A Bastilha em Assassin’s Creed Unity

No dia 14 de julho de 1789, a Bastilha – uma fortaleza medieval que naquela época era usada como uma prisão – foi tomada por uma maré de revoltosos descontentes com a situação de calamidade que a França atravessava. A prisão foi destruída e sua queda é tida como um dos principais marcos da Revolução Francesa. Mesmo em que em 1789, a prisão tivesse apenas alguns poucos prisioneiros, a derrubada da Bastilha representava a queda de um símbolo da opressão monárquica. A experiência foi simulada no jogo Assassin’s Creed Unity, onde de dentro da prisão vemos a história sendo escrita.

É inegável a experiência tida com games de ficção histórica. Você pode perguntar a qualquer um jogador de qualquer jogo baseado na Segunda Guerra Mundial se ele não experimentou a tensão, a adrenalina e o medo de estar num campo de batalha onde se mata ou se morre. Evidentemente que uma comparação entre o real e a simulação possa parecer insensível, no entanto tais jogos permitem uma experiência única aos seus jogadores ao terem acesso não apenas a experiência simulada, mas também com a própria história.

11709597_1018150724897004_5206658955992498272_nDito isso, vejo os games como uma ferramenta didática poderosa. Pesquise na internet e veja a quantidade de artigos feitos sobre a experiência de jogos nas salas de aula. Sim, gente. Estudar pode ser divertido.

Em Assassin’s Creed Unity, a série de games de grande sucesso nos leva à França de 1789, uma data que não foi escolhida ao acaso, pois desta vez os jogadores poderiam simular estar em um dos eventos mais marcantes da história da humanidade: a Revolução Francesa. No jogo lançado em novembro do ano passado, acompanhamos Arno Dorian, um personagem criado entre os nobres, mas com passado ligado a sociedade secreta dos Assassinos. O que nos importa neste momento é que Arno Dorian é preso e levado para a Bastilha, lugar que se torna sua morada por algum tempo até o dia 14 de julho de 1789.

O jogo então simula a tomada da Bastilha. O jogador no controle de Dorian só percebe que algo está acontecendo quando a prisão começa a tremer por tiros de canhão. Sob a perspectiva do personagem, o jogador não faz a menor ideia do que está acontecendo e do porquê toda aquela confusão do lado de fora.

Historicamente falando, após o fracasso das negociações durante os Estados Gerais, o Terceiro Estado (camponeses, artesãos, burgueses, profissionais liberais etc) cria a sua própria assembleia, a Assembleia Nacional Constituinte. O rei Luis XVI a princípio permitiu o funcionamento da Assembleia, porém posteriormente ordenou o fechamento da sala de reunião. O Terceiro Estado se reuniu em outro salão onde criaram uma constituição para a França acabando com o poder absoluto do rei.

Luis XVI reagiu e no dia 14 de julho de 1789 os parisienses foram às ruas e invadiram a Bastilha, um símbolo do poder tirânico do rei, já que era o local onde ficavam seus presos políticos.

Assassin’s Creed Unity quando foi lançado sofreu muito devido aos bugs que o jogo possuía, no entanto ninguém podia se queixar do visual artístico do game. Os jogadores podem experimentar uma reconstituição artística primorosa da França no século XVIII. Do Palácio de Versalhes às ruas dos bairros pobres, o visual artístico do jogo é de brilhar aos olhos e a reconstituição da Bastilha não foi diferente. Começamos por dentro da fortaleza interagindo com os poucos presos que ali existiam. O ambiente é de estarmos de fato numa grande fortaleza medieval. Quando a população invade a Bastilha, Arno aproveita para fugir. Saindo de sua cela, luta com guardas e do lado de fora, escala as paredes. Neste momento temos a dimensão do que estava acontecendo no exterior.

11143491_1018150768230333_5395592228957576710_o

Com riqueza de detalhes, vemos a multidão invadindo a Bastilha. O som dos tiros ecoa por todos os lados enquanto o jogador percorre os corredores da prisão em seus diversos níveis. Do ponto mais alto da prisão, Dorian vislumbra as ruas tomadas pelos populares e do salto para a liberdade, vemos Paris seguindo um rumo sem volta.

A experiência simulada por Assassin’s Creed Unity é empolgante em nos colocar naquele momento singular da história. Pela perspectiva do personagem que não possuía nenhuma dimensão do que estava vivendo ou testemunhando, o jogador pode entender o contexto a partir das informações que recebeu em sala de aula ou de uma pesquisa sobre o período. É interessante uma atividade desenvolvida em cima do jogo para alunos do ensino fundamental. “Qual momento Arno Dorian estava vivendo?” “O que significou a queda da Bastilha?” Poderiam ser algumas perguntas feitas e respondidas usando o game como referência.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...