Os reis mais loucos da História

Luiz Alexandre Andrade
@luizalexandre82

  sexta-feira, 24 de julho de 2015

Coluna /// História em Cartaz História em Cartaz

Os reis mais loucos da História

E por loucos queremos dizer insânos

Às vezes você acha que seu trabalho te deixa louco não é mesmo? Imagine então ter toda a responsabilidade de um monarca, um presidente ou um primeiro-ministro. Claro que estávamos falando daquela “loucura” causada pela pressão do cargo, mas e se a pessoa for louca mesmo? Tipo, completamente sem parafuso algum. Bem, a História coleciona tipos bem curiosos, monarcas que antes de sentar no trono, deveriam estar numa camisa de força.

Gian de Medici

Gian foi Grão-Duque da Toscana e reinou entre os anos de 1723 a 1737. Apesar de ter tomado medidas liberais durante sei reinado (como o incentivo do ensino de doutrinas filosóficas e cientificas avançadas), Gian não tinha habilidade para reinar. Foi obrigado a casar com Ana Maria Francisca (segundo alguns, era mais feia do que briga de foice) com quem não teve filhos. Por Ana, era acusado de impotência, no entanto não era com ela que Gian se sentia estimulado. Quando o casamento chegou ao fim, o Grão-Duque da Toscana passou a levar para sua cama garotinhos. Gian chegou a ter um “estábulo sexual” com quase 400 pessoas, em sua maioria garotos. Sua saúde mental deteriorou tanto que ao final era na cama onde fazia tudo, de vomitar a defecar.

Ana da Rússia

Ana Ivanovna Romanova foi imperatriz da Rússia entre os anos de 1730 a 1740. Ana foi nomeada pelo Conselho Supremo Privado da Rússia para ser a imperatriz, pois desejavam que a nova monarca atuasse a favor dos interesses do Conselho. No entanto Ana se tornou incontrolável. Restaurou a polícia secreta e com a Guarda Real ao seu lado levou o terror aos aristocratas que a colocaram no poder. Durante seus momentos de insanidade, Ana fez com que um dos príncipes se casasse com sua empregada doméstica porque descobriu que a ex-esposa morta deste príncipe era católica. O palácio foi organizado para a ocasião. E os “pombinhos” após se casarem foram obrigados a passar a noite núpcias num castelo de gelo durante um dos invernos mais rigorosos da Rússia. (Ana da Rússia devia ser tipo a Elsa do mal)

Vlad III

Príncipe da Valáquia, Vlad III ficou conhecido com a singela alcunha de “Vlad, o Empalador”. Tendo governado a Valáquia diversas vezes, seu feito histórico mais significativo foi a independência da região em relação ao Império Otomano. No poder, Vlad conseguiu se vingar dos nobres que haviam cegado seu irmão mais velho com ferro quente. O príncipe mandou empalar boa parte da nobreza, incluindo as crianças. Vlad usava do terror para intimidar seus inimigos. Quando os otomanos resolveram invadir o reino de Vlad em 1462, os invasores encontraram uma visão bastante receptiva: 20 mil soldados empalados pelo caminho. O conquistador otomano Mehmet II não aguentou e resolveu voltar pra casa.

As atrocidades de Vlad fizeram tanto sucesso fora da Romênia que inspirou Bram Stoker a criar o conde Drácula (“Draculea” era o sobrenome de Vlad).

Luís II da Baviera

220px-De_20_jarige_Ludwig_II_in_kroningsmantel_door_Ferdinand_von_Piloty_1865Luís II reinou na Baviera entre 1864 e 1886, mas era aquele tipo de líder que ignorava os assuntos estatais, afinal de contas o rei vivia em seu próprio “mundo de fantasias”. Tímido demais, raramente fazia aparições publicas, Luís II usava toda a riqueza que tinha para a construção de grandes projetos arquitetônicos. Quando ordenou a construção do castelo de Nueschwanstein (o “Castelo da Cinderela”), Luís quase quebrou o reino. Seus atos excêntricos o fizeram ser acusado de louco por seus opositores que em 1886 conseguiram forjar um documento médico que alegava a insanidade do rei e que ele não tinha condições de governar. Luís II foi encontrado morto num lago no seguinte que foi deposto

Ivan, o Terrível

Tem pessoas que desde criança já demonstram aptidões daquilo que vão ser quando adultos. Ivan, o primeiro czar russo, já demonstrava desde criança que era “um capeta um forma de guri” quando atirava cães e gatos das muralhas do Kremlin. Quando sua mulher morreu, Ivan tinha certeza que ela tinha sido envenenada e passou a matar a nobreza que sofria em suas mãos. Ivan adorava fazer os nobres se ajoelharem perante ele além de executá-los das maneiras mais sádicas que podemos imaginar. Para termos noção de quão “terrível” Ivan podia ser, um dia por não gostar das roupas que a nora usava, a espancou. Em outro dia, seu único filho foi discutir com o pai. Ivan furioso bateu com o cetro de ferro na cabeça do filho que acabou morrendo.

Henrique IV da Inglaterra

O famoso Rei Louco de Game of Thrones

O famoso Rei Louco de Game of Thrones

Enquanto a França dominava territórios ingleses e Inglaterra era devastada pela “Guerra das Rosas”, Henrique IV (capa), que era da casa de Lancaster, lutava contra suas doenças mentais. Era um líder frágil e no seu primeiro surto em 1453 ficou mais de um ano sem falar. Teve um melhora, mas os problemas voltaram em 1456. Deposto em 1461, Henrique IV ficou exilado na Escócia. Porém retornou ao trono em 1470 apenas para ser assassinado.

Henrique IV é provavelmente a inspiração do “Rei Louco” Targaryen dos livros de George R. R. Martin.

FONTES: Os dez reis mais malucos da História de Fabiano Onça em “A História da Humanidade segundo a Mundo Estranho”; 10 Governantes completamente insanos; Os mais insanos “reis loucos” da humanidade e seus atos de abuso.

Sobre » História em Cartaz

Fatos, curiosidade e referências históricas de filmes, séries de TV, games e livros você encontra aqui no História em Cartaz, a coluna que vai te mostrar que Historia não é um assunto chato.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários