Veja os primeiros vídeos da jogabilidade de Gears of War: Judgment

  Leandro de Barros  |    sábado, 14 de julho de 2012

Epic Games leva o game para a Comic-Con 2012 e explica o modo OverRun

Gears of War: Judgment foi anunciado oficialmente durante a E3 2012, com um vídeo cheio de CGI e nenhum pinguinho de gameplay.  Para satisfazer a nossa curiosidade sobre o game, a Epic Games levou Gears of War: Judgment para a Comic-Con 2012 e mostrou um pouco do gameplay cooperativo do título, chamado OverRun.

Nesse modo de jogo, o jogador poderá escolher entre ser um humano ou um Locust. Cda raça possui classes específicas, que são explicadas no vídeo abaixo:

Como humano, o jogador poderá jogar como Medic, Scout, Engineer ou Soldier. A classe Medic é o que o nome indica: o médico do grupo. A principal característica dessa classe é a habilidade de jogar uma granada de cura para salvar alguns colegas da morte. O Scout é o batedor da equipe, com a capacidade de subir em prédios e descobrir a localização dos inimigos. Jogando uma granada específica, o Scout consegue descobrir inimigos próximos que ficam “marcados”. Quando um inimigo fica marcado, ele toma o dobro de dano.

O Engineer faz a função de engenheiro do time.. Ele possui a habilidade de restaurar e construir armadilhas contra os inimigos, além de podoer construir equipamentos que atacam os adversários. O Soldier é o que o nome da classe indica: o soldado do grupo. Além da habilidade de combate, o Soldier pode colocar no mapa um baú cheio de munição para os colegas da equipe.

Os Locust possuem mais diversidade de personagens, com destaque para o Kantus (que pode curar vários colegas ao mesmo tempo) e os Tickers, que possuem a habilidade de correr, destruir armadilhas e se auto-explodir.

Veja um vídeo do modo OverRun em ação:

Gears of War: Judgment sairá para Xbox 360 em Março do ano que vem.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários