Ubisoft pergunta aos fãs o que eles querem para o próximo Far Cry

A Ubisoft soube espertamente transformar duas das suas principais franquias em séries virtualmente infinitas através das suas ambientações. Tanto em Assassin’s Creed quanto em Far Cry, parte da graça dos seus games é justamente conhecer o “cenário” onde se passam essas aventuras, seja nos períodos históricos das histórias dos Assassinos ou nos ambientes selvagens das tramas de sobrevivência de Far Cry.

Assim como já aconteceu com Assassin’s Creed antes, a Ubisoft enviou um questionário para alguns jogadores de Far Cry para tentar mapear o interesse do público nos futuros títulos da franquia.

No questionário, a empresa francesa pediu aos jogadores que escolhessem três das seguintes possíveis ambientações para futuros jogos da série:

  • Um jogo de Far Cry no Alasca sobre sobreviver em ambientes selvagens extremos;
  • Um jogo de Far Cry com uma ambientação de ficção-científica em outro planeta;
  • Um jogo de Far Cry durante a Guerra do Vietnã nos anos 60;
  • Um jogo de Far Cry ambientado nas selvas com tráfico de cocaína no Peru;
  • Um jogo de Far Cry onde você pode enfrentar ou se unir à vampiros;
  • Um jogo de Far Cry numa ambientação de faroeste durante o Século XIX;
  • Um jogo de Far Cry durante uma epidemia zumbi;
  • Um jogo de Far Cry baseado num mundo pós-apocalíptico ao estilo Mad Max;
  • Um jogo de Far Cry nos dias de hoje, numa ilha com dinossauros ao estilo Jurassic Park;
  • Um jogo de Far Cry baseado no mundo de Shangri-La de Far Cry 4;
  • Blood Dragon 2: Uma sequência de Blood Dragon

Como dá para ver, a Ubisoft tem algumas ideias mais definidas do que outras (“selvas com tráfico de cocaína no Peru” é bem mais concreto do que “Guerra do Vietnã nos anos 60”, por exemplo), o que dá para presumir um pouco o que a gente pode esperar para um Far Cry 5. Também dá pra notar a empresa francesa testando o interesse do público em ambientações mais nonsense, como a dos vampiros, do faroeste ou dos dinossauros, bem como sua vontade em explorar elementos já estabelecidos na franquia (Shangri-La ou a sequência de Blood Dragon).

Como o histórico recente da Ubisoft aponta, a empresa costuma realmente basear suas decisões nesses questionários. Em 2010 ela organizou um perguntando sobre várias funcionabilidades que seriam vistas no ano seguinte em Assassin’s Creed: Revelations; em 2011 ela questionou sobre ambientações para Assassin’s Creed e TRÊS das opções já foram utilizadas; em 2012 a Ubisoft perguntou sobre a implementação de um modo cooperativo na série, que veio no ano passado com Assassin’s Creed: Unity.

via Eurogamer

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...