Primeiras impressões Watch Dogs

Confira aqui as primeiras impressões do incrível Watch Dogs, que chega ano que vem às prateleiras

Matheus Pessôa

  terça-feira, 05 de novembro de 2013

O Supernovo esteve presente na BGS (Brasil Game Show) e pôde ver um pouco do lançamento da Ubisoft.  Com certeza um dos games mais aguardados desse ano (que acabou sendo adiado para o ano que vem), Watch Dogs teve um stand diferenciado. Com uma verdadeira redoma ao seu redor, o jogo foi apresentado por um representante da Ubisoft-BR e jogado por um dos produtores canadenses do game. Não, ninguém jogou. Talvez esse tenha sido um ponto fraco da apresentação. A Ubisoft teve os seus motivos para fazer isso, mas seria (MUITO) mais divertido se as pessoas pudessem jogar a Demo que a produtora trouxe. Não aconteceu, infelizmente. Mas fomos recompensados.

[Home Page Carousel] Aiden_NewKeyArt_99828

Porém, vamos falar do jogo e do que foi visto durante a meia hora em que pudemos ver o jogo. O que vimos foi uma missão nunca antes vista e e que se encontra no meio da campanha. tudo aquilo que você ouviu de ‘Você controla toda a cidade. Você sabe tudo o que se passa em todos os lugares’ é a mais pura verdade. Na missão que foi mostrada, o protagonista do jogo (Aiden Pierce) tinha que invadir uma área cheia de inimigos com seu parceiro na sacada de um prédio, de Sniper na mão, ajudando-o durante o processo. Nesta ocasião, os múltiplos recursos do jogo foram mostrados. Por exemplo: para evitar um conflito direto com os bandidos, Aiden utilizou de seu smartphone para hackear a câmera de segurança e obter a localização exata deles.

Com a localização mapeada, foi a vez de usarmos ‘iscas’ para eliminar os inimigos. Lembrou um pouco a mecânica que existe em Far Cry 3 e em Hitman: Absolution (jogar alguma coisa para distrair e matar em seguida). No entanto, aqui funciona de um jeito diferente: através do próprio smartphone, você pode controlar os objetos mecânicos ao redor e usufruir do ruído ou movimento que eles fazem. Aiden mira numa empilhadeira, aperta um botão no celular e ela se mexe. O inimigo vira para trás. No caso, um simples olhar para trás por parte dele resultava em um estrondoso e preciso tiro em sua cabeça. ‘Menos um’.

Ao sacar os martphone e mirá-lo em um dos oponentes, aparecem as várias descrições que a Ubisoft fez questão de colocar. ‘Candidatou-se à prefeitura de Chicago, mas perdeu as eleições’, por exemplo, o que traz uma noção de realidade enorme ao jogador. E isso acontece com a maioria (senão todos) os personagens ‘secundários’ do jogo. Há um momento no qual você pode ficar na espreita vendo o que um dos seus objetivos está fazendo em seu apartamento, vendo a televisão, com a mini-biografia aparecendo na tela.

Área invadida, controles da sala de comando hackeados, encontramos o chefe que procurávamos. Recebido com um tiro na perna e uma cutscene fazendo múltiplas ameaças à sua família, conseguimos neutralizá-lo e obtermos algumas informações que nos serão úteis no decorrer do jogo.

Ao sair, no entanto, os guardas tinham sido alertados. Então foi mostrada a mecânica de combate. Com um arsenal repleto de armas tanto pesadas quanto leves, o game não inova muito neste sentido. Talvez os controles sejam fáceis e simples de usar, mas como não joguei, não pude avaliar este quesito. Há, também, o comando que se assemelha a um bullet time, que pode ser comparado ao de Uncharted ou do próprio Hitman; O que, de fato, foi notável na apresentação foi justamente o que a Ubisoft tanto vem prometendo aos gamers e que é, de fato, o diferencial em Watch Dogs.

Para uma escapada perfeita, nada como desnortear seus inimigos (Batman que o diga!) e sumindo na surdina. É então que Aiden saca seu smartphone e simplesmente acaba com a luz de toda a cidade. De toda a cidade. Não é só o local onde ele está, mas de, literalmente, toda a cidade. O produtor até mostrou, calmamente, as luzes se apagando nos prédios ao redor do centro de construções, todas apagando-se uma após da outra.

Com gráficos beirando a perfeição, a chuva caía magnificamente na superfície escura que agora se apresentava no jogo, a luz da lua sendo a única fonte de claridade que dava um tom ainda mais grandioso e triunfante a Watch Dogs. Entramos no carro, ativamos uma ponte (com o smartphone). Como se nada tivesse acontecido, Aiden toma seu rumo.

Por causa da preocupação da Ubisoft em trabalhar os mínimos detalhes dos personagens (com a questão das descrições e tudo o mais) e dos ótimos gráficos e capturas faciais (lembrando L.A. Noire, o melhor neste quesito até hoje), a apresentação de Watch Dogs na BGS só aumentou as expectativas para que o dia de seu lançamento chegue logo e que os gamers, enfim, possuam a cidade de Chicago e a vida de todas as pessoas de lá, na palma das mãos.


Comentários