Vem aí um MMO de Firefly

Leandro de Barros

  segunda-feira, 07 de janeiro de 2013

Vem aí um MMO de Firefly

Empresa diz ter conseguido a "benção" da 20th Century Fox e deve iniciar a campanha de arrecadação de fundos do projeto em breve

O caso que gerou mais comentários e polêmicas nesse fim de semana no conturbado mundo dos video-games foi o vindouro MMO baseado no universo de Firefly, série criada por Joss Whedon (Os Vingadores) e que se tornou um símbolo cult após ter sido cancelada na sua primeira temporada.

Intitulado FUO, o projeto já existe desde, pelo menos, abril de 2011. Porém, foi no primeiro dia desse ano que a DarkCryo, desenvolvedora por trás do game, atualizou a página do MMO no Facebook dizendo que o projeto havia sido retomado com “a benção da Fox Entertainment Group”.

Foi exatamente essa história de “benção da Fox” que começou a gerar um burburinho na Internet. Se o MMO terá a benção do estúdio, então se tratará de algo oficial? Será um MMO de Firefly licenciado?

Bem, não. Ninguém melhor do que a própria DarkCryo pra explicar a situação:

Após inúmeras conversas ao telefone, os executivos e jurídicos da 20th Century Fox deram suas bençãos à DarkCryo Entertainment para produzir um game inspirado [em Firefly] – não endossado. Existe uma diferença enorme entre esses dois tipos de trabalhos, e nós estamos trabalhando continuamente com um conselho da 20th para garantir que a propriedade deles continua protegida“, disse a declaração da empresa.

Em resumo, um estúdio está fazendo um MMO inspirado no universo de Firefly. Eles possuem o “OK!” da 20th Century Fox para seguir o projeto, apesar do estúdio não licenciar o game. Ou seja, vai se passar naquele universo em específico, mas (provavelmente) não terá personagens da série nem nada do tipo.

A DarkCryo deve iniciar uma campanha de arrecadação para reunir os fundos necessários para bancar o jogo nas próximas semanas.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários