Ubisoft se complica ao tentar explicar a ausência de assassinas no coop de Assassin’s Creed: Unity

Leandro de Barros

  quinta-feira, 12 de junho de 2014

Ubisoft se complica ao tentar explicar a ausência de assassinas no coop de Assassin’s Creed: Unity

Exclusividade de skins masculinas no cooperativo de Assassin's Creed Unity cria polêmica com os fãs na Internet

O gameplay de Assassin’s Creed Unity foi apresentado pela Ubisoft durante a E3 2014 com um grande foco numa novidade dentro da franquia: um modo de jogabilidade cooperativa.

Basicamente, durante a campanha do game, o jogador poderá passar a jogar com outros 3 amigos para cumprir os objetivos do jogo em conjunto. A ideia é legal, bonita e sapeca, mas o pessoal do Videogamer notou que tinha uma coisa meio errada nessa jabiroca: por que os 4 assassinos exibidos no modo cooperativo eram homens? Não rolava de colocar ali a skin de uma assassina para quem quiser jogar com uma personagem feminina no coop?

A confusão começou quando o diretor técnico do game, James Therien, se complicou na resposta a dar para o site:

[Personagens femininas no coop] era um dos itens na nossa lista de opções no game até pouco tempo atrás, mas se trata de uma questão de foco e produção. Nós queríamos ter certeza que teríamos a melhor experiência pro personagem. Uma personagem mulher significaria que teríamos de fazer um monte de animações, um monte de roupas. Teríamos o dobro de trabalho nessas coisas. O que eu quero dizer é que isso era algo que o time realmente queria ter, mas nós tivemos de fazer uma decisão. É uma pena, mas é a relidade do desenvolvimento de um game

Então, peraí… quer dizer que assassinas no coop foram excluídas porque uma empresa que desenvolve games… não queria desenvolver um jogo mais completo? Isso não é a mesma coisa do que o Neymar dizer que prefere empatar um jogo da Copa ao invés de jogar a prorrogação e fazer mais um gol? (essa comparação esportiva é um oferecimento da Copa do Mundo –  na verdade não, mas né?) E, além disso, não foi a própria Ubisoft quem disse que Assassin’s Creed Unity estava sendo feito por NOVE times de desenvolvimento? Não dava realmente pra gastar uns dias nessas animações, sério?

Quando pressionado com essas indagações pelo Videogamer, o diretor técnico realmente começou a se complicar de verdade, já que parte da sua resposta foi inaudível pro site:

Novamente, essa não é uma questão de filosofia ou escolha, nesse caso em específico eu realmente não [inaudível] foi uma questão de foco e uma questão de produção. Sim, nós temos toneladas de recursos, mas estamos direcionando-os para esse jogo, temos nove estúdios trabalhando nesse jogo e precisamos dessas pessoas para fazer o que estamos fazendo aqui

Então… vocês tem toneladas de recursos, times de desenvolvimentos enormes e 9 estúdios trabalhando num jogo – e mesmo assim não rola de animar uma assassina? Mas pra animar e desenhar as cortesãs do game, certeza que vocês tiveram tempo, paciência e recursos, né?

Enfim, foi nessa hora que a Ubisoft notou o problema que estava sendo criado e resolveu agir dando a versão oficial do estúdio pra situação, que é a seguinte:

Nós reconhecemos a válida preocupação sobre a diversidade na narrativa dos games. Assassin’s Creed é desenvolvido por um time multicultural de várias fés e crenças e nós esperamos que essa atenção à diversidade seja refletida nas ambientações dos nossos games e personagens.

Assassin’s Creed Unity é focado na história do nosso personagem principal, Arno. Seja jogando sozinho ou com o modo cooperativo, o jogador sempre estará jogando como Arno, o que inclui toda o seu amplo equipamento e conjunto de habilidades que fazem dele único.

Com a preocupação em relação a diversidade dos nossos Assassinos jogáveis, nós inserimos Aveline, Connor, Adewale e Altair nos jogos de Assassin’s Creed e continuamos a procurar exibir personagens diversos. Nós estamos ansiosos para introduzir ao público algumas das fortes personagens femininas em Assassin’s Creed Unity

Basicamente, a explicação oficial da Ubisoft para não introduzir um avatar de uma assassina durante o modo cooperativo de Unity é, bem, tecnicamente você nunca deixa de ser Arno quando passa a jogar com seus amigos. A única diferença é que, no jogo deles, você é exibido com uma roupa diferente do personagem para diferenciá-lo (e um nível de barba diferente também). Assim, não há a opção de “escolha” de visual do modo cooperativo, já que o jogador não passará a jogar com o “Zé da Esquina”, mas sempre com um Arno diferente, com um visual customizável dentro do seu próprio save.

Assim, de acordo com a empresa francesa, o jogador poderá definir o visual do seu assassino para distinguí-lo dos outros jogadores, mas ele nunca deixará de ser o Arno e, portanto, um homem.

Claro que não dá para esquecer o trabalho da franquia na questão da diversidade de gênero e etnia dos seus protagonistas (afinal, dos seus 6 assassinos já jogáveis – com a exceção do Arno, portanto – 4 fogem do padrão “homem branco heteressexual”), mas essa explicação para a ausência de uma skin de assassina no modo cooperativo é meio fraquinha. Não dava pra usar as animações das personagens femininas que eles sempre usam no multiplayer e “justificar” o cooperativo na trama do game dizendo que todos os jogadores do cooperativo usam o Animus pra assumir as memórias de outros assassinos momentaneamente?

Enfim, qual a sua opinião sobre tudo isso?


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários