu acho que o que esse projeto mostrou, mais do que qualquer coisa, é que existe muita coisa sobre esses personagens que não foi contado ainda, muitas áreas que ainda podem ser exploradas. Eu acho que essas revistas mostrarão isso claramente. O que acontece além disso, não é da minha alçada. Se eu for convidado para dançar, eu adoraria ir. Mas nesse momento, eu tenho de me concentrar na tarefa que está na minha frente e fazê-la tão bem quanto eu possa. O resto vai se resolver sozinho. Sempre se resolve“.

Se você é do #TeamMoore, essa é a hora de começar a arrancar os cabelos.

Sobre Before Watchmen em si, os autores falaram pouco. Wein comentou que já está trabalhando na quinta edição da revista do Ozymandias e na metade das histórias da revista backup  Curse of the Crimson Corsair . Já Straczynski, já terminou 3 das 4 edições da revista do Dr. Manhattan e trabalha nesse momento na terceira edição da revista do Coruja. Aparentemente, o trabalho está bem adiantado pelo lado da DC.

Os autores falaram sobre a abordagem que pretendem ter em cada uma das revistas:

Straczynski sobre Dr. Manhattan: “A verdade é que poder não resolve nada. No caso do Dr. Manhattan, na verdade parece que trabalha contra ele até. Ainda há um vestígio de humanidade nele, apesar da sua transformação, e o que me interessa é o contraste nessas duas versões: Jon, a pessoa, e Dr. Manhattan, o semi-deus. A história e a caracterização são definidos principalmente pelas escolhas que fazemos. Eu gosto de brincar com a idéia de que poderes enormes podem afetar as pessoas pelo bem ou pelo mal“.

Straczynski sobre o Coruja: “Nós definitivamente vamos ver o outro lado da moeda [o autor comenta isso no sentido que veremos um lado da moeda como o Dr. Manhattan, todo-poderoso, e o Coruja, um simples humano], mas mais do que isso, eu quero me aprofundar no porque ele decidiu assumir o manto do Coruja do Hollis Mason. Ele começou ainda como uma criança e usou herança para levar a tecnologia do Coruja para o próximo nível. O que leva um garoto a fazer isso? Do que ele estava fugindo? Ou o que ele estava perseguindo? Eu quis mostrar essa amizade entre Dan e Hollis: um subindo e o outro descendo. E também quis passar brevemente pela parceria dele com Rorschach: como começou, porque eles trabalharam juntos, o que eles fizeram e montar o palco para o eventual rompimento entre os dois. A história do Coruja é muito humana e, apesar de haver grande humanidade na história do Dr. Manhattan também, no caso deste último as coisas ficam muito aprofundadas em assuntos cósmicos e de mecânica quântica. A só a matemática fez minha cabeça doer“;

Wein sobre Ozymandias: “Eu gosto de pensar que sou mais esperto que a maioria [o entrevistador tinha perguntado como era trabalhar com o homem mais esperto do mundo quando não se era o homem mais esperto do mundo] mas, sério, até o homem mais esperto do mundo tem as suas limitações, como a gente descobre ao longo da série. É melhor não falar mais do que isso agora“;

Wein sobre Curse of the Crimson Corsair: “É basicamente um bom e fanfarrão conto de piratas, com a alucinante arte do brilhante John Higgins, apesar de ter alguns toques de elementos das novas histórias aqui e ali“.

Por fim, os autores citaram que existe um site da DC onde eles postam informações enquanto trabalham, para que todos os outros autores possam se manter atualizados sobre o andamento da série.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários