Ubisoft diz que o “fim” de Assassin’s Creed já está decidido

Leandro de Barros

  segunda-feira, 05 de agosto de 2013

Ubisoft diz que o “fim” de Assassin’s Creed já está decidido

Diretor de Assassin's Creed IV: Black Flag afirma que a Ubisoft já sabe como a franquia Assassin's Creed vai acabar

Entra ano e sai ano, desde 2007, que um Assassin’s Creed é lançado. Na maioria das vezes temos os títulos “principais” da série, como Assassin’s Creed II ou Assassin’s Creed III, outras vezes temos títulos spin-offs como Assassin’s Creed: Altaïr’s Chronicles. E, segundo o CEO da Ubisoft, Yves Guillemot,esse cenário deve continuar por mais alguns anos.

Porém, contudo e todavia, a Ubisoft já tem um fim planejado para a saga. Pelo menos é o que afirma Ashraf Ismail, diretor de Assassin’s Creed IV: Black Flag, em entrevista ao Eurogamer:

Nós temos múltiplos times de desenvolvimento e também temos a equipe que cuida da marca da franquia, que é cheia de escritores e designers e se preocupa com a série num geral. Então temos esse arco principal e cada interação de um novo game é colocada ali. Nós somos uma franquia anual, que lança um game por ano, mas dependendo da ambientação, dependendo do que os fãs querem, nós conseguimos arranjar espaço nesse arco para mais jogos. Mas já existe um fim acertado

Quem acompanha a saga sabe que a trama principal de Assassin’s Creed envolve a guerra entre duas facções: os Templários e os Assassinos. Os primeiros games da franquia foram protagonizados por Desmond Miles, descendente de famosos Assassinos. Em Assassin’s Creed IV, o protagonista será outro: um recém-contratado da Abstergo Industries, empresa dos Templários.

E por falar nisso, confira as primeiras imagens da parte “futurista” da trama do game:

Ac4 Presente 01

Ac4 Presente 02

Ac4 Presente 03

Ac4 Presente 04

Assassin’s Creed 4: Black Flag sai no fim do ano para PS3, PS4, Xbox 360, Xbox One, Wii U e PC.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários