Suprema Corte Americana derruba lei que regulava a venda de games na Califórnia

  Leandro de Barros  |    segunda-feira, 27 de junho de 2011

A Suprema Corte Americana decidiu-se hoje sobre o caso do Estado da Califórnia que pretendia banir a venda de jogos violentos para menores de idade.

A Suprema Corte Americana decidiu-se hoje sobre o caso do Estado da Califórnia que pretendia banir a venda de jogos violentos para menores de idade.

A conclusão:

Como os livros, peças de teatro, e filmes que os precederam, os video games comunicam ideias – e até mesmo mensagens sociais – por meio de muitos dispositivos literários (como personagens, narrativas, diálogo e música) e por meio de características distintas de sua mídia (como a interação do jogador em um mundo virtual). Isto é suficientge para conferir aos games a proteção da Primeira Emenda. De acordo com a Constituição, ´valores estéticos e morais sobre arte e literatura são para o indivíduo escolher, e não para o Governo decretar, mesmo com mandato e apoio de uma maioria´

Dois juízes foram contra alegando que a liberdade de discurso não inclui o direito de falar a menores de idade sem a autorização dos pais ou guardião.

Galera, essa questão sempre foi muito simples. Crianças não devem ter acesso à conteúdo que NÃO É para crianças, simples. É função dos pais fazer esse controle. Eu já falei mais disso aqui.

A parte boa é que essa decisão é da Suprema Corte Americana, o que significa que, cada vez que um histérico tentar levar à tribunal alguma coisa contra os games, vai resvalar nesse parecer.

Pra nós, brasileiros, o que muda? Nada. Apenas surge a esperança de que os políticos e autoridades nacionais comecem a se mirar no exemplo americano e que blindem os games. profissionais da área e apreciadores do escracho público promovido por alguns meios de comunicação. Custa sonhar?

via GameGasi


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários