Tudo é História – Como a cultura pop gira em torno do nosso passado

Luiz Alexandre Andrade
@luizalexandre82

  segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Coluna /// História em Cartaz História em Cartaz

Tudo é História – Como a cultura pop gira em torno do nosso passado

O que somos e o que podemos ser, também está naquilo que fomos. A História nos lembra o potencial que temos quando seres a habitar esse planeta, a nos mostrar o quanto podemos ir mais adiante com os acertos e com os erros do passado.

Talvez você esteja se perguntando por que um site de cultura pop/nerd como o Supernovo esteja agora falando sobre História – “Ah, História é muito chato”, “Não tem graça nenhuma saber sobre o que já aconteceu”, “Quem vive de passado é museu”. Pois bem caros amigos, peço então um pouco da sua atenção para mostrar que talvez você (sim, você mesmo!) goste de História muito mais do que pensava.

Não vou aqui destrinchar todos os termos de uma enciclopédia britânica para falar o quanto História é tão pop/nerd quando você imagina, mas saiba desde já que sem o conhecimento da nossa própria História, somos como pegadas na areia que a onda do mar desmanchou, ou seja, nada. O que somos e o que podemos ser, também está naquilo que fomos. A História nos lembra o potencial que temos quando seres a habitar esse planeta, a nos mostrar o quanto podemos ir mais adiante com os acertos e com os erros do passado.

O que vou dizer aqui não é algo inédito ou que seja bem recente – na verdade a História é fonte de inspiração para muitas manifestações culturais e que hoje está intrinsecamente ligada a muitas formas de mídia consumidas no mundo inteiro, seja no cinema, na TV, na literatura, na música ou nos jogos de vídeo game. Não acredita?

Galere, hoje a gente janta no inferno, prepara o estômago!

Galere, hoje a gente janta no inferno, prepara o estômago! – Ele disse exatamente assim na história real.

Alguns grandes clássicos do cinema cultuados por milhares de fãs no mundo inteiro são obras que se basearam em fatos históricos. Quem não sentiu a adrenalina dos lutadores na grande arena do Coliseu em “Gladiador” ou quem não se emocionou com o romance que levou milhares de pessoas para cinema com o filme “Titanic”? Baseado em fatos reais ou ambientado num determinado período histórico, filmes como “A Lista de Schindler”, “Apocalypse Now”, “300”, “Gandhi” ou “Olga” tem um papel importante na divulgação do conhecimento histórico ao levar ao grande público fatos que até então eram conhecidos por uma parcela pequena da população. Mesmo que tais obras estejam comprometidas com suas liberdades poéticas, a História ali presente é o ponto de partida para se procurar aprender mais sobre o tema abordado em cada filme.

Hoje não é mais raro ver nas livrarias ou até em bancas de revistas cada vez mais e mais publicações destinada a História. Na lista dos livros de não ficção mais vendidas no Brasil, geralmente encontramos livros de História, isso demonstra o quanto pública gosta e consome obras do gênero. Não esqueça do sucesso literário do jornalista Laurentino Gomes com sua trilogia “1808”, “1822” e “1889”.  A História também fornece a ambientação para livros como “O Senhor dos Anéis” ou “As Crônicas de Gelo e Fogo”, pois sim, apesar de serem fantasia, são histórias que resgatam valores, costumes e o imaginário medievais (você sabia que Crônicas de Gelo e Fogo” é baseado num fato real? Ah, não sabia? Espere pelos próximos capítulos).

Atualmente a indústria dos games arrecada bilhões no mundo inteiro. Dentre vários jogos de sucesso, também temos vários inspirados em História. “God of War” que recriava a sensação de estar entre o panteão dos deuses gregos – e os desafiando – tornou-se uma série de grande sucesso. Hoje temos “Assassin’s Creed” que já anunciou seu próximo jogo ambientando durante a Revolução Francesa. Sem falar que nos jogos anteriores da série já tínhamos a experiência de estar no período das Cruzadas, do Renascimento, da Revolução Americana e na Era de Ouro da Pirataria.

The-Americans-PosterNa TV, séries como “The Tudors”, “The Borgias”, “Reign”, “Vikings”, “The Americans” e tantas outras baseadas em fatos históricos ou ambientadas numa determinada época acabam criando no seu público interesse em descobrir mais sobre aquele período retratado. Da mesma forma acontece quando vemos um filme, lemos um livro ou jogamos algum vídeo game baseado em eventos históricos. Por que queremos saber se o que foi retratado aconteceu daquela forma ou se o ator ou a atriz se parece com o personagem que interpreta? Porque somo curiosos e a curiosidade é o primeiro passo para querer aprender mais.

Imagine quantas pessoas se interessaram por História depois de terem visto um filme como Gladiador. Quantas pessoas não foram atrás de ler sobre a mitologia grega depois de jogar “God of War” ou ler “Percy Jackson”. Quantas pessoas se formaram em História por terem tido acesso a esse material na TV, no cinema ou em livros (eu, aqui).

A história está em toda parte, amigos. Tudo produzido pelo homem que nos ajuda a compreende-lo é História. Tudo é História! Se tudo é História, o que é pop e o que é nerd também faz parte do conhecimento histórico humano. Além do mais, o nerd não é aquele cara que sempre quer saber mais sobre aquilo que curte? Espero que agora você olhe com mais carinho pelo conhecimento do passado. Afinal de contas, muito do que você acaba consumindo e gostando, é baseado em determinados fatos históricos.

Então fica aqui o meu convite: se você gosta de História, nos acompanhe.Você que não gosta tanto ou é indiferente, seja nosso convidado especial nas viagens pelo tempo que pretendo oferecer a você. Vamos falar sobre História tendo como referencia a forma como o passado hoje vem sendo representado nos filmes, na TV, nos livros, nos jogos de video game, em todo lugar. Como diria um certo personagem de televisão que nasceu para ensinar História para crianças: “Allons-y!”.

Sobre » História em Cartaz

Fatos, curiosidade e referências históricas de filmes, séries de TV, games e livros você encontra aqui no História em Cartaz, a coluna que vai te mostrar que Historia não é um assunto chato.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários